MPE vai investigar denúncias de irregularidades no concurso da Polícia Civil; abstenção foi 29,9%

admin -

<span style="font-size:14px;">Diante de v&aacute;rias den&uacute;ncias de fraude e reclama&ccedil;&otilde;es de candidatos que fizeram a prova para delegado de Pol&iacute;cia Civil do Tocantins, no &uacute;ltimo domingo (25), o Minist&eacute;rio P&uacute;blico Estadual (MPE) resolveu investigar o certame. A organiza&ccedil;&atilde;o do concurso j&aacute; vem sendo questionada desde a escolha da institui&ccedil;&atilde;o que elaborou as provas, que foi contratada sem licita&ccedil;&atilde;o por quase R$ 4 milh&otilde;es. Tamb&eacute;m tramita uma A&ccedil;&atilde;o na justi&ccedil;a pedindo a anula&ccedil;&atilde;o do contrato.<br />
<br />
Ao todo, 12.155 pessoas estavam inscritas para concorrer as 126 vagas ofertadas pelo concurso.<br />
<br />
J&aacute; a Funda&ccedil;&atilde;o Aroeira disse que o &iacute;ndice de absten&ccedil;&atilde;o foi de 29,9% e que as provas foram realizadas sem incidentes e seguindo o cronograma estabelecido no edital.<br />
<br />
Para Gleydson Lopes, que veio do Recife (PE) para prestar o concurso, a falta de experi&ecirc;ncia da funda&ccedil;&atilde;o dificultou os estudos. &ldquo;Como eles nunca realizaram provas desse tipo, n&atilde;o temos uma refer&ecirc;ncia de provas anteriores, por exemplo&rdquo;, justificou.<br />
<br />
J&aacute; a candidata Renata P&oacute;voa, que veio de Bras&iacute;lia, tamb&eacute;m disse n&atilde;o estar confiante na banca avaliadora. &ldquo;Meu medo &eacute; de que o concurso seja suspenso e a gente tenha que voltar para fazer uma nova prova, ou ainda de que o certame seja cancelado&rdquo;, disse.<br />
<br />
<u><strong>DEN&Uacute;NCIAS</strong></u><br />
<br />
Conforme o Jornal do Tocantins, o MPE informou que j&aacute; recebeu den&uacute;ncias, ontem, de candidatos do certame e que o promotor de Justi&ccedil;a Edson Azambuja est&aacute; instaurando procedimento investigat&oacute;rio e ouvindo testemunhas.<br />
<br />
Nas redes sociais, os candidatos chegaram a afirmar que algumas provas estavam com o lacre violado, inclusive com sinais de marca&ccedil;&atilde;o das alternativas. Em outros casos, os candidatos disseram que faltaram 100 cadernos de quest&otilde;es, sendo necess&aacute;rio recolher as provas e tirar c&oacute;pia para os demais candidatos.&nbsp;</span><br />
<br />
<br />

Comentários pelo Facebook: