Sobral – 300×100
Seet

Professores da rede estadual discutem novas estratégias para o ensino de Matemática

admin -

<span style="font-size:14px;">Elaborar estrat&eacute;gias para tornar din&acirc;micas as aulas de Matem&aacute;tica nas escolas p&uacute;blicas. Este &eacute; objetivo da capacita&ccedil;&atilde;o do Pacto Nacional pela Alfabetiza&ccedil;&atilde;o na Idade Certa (Pnaic), que est&aacute; sendo realizada pela Secretaria de Estado da Educa&ccedil;&atilde;o e Cultura (Seduc) at&eacute; a pr&oacute;xima quarta-feira, 24, na capital.<br />
<br />
Participam do curso cerca de 30 educadores escolares da Diretoria Regional de Gest&atilde;o e Forma&ccedil;&atilde;o de Palmas. De acordo com a orientadora de estudos da Seduc, Carmem L&uacute;cia Sousa Santos, cada m&oacute;dulo da capacita&ccedil;&atilde;o &eacute; direcionado a uma mat&eacute;ria espec&iacute;fica. Neste momento, a inten&ccedil;&atilde;o &eacute; debater com os professores sobre a pr&aacute;tica do ensino de Matem&aacute;tica, com a inser&ccedil;&atilde;o de metodologias criativas para tornar as aulas mais din&acirc;micas e que os alunos aprendam o conte&uacute;do b&aacute;sico.<br />
<br />
&ldquo;O importante &eacute; trabalhar a Matem&aacute;tica de forma interdisciplinar, aqui na capacita&ccedil;&atilde;o estamos com professores de Artes das escolas de tempo integral, com docentes das escolas rurais e urbanas e, juntos, iremos trabalhar para a melhoria do ensino&rdquo;, frisou Carmem L&uacute;cia.<br />
<br />
O Pacto Nacional pela Alfabetiza&ccedil;&atilde;o na Idade Certa &eacute; um compromisso formal assumido pelos governos federal, estadual e municipal para assegurar que todas as crian&ccedil;as brasileiras estejam alfabetizadas at&eacute; oito anos de idade, ao final da 3&ordf; s&eacute;rie do ensino fundamental.<br />
<br />
<u><strong>Criatividade aflorada</strong></u><br />
<br />
Ozimiro Mendes Morais, professor da Escola Estadual Rural de Tempo Integral Girassol Entre Rios, no distrito de Buritirana, leciona nas turmas de s&eacute;ries iniciais. Segundo ele, o encontro est&aacute; permitindo aprender novas formas de abordar os conte&uacute;dos de Matem&aacute;tica com os alunos. &ldquo;Temos muitas formas de trabalhar os n&uacute;meros utilizando materiais novos, aqui aprendi a utilizar uma fazendinha para ensinar Matem&aacute;tica&rdquo;, ressaltou.<br />
<br />
A professora Camila Amaral de Sousa leciona em duas escolas na cidade de Novo Acordo. Trabalhando as mat&eacute;rias de Artes e Sociologia com alunos da 3&ordf; s&eacute;rie do Col&eacute;gio Estadual Dom Pedro I e estudantes do ensino m&eacute;dio na Escola Estadual Pedro Macedo, a educadora tamb&eacute;m est&aacute; aprendendo novas maneiras de inserir o conte&uacute;do da Matem&aacute;tica em sala de aula. &ldquo;Achei interessante a metodologia que estamos aprendendo aqui, &eacute; diferente, inovadora, nos faz sair da rotina de trabalhos e nos ajuda a construir novos materiais pedag&oacute;gicos&rdquo;, frisou.<br />
<br />
O encontro segue at&eacute; esta quarta-feira, 24, na Faculdade Cat&oacute;lica do Tocantins.</span>

Comentários pelo Facebook: