Sobral – 300×100
Seet

Artesãs apresentam trabalhos na Expoart 2014, em Brasília, no lançamento da Coleção Babaçu Brasil

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;"><u>Arnaldo Filho e Fernando Almeida</u><br />
<br />
Duas artes&atilde;s da Casa de Apoio Ana, em Aragua&iacute;na-TO, embarcaram na tarde desta segunda-feira (4) para Bras&iacute;lia (DF) onde participam, entre os dias&nbsp; 5 e 10 de novembro, da Expoart 2014, no lan&ccedil;amento da Cole&ccedil;&atilde;o Baba&ccedil;u Brasil.&nbsp;<br />
<br />
Para chegar ao evento, o grupo, formado por cinco mulheres, teve que passar por cursos de capacita&ccedil;&atilde;o abordando empreendedorismo, cultura do Estado, elabora&ccedil;&atilde;o de projetos, confec&ccedil;&atilde;o de ficha t&eacute;cnica, estudo das misturas de tintas, al&eacute;m de conhecer a pr&oacute;pria identidade.<br />
<br />
<u><strong>Prepara&ccedil;&atilde;o</strong></u><br />
<br />
Ao todo foram oito meses de prepara&ccedil;&atilde;o com pinturas, croch&ecirc;, costura e tear. Ser&atilde;o levadas para a Expoart 2014 cerca de 200 pe&ccedil;as que s&atilde;o o resultado deste trabalho. O grupo de artes&atilde;s &eacute; composto por Maria das Dores, 35 anos, Jualene Martins, 33 anos, Marilaine Ramos, 55 anos, Maria de F&aacute;tima, 58 anos e&nbsp; M&ocirc;nica Alves, 28 anos.&nbsp; As duas &uacute;ltimas foram as selecionadas para representar a equipe na Feira em Bras&iacute;lia.<br />
<br />
Para as artes&atilde;s, a Feira &eacute; uma oportunidade de divulgar o trabalho e a cultura regional.&nbsp; <em>&ldquo;Vamos levar o nome de Aragua&iacute;na.&nbsp; Nas nossas pe&ccedil;as trabalhamos temas relacionados &agrave; regi&atilde;o,&rdquo;</em>&nbsp; explica&nbsp; a integrante Jualene Martins.&nbsp;<br />
<br />
J&aacute; Maria de F&aacute;tima, que iniciou como aluna e agora &eacute; instrutora nos cursos ofertadas pela Casa de Apoio Ana, destaca a orienta&ccedil;&atilde;o dos especialistas como essencial para o aperfei&ccedil;oamento da profiss&atilde;o de artes&atilde;.&nbsp;<em>&ldquo;Para mim &eacute; muito importante.&nbsp; Eu desenvolvi o trabalho em grupo e a Casa tem dado todo apoio e a t&eacute;cnica necess&aacute;ria,&rdquo;</em> reconhece a artes&atilde;.<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/DSC04027.JPG" style="width: 600px; height: 450px;" /><br />
<u><strong>Casa de Apoio Ana</strong></u><br />
<br />
A Casa de Apoio Ana existe em Aragua&iacute;na h&aacute; 5 anos como projeto piloto das Casas de Apoio no mundo. Neste per&iacute;odo, cerca de 800 pessoas j&aacute; foram atendidas pelo Projeto e atualmente mais de 40 fam&iacute;lias participam dos cursos disponibilizados pela Associa&ccedil;&atilde;o. O Projeto Ana nasceu h&aacute; 18 anos na &Aacute;sia.&nbsp;<br />
<br />
Segundo a gestora Eva Almeida, a &ldquo;vontade de participar&rdquo; &eacute; o principal crit&eacute;rio de sele&ccedil;&atilde;o. Ainda conforme Eva, o projeto tem crescido muito, mas faltam mais volunt&aacute;rios. <em>&ldquo;&Agrave;s vezes as pessoas querem colaborar, mas n&atilde;o sabem onde. Aqui ser&atilde;o muito bem vindos&rdquo;,</em> garantiu.&nbsp;&nbsp; Da renda, 60% &eacute; usado para custear as despesas da Casa e do curso, e 40% fica com a artes&atilde;/aluna.<br />
<br />
<u><strong>Cursos gratuitos&nbsp;</strong></u><br />
<br />
Em Aragua&iacute;na, a Casa Ana oferece cursos gratuitos de cabeleireiro, bal&eacute;, pintura em tecidos, artesanatos e tear, atrav&eacute;s de parcerias com institui&ccedil;&otilde;es como Sebrae, Senai, Instituto Mazau e volunt&aacute;rios. &ldquo;Muitas das mulheres que foram alunas, hoje s&atilde;o instrutoras&rdquo;, disse Eva Almeida.<br />
<br />
Atualmente o Projeto&nbsp; tamb&eacute;m oferece o curso de pintura na Igreja Presbiteriana e atende 80 fam&iacute;lias ribeirinhas na Comunidade Remanso dos Botos, em Xambio&aacute;. &Eacute; uma associa&ccedil;&atilde;o acoplada &agrave; R&aacute;dio Transmundial, sem fins lucrativos e que trabalha com mulheres de baixa renda. Recentemente foi declarada de utilidade p&uacute;blica para C&acirc;mara Municipal.<br />
<br />
O trabalho realizado pelo Projeto Ana em v&aacute;rios pa&iacute;ses j&aacute; se transformou em livro escrito pela fundadora e coordenadora internacional, Marli Spieaker. <em>&ldquo;Quando a esperan&ccedil;a vence&rdquo;</em> relata as experi&ecirc;ncias de mulheres que passaram pelo projeto tanto no Brasil, quanto em outros pa&iacute;ses. Todo o material produzido na Casa &eacute; vendido.</span><br />
<br />
<u><strong><span style="font-size:14px;">1&ordf; Mostra de Iconografia</span></strong></u><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">As artes&atilde;s da Casa de Apoio Ana, em Aragua&iacute;na, expuseram parte do trabalho na 1&ordf; Mostra de Iconografia do Tocantins que aconteceu durante o 1&ordm; Congresso da Ind&uacute;stria Tocantinense. Segundo explicou o diretor da Casa, Silvio Carneiro, iconografia s&atilde;o imagens que representam a cultura do Estado e que s&atilde;o facilmente reconhecidas pelo povo.&nbsp;<br />
<br />
A Casa e Apoio Ana funciona na Rua Colinas, Setor Vila Norte, pr&oacute;ximo &agrave; UPA, em Aragua&iacute;na.<br />
<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/DSC04036.JPG" style="width: 300px; height: 225px; float: left;" />&nbsp;<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/arte.jpg" style="width: 300px; height: 225px; float: right;" /></span></div>

Comentários pelo Facebook: