Seet
Sobral – 300×100

Sintet garante que não fez nenhum acordo com governador e greve continua; Assembleia Geral acontecerá hoje

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
O Sindicato dos Trabalhadores em Educa&ccedil;&atilde;o do Tocantins (Sintet) afirmou que n&atilde;o fez nenhum acordo na reuni&atilde;o com o governador Sandoval Cardoso na reuni&atilde;o realizada na segunda-feira (7 de abril). Na pauta estavam a discuss&atilde;o das reivindica&ccedil;&otilde;es da categoria que est&aacute; em greve desde o dia 24 de mar&ccedil;o. Mais de 180 mil alunos est&atilde;o sem aulas.<br />
<br />
O Sintet garantiu que s&oacute; discutir&aacute; ap&oacute;s receber proposta oficial, por escrito do Governo do Estado, mas quem vai discutir e deliberar &eacute; a Assembleia Geral, soberana, que acontecer&aacute; na quinta-feira, 10.<br />
<br />
Conforme a nota, independente do que a Secretaria de Educa&ccedil;&atilde;o diga, o Sintet mant&eacute;m a defesa de que a greve continua at&eacute; que o governo apresente proposta oficial atrav&eacute;s de documento que contemple as reivindica&ccedil;&otilde;es da categoria. &ldquo;<em>A greve s&oacute; ser&aacute; encerrada se a categoria aprovar tal proposta em assembleia&rdquo;</em>, ressaltou.<br />
<br />
De acordo com a Secretaria de Educa&ccedil;&atilde;o, levantamento feito atrav&eacute;s das 13 Diretorias Regionais de Gest&atilde;o e Forma&ccedil;&atilde;o (DRGFs) mostra que 47,1% das escolas estaduais est&atilde;o funcionando normalmente ou de forma parcial. J&aacute; o Sindicato refutou o dado e garantiu que as escolas em funcionamento s&atilde;o apenas aquelas que s&oacute; t&ecirc;m professores contratados e sob enorme press&atilde;o da Seduc.<br />
<br />
O Sindicato finaliza a nota afirmando que &ldquo;querem desarticular a greve dos trabalhadores da Educa&ccedil;&atilde;o, a &uacute;nica categoria que n&atilde;o recuou com a intimida&ccedil;&atilde;o do governo&rdquo;.<br />
<br />
<u><strong>O outro lado</strong></u><br />
<br />
Por meio de nota &agrave; imprensa, nesta quarta-feira (8), a Seduc disse que ser&aacute; oficializado em documento ao Sintet tudo o que j&aacute; foi proposto e realizado pelo governo do Estado, bem como os poss&iacute;veis avan&ccedil;os sinalizados na reuni&atilde;o com o governador Sandoval Cardoso.<br />
<br />
A Secretaria disse ainda que o governo do Estado j&aacute; promoveu avan&ccedil;os, a exemplo da Medida Provis&oacute;ria (MP) n&ordm; 11/2014, assinada na &uacute;ltima sexta-feira, 4, que beneficia mais de 3,2 mil professores efetivos da rede estadual de ensino com a equipara&ccedil;&atilde;o salarial do Professor Normalista (Prono) ao de Professor da Educa&ccedil;&atilde;o B&aacute;sica (Proeb). A referida MP tamb&eacute;m cria o cargo de Assistente T&eacute;cnico em Educa&ccedil;&atilde;o para fun&ccedil;&otilde;es administrativas com provimento atrav&eacute;s de concurso p&uacute;blico. Outros avan&ccedil;os, propostos pelo Sindicato durante a reuni&atilde;o, est&atilde;o sob an&aacute;lise;<br />
<br />
A data-base est&aacute; garantida para o pr&oacute;ximo dia 1&ordm; de maio conforme Lei n&ordm; 2.708/2013. Para a reposi&ccedil;&atilde;o salarial referente ao ano de 2014 ser&aacute; considerado o valor do &Iacute;ndice Nacional de Pre&ccedil;os ao Consumidor (INPC) apurado entre os meses de outubro de 2012 e abril de 2014. Desta forma, a Seduc argumenta que &eacute; necess&aacute;rio aguardar o INPC do m&ecirc;s em curso para que os c&aacute;lculos sejam feitos.<br />
<br />
O Governo prometeu ainda regularizar todas as progress&otilde;es. Conforme a proposta apresentada pela Secretaria da Administra&ccedil;&atilde;o, as diferen&ccedil;as do benef&iacute;cio que ainda est&atilde;o por serem executadas podem ser pagas nas folhas de pagamento de maio a outubro. Quanto ao repasse para as escolas, a Seduc afirmou que os pagamentos referentes a 2014 est&atilde;o em dia.<br />
<br />
A Seduc finaliza a nota ressaltando que o governo do Estado se mant&eacute;m aberto ao di&aacute;logo.</span>

Comentários pelo Facebook: