Seet
Sobral – 300×100

MST diz que Kátia é "símbolo do agronegócio" e invade fazenda em protesto contra sua indicação para a Agricultura

admin -

<span style="font-size:14px;">O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou neste s&aacute;bado uma fazenda de cultivo de milho no interior do Rio Grande do Sul em protesto contra a eventual nomea&ccedil;&atilde;o da senadora K&aacute;tia Abreu (PMDB-TO) para o Minist&eacute;rio da Agricultura, segundo o jornal <a href="https://www.google.com.br/url?sa=t&amp;rct=j&amp;q=&amp;esrc=s&amp;source=web&amp;cd=3&amp;cad=rja&amp;uact=8&amp;ved=0CCMQFjAC&amp;url=http%3A%2F%2Foglobo.globo.com%2Fbrasil%2Fmst-invade-fazenda-contra-possivel-nomeacao-de-katia-abreu-para-agricultura-14635194&amp;ei=a2dyVLj-KcqdNsyzgtgI&amp;usg=AFQjCNF-_5l60EzG1Z5dapqMlVCT5MlgDg&amp;sig2=R78Y_gaNIBh1cukof2NcBQ" target="_blank">O Globo</a>.<br />
<br />
A indica&ccedil;&atilde;o da senadora, ligada &agrave; Confedera&ccedil;&atilde;o Nacional da Agricultura (CNA), foi repudiada por movimentos sociais e por setores mais &agrave; esquerda do partido da presidente Dilma Rousseff, o PT.<br />
<br />
No final da manh&atilde; de s&aacute;bado (22), cerca de dois mil jovens do MST e de entidades de camponeses, que participavam de um acampamento internacional de sem-terra em Palmeira das Miss&otilde;es (RS), invadiram a fazenda de um ex-prefeito da cidade, reconhecida pelo cultivo de milho. </span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">O protesto na propriedade que, segundo o MST, mant&eacute;m 2 mil hectares de cultivo de milho transg&ecirc;nico, &eacute; a primeira manifesta&ccedil;&atilde;o por parte do movimento agr&aacute;rio depois de ter sido divulgada a informa&ccedil;&atilde;o sobre a escolha da senadora como futura ministra da Agricultura no segundo mandato do governo Dilma.<br />
<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/k%E1tia.jpg" style="width: 300px; height: 130px; border-width: 0px; border-style: solid; margin-left: 5px; margin-right: 5px; float: right;" />Ruralista, K&aacute;tia Abreu &eacute; considerada por dirigentes do MST um &ldquo;s&iacute;mbolo do agroneg&oacute;cio&rdquo;. &ldquo;<em>Katia Abreu &eacute; s&iacute;mbolo do agroneg&oacute;cio, que tem como l&oacute;gica a terra para produ&ccedil;&atilde;o de mercadorias, com uso intensivo de agrot&oacute;xicos e sementes transg&ecirc;nicas destruindo os recursos naturais e a sa&uacute;de dos trabalhadores e de toda a popula&ccedil;&atilde;o&tilde;</em>, disse Raul Amorim, da coordena&ccedil;&atilde;o da juventude do MST.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">O protesto durou poucas horas e, segundo a Pol&iacute;cia Rodovi&aacute;ria, transcorreu sem conflito e foi acompanhado por viaturas policiais. Os jovens derrubaram uma cerca para entrar na fazenda e, diante da sede, fizeram um discurso contra o agroneg&oacute;cio, a cultura de transg&ecirc;nicos e a indica&ccedil;&atilde;o da senadora para o governo.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">Segundo a organiza&ccedil;&atilde;o, a fazenda ocupada foi escolhida pelo uso de sementes transg&ecirc;nicas. O objetivo da ocupa&ccedil;&atilde;o era denunciar o agroneg&oacute;cio que &quot;envenena a terra e contamina a produ&ccedil;&atilde;o dos alimentos e a &aacute;gua&rdquo;.<br />
<br />
No texto de divulga&ccedil;&atilde;o pelo MST, o protesto foi ironicamente batizado de &ldquo;Bem-vinda, K&aacute;tia Abreu&rdquo;. Nele ainda, a organiza&ccedil;&atilde;o lembra que a ocupa&ccedil;&atilde;o deste s&aacute;bado na fazenda de Palmeira das Miss&otilde;es &eacute; o primeiro de uma s&eacute;rie de protestos contra a senadora ruralista.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">Ainda n&atilde;o oficializada, a nomea&ccedil;&atilde;o da senadora n&atilde;o foi bem recebida nem mesmo por setores de seu partido, o PMDB, j&aacute; que ela ingressou na legenda h&aacute; pouco tempo, oriunda do PSD. Dentro do PT, principalmente nas alas &agrave; esquerda do partido, a poss&iacute;vel nomea&ccedil;&atilde;o tamb&eacute;m virou alvo de cr&iacute;tica. <em>(Com informa&ccedil;&otilde;es do O Globo e Carta Capital)</em></span>

Comentários pelo Facebook: