Seet
Sobral – 300×100

Marcelo Miranda foi o único governador a subir tributação de alimentos essenciais como carne, arroz e leite em 70%

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<em>Portal AF Not&iacute;cias</em><br />
<br />
Quem n&atilde;o ouviu, recentemente, algu&eacute;m reclamar que fazer compras no mercado est&aacute; cada vez mais caro? Ou percebeu que o dinheiro do or&ccedil;amento reservado para esse tipo de gasto j&aacute; n&atilde;o cobre a mesma lista de produtos de sempre?<br />
<br />
Pois &eacute;, ir ao supermercado no Brasil est&aacute; cada vez mais caro. No Tocantins, vai ficar pior ainda. N&atilde;o bastasse a infla&ccedil;&atilde;o galopante que afeta diretamente o pre&ccedil;o dos alimentos, os tocantinenses v&atilde;o pagar mais caro pelos alimentos b&aacute;sicos da rotina dom&eacute;stica a partir do pr&oacute;ximo ano.<br />
<br />
Isso porque o governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), foi o &uacute;nico, por enquanto, a subir a tributa&ccedil;&atilde;o para alimentos, como arroz, carne e leite.<br />
<br />
A partir de 2016, o imposto sobre esses alimentos ter&aacute; um aumento de mais de 70%. A nova al&iacute;quota aprovada por 19 dos 24 deputados estaduais, passar&aacute; de 7% para 12%.<br />
<br />
O imposto incide sobre extratores e produtores, na agricultura e pecu&aacute;ria; da ind&uacute;stria ou do com&eacute;rcio, nas sa&iacute;das de arroz e de derivados do leite; do com&eacute;rcio, nas sa&iacute;das de produtos comest&iacute;veis em estado natural, resfriados, congelados ou temperados, resultantes do abate de bovinos, bufalinos, su&iacute;nos.<br />
<br />
<em>&quot;Isso &eacute; efeito da crise. Al&eacute;m do aumento de impostos, estamos projetando cortar a mesma quantia na despesa. Sem essas medidas, entregar&iacute;amos o or&ccedil;amento 2016 com d&eacute;ficit&quot;</em>, afirmou o secret&aacute;rio da Fazenda do Estado, Paulo Afonso.<br />
<br />
A expectativa do Governo do Estado &eacute; arrecadar cerca de R$ 250 milh&otilde;es por ano com o &ldquo;pacota&ccedil;o&rdquo; de aumento de impostos.</span>

Comentários pelo Facebook: