Seet
Sobral – 300×100

Com R$ 1 bilhão, meta é universalizar sistema de saneamento até 2017

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;">Com a meta de universalizar a rede de saneamento do Estado, o Governo do Tocantins, juntamente com a Foz Saneatins, deve investir, at&eacute; 2017, cerca de R$ 1 bilh&atilde;o no sistema de tratamento de &aacute;gua e esgoto. Ao todo, o Estado conta, hoje, com pouco mais de 20% da popula&ccedil;&atilde;o atendida com rede de saneamento. A meta &nbsp;&eacute; que, em quatro anos, este &iacute;ndice seja de 80%.<br />
<br />
O saneamento b&aacute;sico do Tocantins &eacute; hoje dividido entre a Ag&ecirc;ncia Tocantinense de Saneamento (ATS), que atende a 78 munic&iacute;pios, e a Foz Saneatins, com outros 27. Mesmo com os &iacute;ndices gerais ainda relativamente baixos, o Tocantins, conforme o diretor de Rela&ccedil;&otilde;es Institucionais da Saneatins, Rodrigo Vilar, se destaca no tratamento de &aacute;gua para popula&ccedil;&otilde;es urbanas. <em>&ldquo;O Tocantins hoje tem um sistema de tratamento de &aacute;gua refer&ecirc;ncia, com 92% da popula&ccedil;&atilde;o em &aacute;rea urbana atendida. E isso s&atilde;o dados do Sistema Nacional de Informa&ccedil;&atilde;o de Saneamento&rdquo;</em>, completou.<br />
<br />
Conforme o diretor da Foz Saneatins, neste primeiro ano de investimentos na universaliza&ccedil;&atilde;o do sistema de saneamento, os esfor&ccedil;os est&atilde;o sendo direcionados para a implanta&ccedil;&atilde;o das Esta&ccedil;&otilde;es de Tratamento de Esgoto (ETE). &ldquo;Para podermos construir as redes, n&oacute;s precisamos das Esta&ccedil;&otilde;es de Tratamento&rdquo;, explicou. Segundo Vilar, a ETE de Palmas, a maior esta&ccedil;&atilde;o de tratamento do Tocantins, inaugurada este ano, j&aacute; &eacute; uma refer&ecirc;ncia e foi constru&iacute;da para atender cerca de 85 mil pessoas&nbsp; inicialmente. Al&eacute;m disso, at&eacute; dezembro do ano que vem, a Esta&ccedil;&atilde;o de Tratamento de Esgoto de Aragua&iacute;na deve ser conclu&iacute;da, segundo o diretor.<br />
<br />
A meta do Plano Nacional de Tratamento de &Aacute;gua e Esgoto &eacute; que todo o sistema de saneamento esteja universalizado at&eacute; 2030. No Tocantins, contudo, levando em considera&ccedil;&atilde;o o volume de investimentos e a programa&ccedil;&atilde;o do projeto, a meta dever&aacute; ser adiantada em 13 anos. <em>&ldquo;No Tocantins podemos dizer que temos, hoje, proporcionalmente, o maior programa de Saneamento do pa&iacute;s. Hoje temos R$ 1 bilh&atilde;o de investimentos se concretizando para os setor&rdquo;</em>, pontuou.<br />
<br />
<u><strong>Participa&ccedil;&atilde;o das prefeituras</strong></u><br />
<br />
Para que o sistema de saneamento do Tocantins seja efetivamente universalizado &eacute; preciso que as Prefeituras priorizem a elabora&ccedil;&atilde;o dos Planos Municipais de Tratamento de &Aacute;gua e Esgoto. <em>&ldquo;As Prefeituras tem, como prazo para a elabora&ccedil;&atilde;o de seus planos de tratamento, o final deste ano. E isso &eacute; fundamental para a capta&ccedil;&atilde;o de recursos&rdquo;,</em> alertou o diretor de Rela&ccedil;&otilde;es Institucionais da Foz Saneatins. (colaborou Ruy Bucar / Ascom ATS)</span></div>

Comentários pelo Facebook: