Sobral – 300×100
Seet

O bom selvagem

admin -

<div style="text-align: justify;">
<span style="font-size:14px;"><u><strong>Alexandre Garcia</strong></u><br />
<br />
O mito do bom selvagem defendido por fil&oacute;sofos europeus a partir das descobertas de Colombo, e consolidado por Jean-Jacques Rousseau, pode ser confrontado com o que se passa hoje no Brasil. O selvagem puro na natureza teria sido contaminado pelo colonizador europeu. Aqui, a gente sabe que n&atilde;o &eacute; verdade. Os &iacute;ndios ateavam fogo no que hoje chamamos de mata atl&acirc;ntica para cercar o inimigo, literalmente comiam-se uns aos outros; crian&ccedil;as nascidas com defeitos est&atilde;o condenadas &agrave; morte. Pois bem, misturaram-se europeus e depois africanos e temos o tipo brasileiro, que o soci&oacute;logo S&eacute;rgio Buarque de Hollanda em Ra&iacute;zes do Brasil, chamou de &quot;O homem cordial&quot; – muitas vezes mal compreendido.<br />
<br />
Lembrei-me disso ao ler, no domingo, a Revista do Correio Braziliense, trazendo em reportagem de capa, profusamente ilustrada com fotos, as tristes hist&oacute;rias de gatos e cachorros atacados por seres humanos na capital do Brasil. Num cachorro, jogaram &aacute;cido, em outro, &aacute;lcool com fogo; num gatinho, amarraram fogos juninos; o cachorro que quebrou a perna foi abandonado pelo dono em um buraco, onde outros jogaram lixo; o cachorrinho preso em um bueiro virou alvo de pedradas de crian&ccedil;as, e assim por diante. Quando se chega ao fim da reportagem, se imagina que humanidade &eacute; essa, que trata assim animais indefesos.<br />
<br />
No pa&iacute;s do homem cordial, matamo-nos &agrave; raz&atilde;o de 150 por dia, em qualquer idade. No fim de semana, em Praia Grande, litoral de S&atilde;o Paulo, uma menina de 14 anos apontou um rev&oacute;lver para um turista de 29 anos, que passeava com a enteada e a prima. Ele hesitou em entregar-lhe o rel&oacute;gio e foi baleado no peito. A assassina roubou-lhe no m&iacute;nimo 50 anos de vida. E n&atilde;o posso cham&aacute;-la de assassina nem de criminosa, porque, afinal, ela &eacute; protegida pela lei; &eacute; apenas uma menor infratora, neste pa&iacute;s cordial com os condenados. Afinal, Carlinhos Cachoeira, condenado a 39 anos de pris&atilde;o, naquele dia desfrutava de um resort de luxo na Bahia, da bela Andressa e de um habeas corpus. Habeas o qu&ecirc;?<br />
<br />
Em Copacabana, onde passei as festas de fim-de-ano por for&ccedil;a de plant&atilde;o de trabalho, assustei-me com o lixo jogado no cal&ccedil;ad&atilde;o, as cusparadas no ch&atilde;o, por pessoas que sequer sabem caminhar no meio urbano, desconhecem m&atilde;o e contram&atilde;o. Empurram-se, gritam, e at&eacute; aconteceu de um urinar numa bicicleta. Ao ser repreendido pelo dono do ve&iacute;culo sacou uma pistola e acionou o gatilho. S&oacute; n&atilde;o o matou, porque o primeiro dos 16 cartuchos negou fogo. J&aacute; n&atilde;o somos os &quot;bons selvagens&quot; da utopia do s&eacute;culo 18. Perdemos o adjetivo.</span><br />
<br />
&nbsp;</div>

Comentários pelo Facebook: