Sobral – 300×100
Seet

Clube de Funcionários da Celtins, instalado em APP, continua impedindo início das obras na Usina Corujão em Araguaína

admin -

<u><strong><span style="font-size:14px;">Da Reda&ccedil;&atilde;o</span></strong></u><br />
<br />
<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;">Por meio de nota &agrave; imprensa, a empresa Alvorada Energia S.A informou nesta segunda-feira (17) que est&aacute; tudo pronto para come&ccedil;ar as obras de reconstru&ccedil;&atilde;o na Barragem do Coruj&atilde;o, em Aragua&iacute;na. No entanto, a empresa afirmou que para isso, &eacute; extremamente necess&aacute;ria a desocupa&ccedil;&atilde;o da sede da Associa&ccedil;&atilde;o Recreativa dos Funcion&aacute;rios da Celtins (ARCA), &ldquo;um pr&eacute;-requisito fundamental para as obras come&ccedil;arem&rdquo;.<br />
<br />
O problema j&aacute; foi mostrado em <a href="http://www.afnoticias.com.br/noticia-2007-impasse-causado-pelo-clube-de-funcionarios-da-celtins-pode-atrasar-obras-na-usina-do-corujao-associa.html" target="_blank"><u><strong>reportagem</strong></u></a> pelo <em><strong>AF Not&iacute;cias</strong></em>.<br />
<br />
<strong><u>O Problema</u></strong><br />
<br />
Segundo a Alvorada, parte das instala&ccedil;&otilde;es da ARCA est&atilde;o localizadas imediatamente abaixo da inclina&ccedil;&atilde;o da barragem, que deve ser refor&ccedil;ada para garantir sua estabilidade. A empresa j&aacute; tomou todas as medidas necess&aacute;rias para come&ccedil;ar as obras o mais r&aacute;pido poss&iacute;vel, mas, sem acessar o local em que a ARCA est&aacute; localizada, estas obras n&atilde;o podem ser executadas.<br />
<br />
A empresa Alvorada disse ainda que dever&aacute; ser reintegrada na posse da &aacute;rea, &ldquo;que a ARCA ocupa irregularmente e que o clube foi constru&iacute;do em uma &aacute;rea de preserva&ccedil;&atilde;o permanente (APP)&rdquo;.<br />
<br />
<em>&ldquo;&Eacute; importante salientar que tanto a &aacute;rea ocupada pela ARCA como qualquer benfeitoria dentro do seu per&iacute;metro pertencem &agrave; Alvorada Energia. As instala&ccedil;&otilde;es j&aacute; deveriam ter sido transferidas para a empresa pela Companhia de Energia El&eacute;trica do Estado de Tocantins (Celtins), propriet&aacute;ria anterior da CGH Coruj&atilde;o&quot;</em>, disse a nota.<br />
<br />
<u><strong>Lago Azul de volta</strong></u><br />
<br />
Ainda conforme a empresa, o esvaziamento do lago Azul foi necess&aacute;rio para preservar a seguran&ccedil;a das pessoas nos arredores. <em>&ldquo;Para trazer o Lago Azul de volta em condi&ccedil;&otilde;es de seguran&ccedil;a, &eacute; necess&aacute;rio modernizar e fortalecer a barragem, afetada por uma s&eacute;rie de infiltra&ccedil;&otilde;es que podem provocar sua ruptura. As obras v&atilde;o garantir sua estabilidade, em conformidade com a Pol&iacute;tica Nacional de Seguran&ccedil;a de Barragens (Lei 12334/2010), e uma recupera&ccedil;&atilde;o completa para que o lago possa voltar para seu uso tradicional, como a pesca, navega&ccedil;&atilde;o e atividades de turismo&rdquo;</em>, afirmou.<br />
<br />
<u><strong>Impasse h&aacute; meses</strong></u><br />
<br />
A empresa reiterou a urg&ecirc;ncia de come&ccedil;ar as obras de constru&ccedil;&atilde;o da barragem e disse que h&aacute; meses vem tentando, por meios legais, obter acesso &agrave; &aacute;rea irregularmente ocupada pela Associa&ccedil;&atilde;o de Funcion&aacute;rio da Celtins.<br />
<br />
<em>&ldquo;Dezenas de t&eacute;cnicos e profissionais foram mobilizados para o in&iacute;cio das obras e o mapeamento da &aacute;rea j&aacute; foi iniciado. No entanto, se as obras n&atilde;o forem iniciadas dentro deste m&ecirc;s de junho, seis meses antes da esta&ccedil;&atilde;o chuvosa come&ccedil;ar, a estrutura pode ser prejudicada pela &aacute;gua com riscos potenciais para toda a &aacute;rea. A empresa est&aacute; confiante no apoio de todas as institui&ccedil;&otilde;es locais, assim como dos cidad&atilde;os, para concluir as obras de barragem e proteger a estrutura, conforme planejado</em>&rdquo;, finalizou a nota.</span></div>

Comentários pelo Facebook: