Seet
Sobral – 300×100

A guerra das pesquisas

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Zacarias Martins</u><br />
<br />
Nunca, na hist&oacute;ria recente do Brasil, foram realizadas tantas pesquisas eleitorais, em t&atilde;o pouco tempo e com tamanha generosidade na divulga&ccedil;&atilde;o de seus resultados&nbsp; como agora.<br />
<br />
Nunca, tamb&eacute;m, se viu florescer tantos, mas tantos institutos de pesquisas como agora. Tem instituto para todos os gostos e gastos. A clientela desses institutos, formada basicamente por candidatos que o diga.<br />
<br />
No universo das campanhas pol&iacute;ticas, infelizmente, tem&nbsp; ocorrido, com freq&uuml;&ecirc;ncia, a prolifera&ccedil;&atilde;o dos tais institutos, cujas&nbsp;&nbsp; &quot;pesquisas&quot;, quando divulgadas, servem para confundir ainda mais a cabe&ccedil;a do eleitor, principalmente, a do indeciso,&nbsp; &aacute;vido para encontrar um&nbsp; norte para sua importante decis&atilde;o nas urnas. Mas &eacute; claro que existem, tamb&eacute;m, institui&ccedil;&otilde;es&nbsp; que fazer pesquisas com seriedade.<br />
<br />
Tamb&eacute;m merece uma certa reflex&atilde;o a atitude de muitos candidatos que, ao aparecerem liderando essas mesmas pesquisas, chegam a elogiar tais resultados, por&eacute;m, quando ocorre o inverso, ou seja, quando seu principal advers&aacute;rio est&aacute; na frente, tratam logo de colocar em d&uacute;vida a lisura dos resultados&nbsp; e, n&atilde;o raro, dos pr&oacute;prios institutos.<br />
<br />
Diante da confus&atilde;o generalizada que se instaurou por conta da crescente onda da ind&uacute;stria&nbsp; das pesquisas eleitorais, aliada a tentativa de se querer massificar&nbsp; a divulga&ccedil;&atilde;o de seus resultados, n&atilde;o &eacute; errada a tese de&nbsp; que muito eleitor, ao ser entrevistado por tais institutos, pode muito bem afirmar ser indeciso, quando, na verdade, est&aacute; apenas sendo cauteloso para, entre outros fatores, n&atilde;o compactuar com aquilo que n&atilde;o concorda (e at&eacute; condena), na pol&iacute;tica.</span>

Comentários pelo Facebook: