Seet
Sobral – 300×100

Polícia prende dois acusados pela morte do professor Fabriciano Borges

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;">A Policia Civil de Aragua&iacute;na prendeu nesta sexta-feira, 22, dois acusados pelo assassinato do presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educa&ccedil;&atilde;o (Sintet) e professor Fabriciano Correia Borges, 39 anos, ocorrido no dia 8 de novembro do ano passado em sua resid&ecirc;ncia na Rua Santa In&ecirc;s, Setor Raizal.&nbsp;</span><span style="font-size:14px;">Na &eacute;poca, o corpo do sindicalista foi encontrado com os p&eacute;s e as m&atilde;os amarrados com fio de energia, al&eacute;m do pesco&ccedil;o.&nbsp;</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">De acordo com a Pol&iacute;cia, outros dois acusados pelo crime est&atilde;o foragidos, mas j&aacute; foram expedidos mandados de pris&atilde;o contra eles. Entre os presos est&aacute;&nbsp;</span><span style="font-size: 14px;">Artur Rodrigues Santos, 19 anos, que mentiu &agrave; Policia afirmando que tinha 17 anos para n&atilde;o imagem divulgada.&nbsp;</span><span style="font-size: 14px;">O outro acusado &eacute; K</span><span style="font-size: 14px;">leidione Rosa Bezerra, de 19 anos</span><span style="font-size: 14px;">.</span></div>
<div style="text-align: justify;">
<br />
<span style="font-size:14px;">Segundo a Delegada Ver&ocirc;nica, o crime n&atilde;o teve nenhuma liga&ccedil;&atilde;o pol&iacute;tica, sindical ou homof&oacute;bica, mas trata-se de um latroc&iacute;nio [roubo seguido de morte]. Ainda conforme a Delegada, os dois jovens confessaram a autoria do crime durante depoimento &agrave; pol&iacute;cia. <em>&ldquo;Foi um latroc&iacute;nio. Objetivo era simplesmente roubar, n&atilde;o teve crime homof&oacute;bico e nem motiva&ccedil;&atilde;o pol&iacute;tica,&rdquo;</em>&nbsp; disse.</span><br />
<br />
<span style="font-size: 14px;"><em>&ldquo;Eles combinaram de ir para a casa da v&iacute;tima, tiverem rela&ccedil;&atilde;o sexual, estavam&nbsp; dormindo na mesma cama, quando o outro chegou, roubou alguns pertences, depois mataram ele sufocado&quot;</em>, contou Ver&ocirc;nica, ao site Aragua&iacute;na Not&iacute;cias.&nbsp;</span><br />
<br />
<span style="font-size: 14px;">Ainda conforme a Delegada, em seguida amarram o corpo, m&atilde;os, p&eacute;s e pesco&ccedil;o, depois colocaram o travesseiro sobre o rosto de Fabriciano.&nbsp; A inten&ccedil;&atilde;o dos acusados, segundo a pol&iacute;cia, era simplesmente roubar, mas depois ficaram com medo de serem reconhecidos e mataram a v&iacute;tima.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;"><strong><u>Detalhes do crime</u></strong><br />
<br />
De acordo com o site Aragua&iacute;na Not&iacute;cias, Elisafran Gon&ccedil;alves, que tinha um relacionamento amoroso com Fabriciano h&aacute; dois anos &eacute; o acusado de ser o mentor intelectual do crime, facilitando a entrada dos outros criminosos na resid&ecirc;ncia para efetuar o roubo. Segundo a Pol&iacute;cia, enquanto Fabriciano dormia, foi dominado e amorda&ccedil;ado por tr&ecirc;s elementos, e um deles segurava uma&nbsp; faca em seu pesco&ccedil;o.<br />
<br />
Por&eacute;m, no momento em que a v&iacute;tima j&aacute; estava desacordada, um dos rapazes acabou entregando o suposto mentor do crime, quando falou: <em>&ldquo;Elisafran, o servi&ccedil;o j&aacute; est&aacute; pronto&rdquo;</em>. Como este ficou com medo da v&iacute;tima ter ouvido e entender que houve a participa&ccedil;&atilde;o do parceiro (Elisafram) no caso, ent&atilde;o decidiram tirar a vida do sindicalista, segundo a Policia.&nbsp; Fabriciano morreu por asfixia.<br />
<br />
<strong><u>Cena do crime</u></strong><br />
<br />
Durante o latroc&iacute;nio os elementos &nbsp;levaram 01 notebook, uma c&acirc;mera digital e o um celular. Segundo o delegado&nbsp;</span><span style="font-size: 14px;">Manoel Laeldo Santos</span><span style="font-size: 14px;">&nbsp;todos os pertencentes de Fabricio foram encontrados com um dos acusados. Na &eacute;poca que ocorreu o crime, novembro de 2011, a Pol&iacute;cia encontrou um envelope escrito &ldquo;Cagueta,&rdquo; express&atilde;o coloquial para se referir &agrave; aquele que denunciou algo il&iacute;cito. J&aacute; o corpo foi encontrado estrangulado, com um fio amarrado no pesco&ccedil;o, al&eacute;m dos p&eacute;s e m&atilde;os que estavam atados. Al&eacute;m disso, havia um travesseiro sobre o rosto.</span></div>
<div style="text-align: justify;">
<br />
<span style="font-size:14px;"><u><strong>A investiga&ccedil;&atilde;o</strong></u><br />
<br />
Segundo o Aragua&iacute;na Not&iacute;cias, o Delegado declarou que ap&oacute;s meses de investiga&ccedil;&atilde;o, e atrav&eacute;s de uma suposta autoria que chegaram aos criminosos. Buscamos todas as informa&ccedil;&otilde;es para convencer a Justi&ccedil;a da pris&atilde;o tempor&aacute;ria que no momento &eacute; de 30 dias, para assim, chegarmos a apurar todos provas do crime. Na &eacute;poca foram encontrados no local latas de cerveja, televis&atilde;o e o som estavam ligados. A per&iacute;cia colheu as impress&otilde;es digitais no envelope e fez o exame grafot&eacute;cnico para identificar o autor.</span><br />
<br />
<u><strong><span style="font-size: 14px;">O crime</span></strong></u><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">Fabriciano Correia Borges, tinha 39 anos e foi encontrado morto em sua resid&ecirc;ncia no dia 8 de novembro, em Aragua&iacute;na. Natural de Floriano (PI), Fabriciano era professor das redes p&uacute;blica municipal e estadual, diretor de Sa&uacute;de do Trabalhador do SINTET central, presidente do SINTET Regional de Aragua&iacute;na, conselheiro municipal da Educa&ccedil;&atilde;o de Aragua&iacute;na, diretor da UNCME- Uni&atilde;o Nacional dos Conselhos Municipais de Educa&ccedil;&atilde;o, conselheiro do FUNDEB e membro da Executiva Municipal e Estadual do Partido dos Trabalhadores.</span><br />
&nbsp;</div>

Comentários pelo Facebook: