Sobral – 300×100
Seet

Bazar Três Pontos terá produtos comercializados na Praça Dom Orione em Araguaína

admin -

<span style="font-size:14px;">O projeto Bazar Tr&ecirc;s Pontos participar&aacute; da Feira Arte e Talento uma vez por m&ecirc;s, comercializando tapetes de croch&ecirc; confeccionados pelos reeducandos da Cadeia de Baba&ccedil;ul&acirc;ndia e Wanderl&acirc;ndia, norte do Estado. O espa&ccedil;o foi cedido pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Aragua&iacute;na &agrave; Defensoria P&uacute;blica do Tocantins. A feira acontece aos finais de semana na movimentada Pra&ccedil;a Dom Orione, no centro da cidade.<br />
<br />
Nas exposi&ccedil;&otilde;es anteriores, o Bazar percorreu v&aacute;rios eventos e pontos da cidade, e continuar&aacute; realizando exposi&ccedil;&otilde;es itinerantes para levar os produtos artesanais ao conhecimento do maior n&uacute;mero de pessoas, dando visibilidade &agrave; confec&ccedil;&atilde;o dos detentos e tornando acess&iacute;vel &agrave; popula&ccedil;&atilde;o adquirir as pe&ccedil;as. Toda a renda proveniente das vendas &eacute; integralmente repassada aos homens e mulheres encarcerados que produzem para o projeto.<br />
<br />
Os produtos j&aacute; foram expostos na feira na quinta edi&ccedil;&atilde;o do Bazar Tr&ecirc;s Pontos, em Aragua&iacute;na, nos dias 6 e 7 de dezembro. Para o cientista pol&iacute;tico Frank Amorim, ter um espa&ccedil;o permanente facilita que os clientes do Bazar comprem os tapetes. <em>&ldquo;Desde que conheci o projeto, h&aacute; tr&ecirc;s edi&ccedil;&otilde;es, fa&ccedil;o quest&atilde;o de vir comprar tapete para usar na minha casa e para presentear pessoas, porque ideias como esta devem ser incentivadas&rdquo;</em>, declarou.&nbsp;&nbsp;<br />
<br />
O reeducando Nielson Soares Carvalho, 22, comemora o sucesso do projeto. &ldquo;Com o refor&ccedil;o nas vendas atrav&eacute;s do Bazar Tr&ecirc;s Pontos, pude completar um dinheiro para comprar uma antena parab&oacute;lica&rdquo;, declarou, acrescentando ainda que se diz surpreso por ter aprendido a fazer croch&ecirc; na cadeia. <em>&ldquo;Eu nunca imaginei que faria um trabalho como este, mas hoje tenho prazer e facilidade em ensinar meus colegas, j&aacute; at&eacute; doei linhas para ajudar alguns a come&ccedil;ar. Aqui est&atilde;o me mostrando que eu tenho uma oportunidade, isto d&aacute; vontade de mudar. Preso precisa &eacute; de ressocializa&ccedil;&atilde;o, n&atilde;o de agress&atilde;o e brutalidade&rdquo;</em>, enfatizou o reeducando.<br />
<br />
<u><strong>Participa&ccedil;&atilde;o</strong></u><br />
<br />
Os resultados positivos do Bazar Tr&ecirc;s Pontos podem ser verificados na efetiva participa&ccedil;&atilde;o dos reeducandos. Na unidade feminina, em Baba&ccedil;ul&acirc;ndia, passou de 53% para 95% a participa&ccedil;&atilde;o das mulheres no projeto, implantado em junho deste ano naquela unidade. J&aacute; na unidade masculina, em Wanderl&acirc;ndia, 80% dos homens j&aacute; confeccionam artesanato, os quais passaram a integrar o Bazar Tr&ecirc;s Pontos desde o m&ecirc;s de outubro deste ano. <em>(Ascom Defensoria – Keliane Vale)</em></span>

Comentários pelo Facebook: