Seet
Sobral – 300×100

Nome indicado pelo PT captou R$ 650 milhões em propina

admin -

<span style="font-size:14px;">A for&ccedil;a-tarefa do Minist&eacute;rio P&uacute;blico Federal (MPF) avalia que j&aacute; disp&otilde;e de elementos suficientes para afirmar que a Diretoria de Servi&ccedil;os da Petrobras, na gest&atilde;o do ex-diretor Renato Duque, nome indicado pelo PT, captou cerca de 650 milh&otilde;es de reais em propinas sobre contratos fechados de 2004 a 2012 com as seis empreiteiras que s&atilde;o alvo do primeiro pacote de den&uacute;ncias da Opera&ccedil;&atilde;o Lava Jato.<br />
<br />
Segundo o empres&aacute;rio Augusto Ribeiro de Mendon&ccedil;a Neto, um dos delatores do esquema de corrup&ccedil;&atilde;o, &agrave;s vezes o dinheiro de propinas era t&atilde;o volumoso que precisava ser transportado em carro-forte, por orienta&ccedil;&atilde;o de Duque. O ex-diretor chegou a ser preso pela Pol&iacute;cia Federal (PF), mas foi solto por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF).&nbsp;<br />
<br />
No acordo que firmou com a Procuradoria da Rep&uacute;blica, o empres&aacute;rio dedicou um cap&iacute;tulo inteiro a Duque e ao &quot;pagamento de propinas&quot;. Nesse trecho, ele se compromete a revelar &quot;todos os fatos relacionados aos acordos voltados &agrave; redu&ccedil;&atilde;o da competitividade, com pr&eacute;vio acerto do vencedor, de pre&ccedil;os, condi&ccedil;&otilde;es, divis&atilde;o de lotes nas licita&ccedil;&otilde;es e contrata&ccedil;&otilde;es da Petrobras&quot;.<br />
<br />
Ao assinar o termo de colaboa&ccedil;&atilde;o, em setembro, o executivo se disp&ocirc;s a apontar as formas como se concretizava a entrega de propinas. Ele se compromete a devolver 10 milh&otilde;es de reais a t&iacute;tulo de multa compensat&oacute;ria por danos causados contra a administra&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica – a primeira parcela, de 2,5 milh&otilde;es de reais, foi quitada em 10 de novembro. O restante ser&aacute; quitado em sete parcelas at&eacute; 20 de julho de 2015.<br />
<br />
Segundo Augusto Mendon&ccedil;a, o ent&atilde;o diretor de Servi&ccedil;os &quot;orientava tr&ecirc;s coisas&quot; – pagamentos em dinheiro, dep&oacute;sitos em contas no exterior e repasses para o PT. &quot;O contato com o partido era atrav&eacute;s do tesoureiro Jo&atilde;o Vaccari. Para &quot;mascarar&quot; os desvios de parte dos contratos, o ex-diretor Renato Duque mandava fazer uso de notas frias de empresas de fachada.<br />
<br />
Ap&oacute;s longa investiga&ccedil;&atilde;o, que reuniu documentos e outros depoimentos, os procuradores se convenceram do envolvimento direto de Renato Duque e v&atilde;o acus&aacute;-lo por corrup&ccedil;&atilde;o passiva, organiza&ccedil;&atilde;o criminosa e outros crimes.</span><br />

Comentários pelo Facebook: