Sobral – 300×100
Seet

PT reforça tese de "golpe político" e diz que renúncia tem por objetivo "perpetuar, a todo custo, o siqueirismo no poder"

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
A ren&uacute;ncia do governador e vice do Tocantins provocou rea&ccedil;&otilde;es diversas no povo e nas institui&ccedil;&otilde;es. Muitos defendem a tese de &ldquo;golpe pol&iacute;tico&rdquo; para privilegiar um projeto pol&iacute;tico familiar de Siqueira Campos, que &eacute; criar condi&ccedil;&otilde;es jur&iacute;dicas para que Eduardo Siqueira seja candidato ao Governo.<br />
<br />
A Dire&ccedil;&atilde;o Regional do Partido dos Trabalhadores (PT Tocantins), divulgou documento neste s&aacute;bado (5) em que manifesta rep&uacute;dio aos atos de ren&uacute;ncia. Para a sigla, &ldquo;trata-se de um golpe pol&iacute;tico que aprofunda a crise institucional vivida pelo Estado, provocada neste momento, por aqueles que deveriam honrar o compromisso assumido de governar o Estado por quatro anos&rdquo;.<br />
<br />
O partido assegura que o gesto do agora ex-governador e do ex-vice-governador, longe de ser uma demonstra&ccedil;&atilde;o de &ldquo;amor&rdquo; pelo Tocantins, &eacute; um gesto de desrespeito ao povo tocantinense e &agrave;s institui&ccedil;&otilde;es democr&aacute;ticas de direito. &Eacute; um gesto de quem se considera acima da democracia e de quem coloca os interesses pessoais acima dos interesses da coletividade. &ldquo;Esta atitude exp&otilde;e, mais uma vez, o nosso Estado a um cen&aacute;rio de instabilidade pol&iacute;tica, semelhante ao ocorrido em 2009, quando tivemos um governador e um vice-governador cassados e um outro eleito por voto indireto. Se naquele momento buscava-se cumprir a determina&ccedil;&atilde;o da justi&ccedil;a, hoje tal manobra tem como &uacute;nica finalidade assegurar, a todo custo, que o &ldquo;siqueirismo&rdquo; perpetue no poder&rdquo;.<br />
<br />
<u><strong>Ato ilegal e imoral</strong></u><br />
<br />
O Partido dos Trabalhadores disse que n&atilde;o aceita o discurso de que as s&atilde;o legais, e ainda que seja um ato legal, &eacute; imoral. Segundo o documento, a conjuntura arquitetada, e em constru&ccedil;&atilde;o, precisa ser derrotada pelo povo tocantinense que det&eacute;m o poder de definir os rumos pol&iacute;ticos e administrativos do nosso estado.<br />
<br />
<u><strong>Descaso do Governo</strong></u><br />
<br />
Conforme o PT, apesar do PIB do tocantinense crescer com &iacute;ndices comparados aos da China, nosso povo sofre com uma sa&uacute;de desmantelada, uma educa&ccedil;&atilde;o precarizada, sem seguran&ccedil;a, com os servidores p&uacute;blicos desvalorizados e por isso fazem greves e pela total aus&ecirc;ncia de uma pol&iacute;tica de inclus&atilde;o social.<br />
<br />
O PT conclui afirmando que n&atilde;o compactua com esse modelo de governo e nem com o golpe que est&aacute; em curso. &ldquo;N&atilde;o ficaremos em sil&ecirc;ncio diante de tamanha afronta a democracia. Somaremos aos homens e as mulheres de bem para combat&ecirc;-los nas ruas e nas tribunas da casa do povo&rdquo;, garante.<br />
<br />
<u><strong>Elei&ccedil;&otilde;es indiretas</strong></u><br />
<br />
O ex-governador Siqueira Campos j&aacute; transmitiu oficialmente o cargo ao presidente da Assembleia, Sandoval Cardoso. Ele agora ter&aacute; 30 dias para convocar elei&ccedil;&otilde;es indiretas, onde apenas os deputados t&ecirc;m direito a voto.<br />
<br />
Para disputar o pleito, o PT apresentar&aacute; a candidatura de Paulo Mour&atilde;o. Segundo o partido, a candidatura visa &ldquo;assegurar que haja um&nbsp; debate qualificado com a sociedade sobre o momento que vivemos, e a necessidade de romper com esse&nbsp; modelo de&nbsp; pol&iacute;tica atrasada, que envergonha nosso Estado, denunciando as mazelas e a falta de compromisso em enfrentar e solucionar os problemas vivenciados pela nossa gente&rdquo;.</span>

Comentários pelo Facebook: