Sobral – 300×100
Seet

Viver não cansa

admin -

<span style="font-size:14px;">Viver n&atilde;o cansa. Fatigam as perguntas de quem n&atilde;o quer ter opini&atilde;o pr&oacute;pria, os coment&aacute;rios emburrecedores de quem n&atilde;o gosta de pensar, as l&oacute;gicas dos religiosos que adoram encabrestar e serem encabrestados.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Exaure precisar debater com quem l&ecirc; &lsquo;Veja&rsquo;, ter que ouvir a opini&atilde;o de quem adora o Diogo Mainardi e ainda debater com quem nutre a espiritualidade com o Max Lucado, que aben&ccedil;oou a decis&atilde;o do Bush de invadir e destruir o Iraque.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Desespera calar diante de vaidade maquiada de piedade; ter que respeitar narcisismo travestido de desprendimento, fazer vista grossa a escroque de colarinho clerical e calar com frase do tipo: n&atilde;o critique, eles ganham almas para Jesus e despovoam o inferno.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Chateia explicar para fariseu de plant&atilde;o que beber vinho n&atilde;o significa embriaguez e dan&ccedil;ar a valsa na formatura da filha n&atilde;o &eacute; promover licenciosidade sexual. Ruim arrazoar com analfabetos funcionais e tentar mostrar que distinguir m&uacute;sica crist&atilde; e m&uacute;sica do mundo n&atilde;o passa de picuinha religiosa. &ndash; existe, sim, m&uacute;sica boa e ruim.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Amarga calar no descalabro &eacute;tico de alguma igreja e ainda engolir o arrazoado:a igreja &lsquo;X&rsquo; cresce e est&aacute; expandindo o reino de Deus; resultados importam. Dif&iacute;cil assistir ao esfarelamento da credibilidade do protestantismo e ainda engolir seco porque: aquela igreja &lsquo;X&rsquo; &eacute; como hospital de emerg&ecirc;ncia, l&aacute; as pessoas se convertem para depois se filiarem &agrave;s igrejas s&eacute;rias.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Horroriza detectar a agenda megaloman&iacute;aca de televangelistas gringos como Benny Hinn, Morris Cerullo e Mike Murdock. Tenebroso notar que pastores, bispos e neo-ap&oacute;stolos s&atilde;o inspirados e movidos pela mesma vol&uacute;pia de poder. D&aacute; t&eacute;dio precisar explicar porque n&atilde;o participo de eventos, marchas e confer&ecirc;ncias ao lado desses renomados l&iacute;deres. Mais triste ainda notar que em igrejas hist&oacute;ricas, muitos s&oacute; sobrevivem devido &agrave; politicagem denominacional, ao obscurantismo teol&oacute;gico e ao ran&ccedil;o fundamentalista. P&eacute;ssimo admitir que v&aacute;rios fazem da voca&ccedil;&atilde;o pastoral um jeito de ganhar a vida &ndash; mas com um esfor&ccedil;o m&iacute;nimo.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Exaure ver as igrejas lotadas de incautos em busca de um mega milagre porqueao cumprirem a sua parte, Deus fica obrigado a cumprir a dele. Ma&ccedil;ante saber que cada campanha de ora&ccedil;&atilde;o, que se prop&otilde;e destrancar os cadeados do c&eacute;u, foi projetada, na verdade, para arrancar dinheiro de gente cr&eacute;dula. Triste notar que muitos l&iacute;deres religiosos n&atilde;o diferem em nada de pol&iacute;ticos venais, que s&oacute; se interessam em defender interesses pessoais.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Debilita lidar com a inveja de quem n&atilde;o tem brilho pr&oacute;prio e vive da cal&uacute;nia.&nbsp; Constrangedor saber que a ind&uacute;stria da m&uacute;sica gospel alimenta narcisismo e vaidade de cantores que jamais seriam bem sucedidos fora de suas igrejas &ndash; para compensar a falta de talento, alguns fazem biquinho de amor para Jesus e vertem l&aacute;grimas for&ccedil;adas.<br />
<br />
Viver n&atilde;o cansa. Faz bem ao cora&ccedil;&atilde;o lidar com o rapaz e a mo&ccedil;a, &aacute;vidos por sonhar com um mundo melhor. Anima conviver com o homem e a mulher, com fome e sede de justi&ccedil;a. D&atilde;o novo alento idosos que destilam uma sabedoria acumulada pela experi&ecirc;ncia. Encanta conversar com o poeta e aprender sobre sua intui&ccedil;&atilde;o. Alegra a alma estar perto de um bom m&uacute;sico e viajar na delicadeza do som que produz. Estimula notar a riqueza acad&ecirc;mica do mestre que divide sua erudi&ccedil;&atilde;o com humildade. A disciplina do atleta, a veem&ecirc;ncia do profeta e a sensibilidade do monge t&ecirc;m for&ccedil;a para curar da canseira de quem rouba a esperan&ccedil;a.<br />
<br />
Viver, decisivamente, n&atilde;o cansa – &eacute; t&atilde;o bom que d&aacute; vontade de n&atilde;o morrer nunca</span>.

Comentários pelo Facebook: