Sobral – 300×100
Seet

Para Kátia Abreu, um dos grandes desafios do Brasil é dobrar área irrigada em 10 anos

admin -

<span style="font-size:14px;">A senadora K&aacute;tia Abreu, presidente do Sistema CNA/FAET/SENAR, participou como palestrante do 3&ordm; F&oacute;rum das &Aacute;guas, na manh&atilde; desta quinta-feira, 4, quando falou sobre <em>&ldquo;O Potencial Irrig&aacute;vel no Tocantins, Brasil, Mundo e a Log&iacute;stica do Eixo Arco Norte do Brasil&rdquo;</em>, e falou que um dos grandes desafios do Brasil &eacute; dobrar sua &aacute;rea, com responsabilidade sustent&aacute;vel e ambiental.<br />
<br />
Segundo a Senadora, &ldquo;seriam preciso irrigar mais cinco milh&otilde;es de hectares em todo o territ&oacute;rio nacional, o que iria gerar mais de oito milh&otilde;es de novos empregos no setor produtivo agropecu&aacute;rio e maior competitividade no setor, quando apenas um alqueire de &aacute;rea irrigada vai equivaler a cerca de 3,5 hectares de cultivo em sequeiro&rdquo;, explica a K&aacute;tia Abreu, apresentando levantamento realizado pela Confedera&ccedil;&atilde;o da Agricultura e Pecu&aacute;ria do Brasil (CNA) e com dados do Minist&eacute;rio da Agricultura e Pecu&aacute;ria do Brasil. De acordo com estimativas preliminares, ser&aacute; necess&aacute;rio um investimento de R$ 55 milh&otilde;es para irrigar toda esta nova &aacute;rea.<br />
<br />
Ao falar sobre o potencial irrig&aacute;vel, a senadora K&aacute;tia Abreu destacou que o Brasil possui cerca de 12% de &aacute;gua doce superficial do planeta e que a disponibilidade de &aacute;reas que poderiam ser irrigadas no pa&iacute;s &eacute; estimada em 29,5 milh&otilde;es de hectares, mas que apenas cerca de 5,4 milh&otilde;es de hectares s&atilde;o irrigados (19% da &aacute;rea irrig&aacute;vel). <em>&ldquo;Precisamos ter a consci&ecirc;ncia de que podemos avan&ccedil;ar muito nesse setor, principalmente utilizando mecanismos de tecnologia que ajudem na evolu&ccedil;&atilde;o da nossa produ&ccedil;&atilde;o agr&iacute;cola e industrial&rdquo;</em>, assegurou K&aacute;tia Abreu.<br />
<br />
Entusiasmada com a import&acirc;ncia que as plataformas multimodais est&atilde;o tendo no Governo Federal, K&aacute;tia Abreu falou acreditar que as hidrovias se tornar&atilde;o, em breve, uma das principais formas de escoar a produ&ccedil;&atilde;o agr&iacute;cola e industrial do pa&iacute;s, por um pre&ccedil;o bem menor.<br />
<br />
A senadora tamb&eacute;m reafirmou que o Tocantins ser&aacute; o Estado polo da log&iacute;stica nacional. <em>&ldquo;N&oacute;s temos que integrar todo o Tocantins. Isso inclui a conclus&atilde;o de tr&ecirc;s rodovias federais que cortam o Estado e que s&atilde;o vias estrat&eacute;gicas para o agroneg&oacute;cio, que s&atilde;o a BR -010, a BR -242 e BR-235, bem como a constru&ccedil;&atilde;o da Hidrovia do Tocantins; a consolida&ccedil;&atilde;o dos seis p&aacute;tios da Ferrovia Norte-Sul e a duplica&ccedil;&atilde;o da BR-153, a&ccedil;&otilde;es que v&atilde;o fazer do Tocantins um grande centro de log&iacute;stica e de desenvolvimento.&nbsp;Grande parte da produ&ccedil;&atilde;o brasileira vai ter que passar aqui em solo tocantinense&rdquo;</em>, ressalta a senadora que aponta que este &eacute; o cen&aacute;rio para o desenvolvimento da agroind&uacute;stria. <em>&ldquo;A regi&atilde;o que tem rodovias, ferrovias, hidrovia, esta &eacute; a regi&atilde;o que todos querem&rdquo;</em>, finalizou a senadora.</span><br />

Comentários pelo Facebook: