Seet
Sobral – 300×100

Estadão: JBS faz campanha contra indicação de Kátia Abreu; Frigorífico quer manter seus privilégios na Agricultura

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
Maior grupo empresarial de carnes do mundo e principal doador da campanha eleitoral realizada neste ano no Pa&iacute;s, o frigor&iacute;fico JBS, da marca Friboi, faz lobby contra a indica&ccedil;&atilde;o da senadora K&aacute;tia Abreu (PMDB-TO) para comandar o Minist&eacute;rio da Agricultura no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. Essa &eacute; a reportagem destaque do jornal <em>O Estado de S.Paulo</em> nesta ter&ccedil;a-feira (2).<br />
<br />
Segundo o Estad&atilde;o, o empres&aacute;rio Joesley Batista, um dos donos do grupo, esteve na quarta-feira com o chefe da Casa Civil do governo, Aloizio Mercadante, com quem tratou do tema em uma reuni&atilde;o reservada, fora da agenda oficial do ministro. A dire&ccedil;&atilde;o do grupo confirma a reuni&atilde;o com Mercadante, mas nega que esteja fazendo lobby contra a senadora.<br />
<br />
O JBS doou ao todo R$ 352 milh&otilde;es nas elei&ccedil;&otilde;es de 2014, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dos quais R$ 69,2 milh&otilde;es foram destinados &agrave; campanha de Dilma &agrave; reelei&ccedil;&atilde;o.<br />
<br />
K&aacute;tia Abreu, presidente da Confedera&ccedil;&atilde;o Nacional da Agricultura e Pecu&aacute;ria (CNA), &eacute; uma das principais lideran&ccedil;as do agroneg&oacute;cio no Pa&iacute;s, o que lhe ajudou a arrecadar quase R$ 7 milh&otilde;es neste ano para sua reelei&ccedil;&atilde;o.<br />
<br />
Conforme o Estad&atilde;o, o lobby do maior frigor&iacute;fico do mundo explicita uma guerra nos bastidores sobre o comando na Agricultura. Como representante dos pecuaristas, a senadora assumiu uma posi&ccedil;&atilde;o de ataque &agrave; empresa. Os criadores de gado temem a concentra&ccedil;&atilde;o de mercado que a empresa exerce cada vez mais, influenciando no valor da carne vendida por eles. O grupo JBS &eacute; respons&aacute;vel por cerca de 20% do abate bovino no Pa&iacute;s. O peso do frigor&iacute;fico na forma&ccedil;&atilde;o de pre&ccedil;o &eacute; uma das explica&ccedil;&otilde;es para a acidez da senadora contra a empresa.<br />
<br />
O clima entre K&aacute;tia e o empres&aacute;rio Joesley Batista ficou ruim depois que a senadora acusou de anti&eacute;tica a campanha publicit&aacute;ria do JBS sobre a seguran&ccedil;a sanit&aacute;ria representada pela Friboi. Em discurso no Congresso, em agosto de 2013, a senadora protestou: &quot;V&aacute; e diga que a sua carne &eacute; boa, que tem boa qualidade, que &eacute; produzida em frigor&iacute;ficos de primeira. Mas n&atilde;o diga que &eacute; a &uacute;nica que o povo brasileiro pode comer.&quot;<br />
<br />
<u><strong>Oposi&ccedil;&atilde;o ao nome de K&aacute;tia tem seus motivos</strong></u><br />
<br />
Segundo o jornal, o grupo JBS exerce grande influ&ecirc;ncia no Minist&eacute;rio da Agricultura, onde acumula uma s&eacute;rie de decis&otilde;es favor&aacute;veis.<br />
<br />
Em outubro deste ano, a Justi&ccedil;a imp&ocirc;s derrota ao Minist&eacute;rio por ter beneficiado o JBS. Determinou a aplica&ccedil;&atilde;o de multa di&aacute;ria de R$ 100 mil caso n&atilde;o fosse suspensa uma limita&ccedil;&atilde;o &agrave; exporta&ccedil;&atilde;o pelos Entrepostos de Carnes e Derivados (ECDs), operados por pequenos frigor&iacute;ficos.<br />
<br />
Em setembro, menos de dois meses ap&oacute;s proibir o uso de express&otilde;es como &quot;especial&quot; e &quot;premium&quot; em r&oacute;tulos de carne, o Minist&eacute;rio da Agricultura desobedeceu a pr&oacute;pria regra para atender pedido do JBS.<br />
<br />
O Estad&atilde;o afirma que apesar das resist&ecirc;ncias, K&aacute;tia Abreu vai ser anunciada oficialmente ministra da Agricultura – algo que j&aacute; est&aacute; decidido h&aacute; algumas semanas por Dilma, segundo assessores do Planalto – logo ap&oacute;s o dia 15 de dezembro. &Eacute; que nessa data ela tomar&aacute; posse como presidente reeleita da CNA – se fosse indicada ministra antes, n&atilde;o poderia assumir o cargo na entidade de classe.</span>

Comentários pelo Facebook: