Seet
Sobral – 300×100

Escola de Araguaína se destaca com projeto de sustentabilidade e empreendedorismo

admin -

<span style="font-size:14px;">Com o projeto &ldquo;Escola Limpa&rsquo;, a equipe de educadores do Col&eacute;gio Professora Silvandira Sousa Lima, localizado em Aragua&iacute;na, promoveu uma mobiliza&ccedil;&atilde;o na institui&ccedil;&atilde;o, para evitar o desperd&iacute;cio de papel e manter a escola sempre limpa.<br />
<br />
A Cooperativa RDP surgiu a partir da necessidade de concretizar um projeto de sustentabilidade na unidade de ensino. Tendo como mat&eacute;ria-prima o papel, os alunos aprenderam a construir pe&ccedil;as utilizando origamis. Todos os papeis da escola s&atilde;o separados e os que apresentam rasgos s&atilde;o destinados &agrave; reciclagem. Os papeis inteiros s&atilde;o utilizados pela cooperativa, uma mini-empresa criada pelos educandos. O col&eacute;gio t&ecirc;m 850 alunos, matriculados no ensino fundamental e m&eacute;dio e &eacute; gerido por Graziane Ara&uacute;jo Pitombeira, desde 2011.<br />
<br />
O projeto deu t&atilde;o certo que os alunos passaram a ter uma nova consci&ecirc;ncia sobre a quest&atilde;o ambiental. H&aacute; uma equipe respons&aacute;vel pela reciclagem de papel e outra para produzir pe&ccedil;as utilizando o origami. Evitando o desperd&iacute;cio de papel, s&atilde;o menos &aacute;rvores cortadas para a produ&ccedil;&atilde;o da celulose.<br />
<br />
<u><strong>Reciclando</strong></u><br />
<br />
A escola utiliza o equipamento Tecnokits&reg; do Minist&eacute;rio da Educa&ccedil;&atilde;o, que vem com liquidificador, prensagem, chave de seguran&ccedil;a e bandejas. Num ato simples, alunos e professores transformam os pap&eacute;is que iriam para o lixo, em pap&eacute;is de diversas cores, que poder&atilde;o ser utilizados na produ&ccedil;&atilde;o de lembrancinhas, de convites, de capas de cadernos e em diversas outras ideias.<br />
<br />
O estudante Eli Sousa de Oliveira, 12 anos, aluno do 8&ordm; ano, est&aacute; sempre atento &agrave;s fases da produ&ccedil;&atilde;o do papel reciclado. Ele conta que aprendeu a ter mais cuidado com o meio ambiente.<br />
<br />
Para o professor de Geografia Gilson Tavares de Oliveira, a partir da reciclagem do papel, os alunos analisaram o conceito de meio ambiente, como o lugar em que vivemos e do qual precisamos cuidar. &ldquo;Com isso, os alunos passaram a cuidar melhor dos espa&ccedil;os de conviv&ecirc;ncia, agora, eles n&atilde;o jogam pap&eacute;is no ch&atilde;o, e sim, nos cestos da reciclagem&rdquo;.<br />
<br />
Para a realiza&ccedil;&atilde;o das a&ccedil;&otilde;es da escola, todos os alunos se mobilizaram, produziram e distribu&iacute;ram panfletos na cidade com informa&ccedil;&otilde;es sobre a import&acirc;ncia de economizarem &aacute;gua e energia. &ldquo;Foi muito importante essa ideia de levar o que se aprende na escola para a comunidade&rdquo;, fala o professor&rdquo;.<br />
<br />
<u><strong>Cooperativa RDP</strong></u><br />
<br />
Com os recursos da venda da produ&ccedil;&atilde;o, os alunos investem na mini-empresa. Em dezembro de 2013, eles ainda participaram de uma feira nacional de empreendedores promovida pelo Sebrae Nacional, em Bras&iacute;lia.<br />
<br />
A presidente da mini-empresa, Danielly Lopes, de 14 anos, conta que para constru&iacute;rem as pe&ccedil;as, eles utilizam papel, cola branca, cart&atilde;o e tinta. Segundo ela, a produ&ccedil;&atilde;o com poucos recursos foi elogiada a equipe do Sebrae. As pe&ccedil;as s&atilde;o vendidas por valores que variam de R$ 10, 00 a R$ 30,00.<br />
<br />
Samuel Silva Soares, 16 anos, aluno do 1&ordm; ano do ensino m&eacute;dio, &eacute; diretor de produ&ccedil;&atilde;o da cooperativa e diz que est&aacute; aprendendo a ser mais comunicativo e a desenvolver novos conceitos no universo dos neg&oacute;cios e do empreendedorismo.<br />
<br />
&ldquo;Um projeto que iniciou simples, levou a escola a ser mais conhecida todos passaram a acreditar mais na escola&rdquo;, frisa Dalcione Menezes Mello, coordenadora pedag&oacute;gica.</span><br />

Comentários pelo Facebook: