Seet
Sobral – 300×100

Brasileiros com mais de 60 anos têm 12 vezes mais risco de morrer por dengue

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;">Pessoas com idade acima de 60 anos t&ecirc;m 12 vezes mais risco de morrer por dengue do que as de outras faixas et&aacute;rias. Das 132 mortes registradas nos primeiros tr&ecirc;s meses deste ano, 42% foram de integrantes deste grupo, segundo levantamento do Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de.<br />
<br />
&quot;As causads desta condi&ccedil;&atilde;o de risco n&atilde;o est&atilde;o completamente esclarecidas, mas podem estar relacionadas com a maior preval&ecirc;ncia, nesta faixa et&aacute;ria, de doen&ccedil;as cr&ocirc;nicas, como card&iacute;acas, diabetes, entre outras&quot;, observa o secret&aacute;rio de Vigil&acirc;ncia em Sa&uacute;de, do Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de, Jarbas Barbosa.<br />
<br />
Devido aos dados, o minist&eacute;rio divulgou um alerta para que os idosos procurem os servi&ccedil;os de sa&uacute;de assim que surgirem os primeiros sinais da doen&ccedil;a, como febre, dor de cabe&ccedil;a (algumas vezes no fundo dos olhos) e dores nas articula&ccedil;&otilde;es.<br />
<br />
&quot;Se a pessoa com a doen&ccedil;a apresentar dores abdominais e v&ocirc;mitos persistentes, deve buscar imediatamente um servi&ccedil;o de sa&uacute;de porque estes s&atilde;o sinais de agravamento. Tamb&eacute;m &eacute; fundamental n&atilde;o tomar rem&eacute;dio que tenha em sua composi&ccedil;&atilde;o o &aacute;cido acetilsalic&iacute;lico (AAS, aspirina e outros) e se hidratar com &aacute;gua, sucos e &aacute;gua de coco&quot;, aconselha o secret&aacute;rio.<br />
<br />
As recomenda&ccedil;&otilde;es foram refor&ccedil;adas pelo secret&aacute;rio durante videoconfer&ecirc;ncia realizada nesta ter&ccedil;a-feira (9), em Bras&iacute;lia, com representantes das secretarias estaduais das Regi&otilde;es Nordeste e Sudeste, al&eacute;m do Paran&aacute; e Distrito Federal. Tamb&eacute;m participaram representantes das secretarias municipais de sa&uacute;de de Macei&oacute;, S&atilde;o Lu&iacute;s, Jo&atilde;o Pessoa e Sergipe.<br />
<br />
Durante o evento, o secret&aacute;rio Jarbas tamb&eacute;m alertou as autoridades para a necessidade de monitoramento da situa&ccedil;&atilde;o epidemiol&oacute;gica e refor&ccedil;o da prepara&ccedil;&atilde;o dos servi&ccedil;os de sa&uacute;de.<br />
<br />
N&uacute;meros da doen&ccedil;a<br />
<br />
Nos tr&ecirc;s primeiros meses deste ano, dez Estados brasileiros apresentaram alta incid&ecirc;ncia de dengue e concentraram 74,5% dos casos notificados ao Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de.&nbsp; At&eacute; 30 de mar&ccedil;o, os Estados de Rond&ocirc;nia, Acre, Amazonas, Tocantins, Minas Gerais, Esp&iacute;rito Santo, Rio de Janeiro, Paran&aacute;, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goi&aacute;s registraram &iacute;ndices que v&atilde;o de 304.9 at&eacute; 3.105 casos por 100 mil habitantes.<br />
<br />
O Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de considera tr&ecirc;s n&iacute;veis de incid&ecirc;ncia de dengue: baixa (at&eacute; 100 casos por 100 mil habitantes), m&eacute;dia (de 101 a 300 casos) e alta (acima de 300). A m&eacute;dia nacional &eacute; de 368.2 casos/100 mil habitantes.<br />
<br />
Em n&uacute;meros absolutos, os 10 Estados registraram 532.107 casos suspeitos, o equivalente a 74,5% do total das notifica&ccedil;&otilde;es em todo o pa&iacute;s, ou seja, 714.226. Do total de casos suspeitos notificados neste ano, 83.768 j&aacute; foram descartados.&nbsp; Vale destacar que as notifica&ccedil;&otilde;es em 2013 ainda s&atilde;o consideradas suspeitas, podendo ser descartadas ou confirmadas ap&oacute;s a investiga&ccedil;&atilde;o pelas secretarias municipais de sa&uacute;de.<br />
<br />
No ano passado, no mesmo per&iacute;odo (1&ordm; de janeiro a 30 de mar&ccedil;o), foram 190.294 notifica&ccedil;&otilde;es.&nbsp; Em 2011, os casos notificados foram 344.715 e, em 2010, de 501.806.<br />
<br />
Embora o Brasil contabilize aumento nos casos suspeitos, foi registrada redu&ccedil;&atilde;o de 5% dos casos graves, se comparado ao mesmo per&iacute;odo de 2012. No ano passado, ocorreram 1.488 casos graves e, neste ano, foram confirmados 1.417.<br />
<br />
Com rela&ccedil;&atilde;o a mortes, foram confirmados 132 (entre 1&ordm; de janeiro a 30 de mar&ccedil;o) de 2013. Em 2012, foram 117 mortes; 236&nbsp; em 2011, e 306, em 2010, no mesmo per&iacute;odo.<br />
<br />
Investimentos<br />
<br />
O minist&eacute;rio ressaltou que destinou, em 2010, R$ 1,05 bilh&atilde;o no controle da dengue. Em 2011, foram investidos R$ 1,43 bilh&atilde;o. E em 2012, R$ 1,73 bilh&atilde;o.<br />
<br />
Al&eacute;m disso, todos os munic&iacute;pios receberam adicional de R$ 173,3 milh&otilde;es, efetuado em dezembro de 2012, para a&ccedil;&otilde;es de qualifica&ccedil;&atilde;o das atividades de preven&ccedil;&atilde;o e controle da dengue, visando prevenir a intensifica&ccedil;&atilde;o da transmiss&atilde;o que sempre ocorre no ver&atilde;o.<br />
<br />
Em novembro do ano passado, o Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de lan&ccedil;ou campanha de mobiliza&ccedil;&atilde;o contra a dengue e intensificou a sua divulga&ccedil;&atilde;o durante todo o per&iacute;odo de maior ocorr&ecirc;ncia da dengue em 2013. Tamb&eacute;m foi oferecido aos profissionais de sa&uacute;de ensino a dist&acirc;ncia em manejo cl&iacute;nico do paciente com dengue, por interm&eacute;dio de curso promovido pela Unasus, conhecido como Dengue em 15 minutos. (<em>uol.com</em>)</span></div>

Comentários pelo Facebook: