Sobral – 300×100
Seet

Nova empresa é contratada sem licitação por R$ 5,2 milhões para serviços de oncologia no HRA

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<em>Portal AF Not&iacute;cias</em><br />
<br />
A Secretaria de Sa&uacute;de do Tocantins (Sesau) contratou, sem licita&ccedil;&atilde;o, o Centro Integrado de Tratamento Oncol&oacute;gico para assumir os servi&ccedil;os de radioterapia, braquiterapia, quimioterapia e oncologia cl&iacute;nica no Hospital Regional de Aragua&iacute;na (HRA) durante seis meses, por mais de R$ 5,2 milh&otilde;es. A contrata&ccedil;&atilde;o foi ap&oacute;s a Sesau rescindir o contrato com o Instituto Oncol&oacute;gico.<br />
<br />
O contrato foi publicado na edi&ccedil;&atilde;o desta ter&ccedil;a-feira (06) do Di&aacute;rio Oficial do Estado e &eacute; argumentado que a Unidade de Alta Complexidade (Unacom) do Hospital Regional de Aragua&iacute;na sofre com problema t&eacute;cnico no acelerador linear, fazendo com que pacientes que iniciaram alguma modalidade de tratamento ficassem impossibilitados de continuar o procedimento.<br />
<br />
A secretaria informa ter adquirido um segundo acelerador linear, atrav&eacute;s de conv&ecirc;nio com o Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de. Entretanto, apesar do novo aparelho, a pasta alega que n&atilde;o foi poss&iacute;vel a constru&ccedil;&atilde;o da sala onde ser&aacute; utilizado o equipamento.<br />
<br />
<strong><u>Entenda</u></strong><br />
<br />
O servi&ccedil;o de radioterapia em Aragua&iacute;na foi interrompido por uma pend&ecirc;ncia junto a Ag&ecirc;ncia Nacional de Vigil&acirc;ncia Sanit&aacute;ria (Anvisa) relativa ao processo de importa&ccedil;&atilde;o do acelerador linear, m&aacute;quina utilizada no procedimento de radioterapia.<br />
<br />
O &uacute;nico aparelho de radioterapia do Estado que estava sendo operado pelo Instituto Oncol&oacute;gico foi interditado no m&ecirc;s de agosto e os paciente que precisavam de tratamento tieram que ser encaminhados para Imperatriz (MA).<br />
<br />
O Estado se responsabilizou pelo custeio das despesas de transporte e hospedagem uma vez eu o servi&ccedil;o s&oacute; seria retomado somente quando fosse atendidos os crit&eacute;rios da Vigil&acirc;ncia Estadual e Anvisa.</span>

Comentários pelo Facebook: