Sobral – 300×100
Seet

Prefeito e vice de Filadélfia são cassados por prometerem aumento salarial aos servidores se fossem reeleitos

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Arnaldo Filho</u><br />
<em>Portal AF Not&iacute;cias</em><br />
<br />
O juiz eleitoral&nbsp; Fabiano Ribeiro cassou os diplomas do prefeito de Filad&eacute;lfia (TO), Edenilson da Silva e Souza (DEM) e do seu vice David Sousa Bento (PMDB) por abuso de poder pol&iacute;tico durante as elei&ccedil;&otilde;es de 2012.&nbsp; O juiz ainda aplicou ao prefeito a pena de inelegibilidade por 8 anos, contados do pleito eleitoral.<br />
<br />
A decis&atilde;o foi publicada no Di&aacute;rio de Justi&ccedil;a Eletr&ocirc;nico do &uacute;ltimo dia 24 de mar&ccedil;o.<br />
<br />
A A&ccedil;&atilde;o de Investiga&ccedil;&atilde;o Judicial Eleitoral (AIJE) foi ajuizada pela coliga&ccedil;&atilde;o &ldquo;Filad&eacute;lfia para todos&rdquo; em desfavor do prefeito e vice, que eram candidatos &agrave; reelei&ccedil;&atilde;o. Segundo a a&ccedil;&atilde;o, os acusados, juntamente com o secret&aacute;rio municipal de sa&uacute;de, realizaram no dia 25 de agosto de 2012 uma reuni&atilde;o pol&iacute;tica no Hospital Municipal da cidade com a presen&ccedil;a de diversos servidores p&uacute;blicos, que teriam sidos convocados.<br />
<br />
Na reuni&atilde;o pol&iacute;tica, o prefeito, e ent&atilde;o candidato &agrave; reelei&ccedil;&atilde;o, teria apresentado propostas e prometido benef&iacute;cios salariais &agrave; categoria, inclusive faz a leitura de documento que seria votado e aprovado no Legislativo, caso fosse eleito. A conduta configurou abuso de poder pol&iacute;tico.<br />
<br />
Consta ainda na den&uacute;ncia que Edenilson ainda realizou no dia seguinte uma carreata eleitoral, que terminou com com&iacute;cio, utilizando-se de ve&iacute;culos automotivos alugados e tamb&eacute;m de propriedade da Prefeitura de Filad&eacute;lfia.<br />
<br />
O juiz considerou que a conduta do prefeito e vice, que ocorreu em pr&eacute;dio p&uacute;blico, &eacute; proibida pela legisla&ccedil;&atilde;o eleitoral e, diante das circunst&acirc;ncias do caso, mostrou-se revestida de elevada gravidade, a justificar a aplica&ccedil;&atilde;o das penalidades de inelegibilidade e cassa&ccedil;&atilde;o do diploma.&nbsp;<br />
<br />
Segundo o juiz, os servidores tinham a cren&ccedil;a de que os benef&iacute;cios estavam implantados, e que logo ap&oacute;s a elei&ccedil;&atilde;o o prefeito fixaria os percentuais de reajuste salarial. Portanto, era normal que al&eacute;m de votarem no prefeito, tamb&eacute;m pediriam votos a familiares e outros cidad&atilde;os da comunidade. <em>&ldquo;N&atilde;o se pode perder de vista que em cidades pequenas e pobres como Filad&eacute;lfia, &eacute; atrav&eacute;s da &aacute;rea da sa&uacute;de que a atua&ccedil;&atilde;o pol&iacute;tica se mostra mais efetiva, face ao estreito contato com a grande massa de eleitores, que dependem do sistema p&uacute;blico de sa&uacute;de, ao qual recorrem constantemente&rdquo;</em>, disse o magistrado.<br />
<br />
Da decis&atilde;o ainda cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral.</span>

Comentários pelo Facebook: