Seet
Sobral – 300×100

Roupp diz que prioridade é acertar alianças entre PMDB e PT; está ‘praticamente fechado’ no TO

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
O presidente nacional do PMDB, em exerc&iacute;cio, senador Valdir Raupp (RO), afirmou em reportagem do Estad&atilde;o que a c&uacute;pula da sigla trabalha para tentar abrandar o clima de insatisfa&ccedil;&atilde;o entre seu partido e o PT.&nbsp;<br />
<br />
Mas h&aacute; quem veja essa insatisfa&ccedil;&atilde;o de forma positiva. &Eacute; o caso do&nbsp; presidente nacional do PSDB, senador A&eacute;cio Neves (MG), que quer tirar proveito das insatisfa&ccedil;&otilde;es geradas na base aliada do governo federal com a reforma ministerial.<br />
<br />
No entanto, Valdir Roupp tenta impedir que os planos tucanos d&ecirc;em certo. Para ele, a prioridade agora <em>&quot;&eacute; acertar alian&ccedil;as entre petistas e peemedebistas nos Estados&quot;</em>. Segundo Roupp, o apoio m&uacute;tuo est&aacute; <em>&quot;praticamente fechado no Amazonas, no Tocantins, no Par&aacute; e no Distrito Federal&quot;</em>.<br />
<br />
O presidente do PMDB afirmou ainda que <em>&ldquo;se as coliga&ccedil;&otilde;es regionais forem contr&aacute;rias &agrave; l&oacute;gica federal, o assunto ter&aacute; que ser aprovado pela executiva nacional&quot;.</em><br />
<br />
No Tocantins, o PMDB e PSDB caminham em lados opostos. Apesar de terem hist&oacute;ria em comum, atualmente s&atilde;o como a &aacute;gua e o &oacute;leo, n&atilde;o se misturam. Mas h&aacute; quem ainda queira manter uma proximidade com a c&uacute;pula governista tucana.<br />
<br />
O PMDB tocantinense tem dois pr&eacute;-candidatos ao Governo para as elei&ccedil;&otilde;es de outubro: Marcelo Miranda e K&aacute;tia Abreu. J&aacute; o PT tem o empres&aacute;rio Nicolau Esteves como op&ccedil;&atilde;o de renova&ccedil;&atilde;o. &nbsp;<br />
<br />
Onde a insatisfa&ccedil;&atilde;o entre PT e PMDB persistir, A&eacute;cio Neves pretende aproveitar a crise do partido com o governo nas negocia&ccedil;&otilde;es da reforma ministerial para atrair apoios regionais do PMDB para sua candidatura &agrave; Presid&ecirc;ncia.<br />
<br />
<em>&quot;O PMDB t&aacute; sendo v&iacute;tima dessa obsess&atilde;o do PT por espa&ccedil;o. Mas dissid&ecirc;ncias ocorrer&atilde;o em todos os Estados, porque n&atilde;o &eacute; f&aacute;cil acomodar um latif&uacute;ndio como esse em uma s&oacute; chapa&quot;</em>, afirmou A&eacute;cio. <em>&quot;Os interesses regionais acabam sendo conflitantes e o PT ainda nos ajuda ao querer tudo. O PT quer o poder federal, o poder nos Estados, quer o Senado, a maioria na C&acirc;mara e pode acabar ficando sem nenhuma dessas coisas&quot;</em>, disse Neves.</span></div>

Comentários pelo Facebook: