Seet
Sobral – 300×100

Ministro garante a Halum que usinas no rio Araguaia não serão construídas

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;">O ministro de Minas e Energia, Edison Lob&atilde;o, classificou como invi&aacute;vel o pedido de constru&ccedil;&atilde;o de usinas hidrel&eacute;tricas no rio Araguaia. Essa declara&ccedil;&atilde;o foi feita em audi&ecirc;ncia particular no gabinete do ministro ao deputado federal C&eacute;sar Halum (PSD-TO). &ldquo;Estou preocupado com esse projeto insano e fui conversar com Lob&atilde;o sobre esse assunto, mas ele me tranquilizou&rdquo;, disse o pessedista.<br />
<br />
Lob&atilde;o afirmou ao deputado, que a constru&ccedil;&atilde;o de usinas no Araguaia seriam irrealiz&aacute;veis e que se persistissem nisso, os impactos ambientais seriam desastrosos. &ldquo;Seria um desgaste enorme e a gera&ccedil;&atilde;o de energia n&atilde;o compensaria os pontos negativos&rdquo;, apontou o ministro.<br />
<br />
Durante a reuni&atilde;o, Halum disse ao ministro que ser&aacute; um defensor ferrenho pela n&atilde;o constru&ccedil;&atilde;o de usinas no rio Araguaia e que se for preciso acionar&aacute; o Minist&eacute;rio P&uacute;blico Federal para intervir nas obras. Segundo o deputado o Minist&eacute;rio possui um estudo t&eacute;cnico que aponta que o Rio Araguaia n&atilde;o comporta hidrel&eacute;tricas, por ser um rio largo e raso, sendo assoreado, caracterizando inviabilidade econ&ocirc;mica e t&eacute;cnica.<br />
<br />
&ldquo;Um Brasil respons&aacute;vel produz energia com seguran&ccedil;a. O rio Araguaia est&aacute; livre das hidrel&eacute;tricas, agora cabe a n&oacute;s sua preserva&ccedil;&atilde;o. Precisamos zelar pelo nosso grande patrim&ocirc;nio! Esse &eacute; um rio utilizado para o turismo, &eacute; a nossa maior riqueza e n&atilde;o pode ser destru&iacute;do do dia pra noite. O que est&aacute; em jogo &eacute; o nosso futuro, por isso vamos apoiar todos os movimentos pela sua preserva&ccedil;&atilde;o&rdquo;, asseverou.</span></div>

Comentários pelo Facebook: