Sobral – 300×100
Seet

Monumento Natural de Árvores Fossilizadas completa 15 anos

admin -

<span style="font-size:14px;">H&aacute; alguns milh&otilde;es de anos o Tocantins abrigou uma floresta que hoje &eacute; considerado um dos maiores registros de vegetais fossilizados do mundo. Sua import&acirc;ncia levou a cria&ccedil;&atilde;o do Monumento Natural das &Aacute;rvores Fossilizadas do Tocantins (MNAFTO), localizada no munic&iacute;pio de Filad&eacute;lfia, que completa 15 anos, no pr&oacute;ximo dia 4. A unidade de conserva&ccedil;&atilde;o (UC) &eacute; administrada pelo Governo do Tocantins, por meio do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins).<br />
<br />
A origem do seu nome se deu em fun&ccedil;&atilde;o da exist&ecirc;ncia de s&iacute;tios paleontol&oacute;gicos existentes na regi&atilde;o, onde s&atilde;o encontrados f&oacute;sseis da flora permiana como gimnospermas e pterid&oacute;fitas <em>&ldquo;samambaias&rdquo;</em> que abrigam informa&ccedil;&otilde;es sobre uma das mais importantes transforma&ccedil;&otilde;es geol&oacute;gicas ocorridas no per&iacute;odo Permiano.<br />
<br />
Nesses 15 anos, o MNfato alcan&ccedil;ou importantes conquistas como a infraestrutura f&iacute;sica, inaugurada no primeiro semestre. A nova sede possui tr&ecirc;s&nbsp; blocos distintos, sendo: administra&ccedil;&atilde;o, alojamento e garagem. A estrutura proporciona melhorias nas condi&ccedil;&otilde;es b&aacute;sicas de trabalho aos servidores, apoio a pesquisadores, estudantes, visitantes entre outros, assim como benef&iacute;cios para a comunidade com o aumento da demanda do turismo cient&iacute;fico e ecol&oacute;gico a esse centro.<br />
<br />
O gerente do Mnafto, Hermisio Alecrim Aires, ressaltou que diferente da maioria das categorias de unidades de conserva&ccedil;&atilde;o de prote&ccedil;&atilde;o integral, os monumentos naturais n&atilde;o s&atilde;o necessariamente &aacute;reas de dom&iacute;nio p&uacute;blico. <em>&ldquo;Podem estar localizados dentro de propriedades particulares, desde que a utiliza&ccedil;&atilde;o da terra e dos recursos naturais pelos propriet&aacute;rios seja compat&iacute;vel com os objetivos da UC&rdquo;</em>, explicou. Diante deste contexto, Herm&iacute;sio Alecrim, refor&ccedil;a que a gest&atilde;o da UC prioriza a promo&ccedil;&atilde;o do di&aacute;logo, alinhando os interesses da Unidade de Conserva&ccedil;&atilde;o com a comunidade e a execu&ccedil;&atilde;o de um conjunto de pol&iacute;ticas relacionadas com a gest&atilde;o territorial, conserva&ccedil;&atilde;o e desenvolvimento socioambiental.<br />
<br />
<strong><u>MNAFTO</u></strong><br />
<br />
A unidade de conserva&ccedil;&atilde;o foi criada atrav&eacute;s da Lei n&ordm; 1.179 de 04 de outubro de 2000 e tem como objetivo <em>&ldquo;proteger e conservar as diversidades biol&oacute;gicas e paleontol&oacute;gicas existentes no local&rdquo;</em>.<br />
<br />
A sede est&aacute; situada no distrito de Biel&acirc;ndia, munic&iacute;pio de Filad&eacute;lfia, regi&atilde;o norte do Estado do Tocantins, a aproximadamente 438 km da Capital, e abrange uma &aacute;rea de 32.067,1000 hectares de cerrado.<br />
<br />
Sua Zona de Amortecimento engloba parte do munic&iacute;pio de Baba&ccedil;ul&acirc;ndia (TO). O acesso ocorre atrav&eacute;s das rodovias TO-010 e a TO-222.<br />
<br />
Dentre as a&ccedil;&otilde;es desenvolvidas na UC destaca-se: o monitoramento do patrim&ocirc;nio fossil&iacute;fero; o combate a inc&ecirc;ndios florestais, por meio da Brigada; a melhoria da imagem da Unidade junto &agrave; comunidade local; visita a comunidades do interior e zona de amortecimento para socializar as inter-rela&ccedil;&otilde;es, os valores e os objetivos da UC; recep&ccedil;&atilde;o de institui&ccedil;&otilde;es e p&uacute;blico em geral na UC e organiza&ccedil;&atilde;o das visitas guiadas assim como o oferecimento de log&iacute;stica local a pesquisadores.</span>

Comentários pelo Facebook: