Seet
Sobral – 300×100

Caozinho de brasileiros vira herói de crianças americans com necessidades especiais

admin -

<span style="font-size:14px;">&quot;Filho&quot; de brasileiros, o dachshund Super Lance &eacute; um her&oacute;i em Miami com direito a mural em sua homenagem no Miami Children&#39;s Hospital. Mas a hist&oacute;ria desse c&atilde;ozinho tinha tudo para ser bem diferente: de uma hora para outra, aos quatro anos de idade, ele ficou parapl&eacute;gico. Um dia, simplesmente acordou e n&atilde;o conseguiu mais andar. Chegou at&eacute; a passar por uma cirurgia, mas jamais recuperou a mobilidade nas patas traseiras.<br />
<br />
S&oacute; que hoje, com o apoio dos donos Caio Stinchi e Claudia Machado, o &quot;salsicha&quot; Super Lance se tornou um exemplo de supera&ccedil;&atilde;o e sucesso para muita gente. Sensibilizados pela paralisia repentina de Lance – a quem consideram um filho -, Caio e Claudia logo lhe providenciaram uma &quot;cadeira de rodas&quot; adaptada, o que permitiu ao cachorro voltar a se locomover e tamb&eacute;m a se tornar um animal para ser aproveitado em terapias.<br />
<br />
Assim, durante quatro anos, Lance passou a visitar semanalmente diversos hospitais do Sul da Fl&oacute;rida, como o Miami Children&#39;s Hospital, para levar alegria a crian&ccedil;as internadas. &quot;Para n&oacute;s foi uma li&ccedil;&atilde;o que n&atilde;o tem pre&ccedil;o&quot;, diz Caio.<br />
<br />
Hoje, com 10 anos e praticamente aposentado, Lance ainda participa de alguns eventos, como o programa anual Ventilation Assisted Children&#39;s Center (VAAC), que recebe crian&ccedil;as com problemas respirat&oacute;rios e pulmonares do mundo inteiro para uma semana de divers&atilde;o e passeios em Miami. H&aacute; poucos dias, em um parque que recebeu o evento, a presen&ccedil;a de Lance causou euforia e admira&ccedil;&atilde;o entre as crian&ccedil;as.<br />
<br />
Ali, a ideia de ter um cachorro como Lance parecia povoar os sonhos do menino Joshua Flores, de 11 anos, que h&aacute; sete participa do VAAC. Portador da S&iacute;ndrome de Pfeiffer, Joshua passou bons minutos brincando com Lance, que impressiona pela desenvoltura e calma na intera&ccedil;&atilde;o com as crian&ccedil;as, aparentando estar cumprindo uma miss&atilde;o, um dever de sua honra canina.&nbsp; &quot;Trazer o Joshua aqui sempre torna o seu dia mais feliz&quot;, disse a m&atilde;e do garoto, Maria Flores. &quot;Ele adora vir e toda vez sai querendo adotar um cachorrinho&quot;.</span>

Comentários pelo Facebook: