Sobral – 300×100
Seet

"Vamos estar mais próximas do que nunca", diz Dilma a Kátia, futura Ministra da Agricultura

admin -

<span style="font-size:14px;">Numa troca p&uacute;blica de elogios, a presidente Dilma Rousseff participou na noite desta segunda-feira (15) de cerim&ocirc;nia de recondu&ccedil;&atilde;o de K&aacute;tia Abreu &agrave; presid&ecirc;ncia da Confedera&ccedil;&atilde;o Nacional da Agricultura e Pecu&aacute;ria (CNA). K&aacute;tia foi escolhida para comandar o Minist&eacute;rio da Agricultura no segundo mandato. Dever&aacute; se licenciar da CNA nos pr&oacute;ximos dias, quando for oficializada ministra.<br />
<br />
&mdash; <em>Hoje, K&aacute;tia Abreu, quero lhe dizer que nossa parceria est&aacute; apenas come&ccedil;ando. Temos quatro anos pela frente (&hellip;) Quero dar os parab&eacute;ns &agrave; minha amiga K&aacute;tia Abreu por todas as realiza&ccedil;&otilde;es passadas e tenho certeza por todas as realiza&ccedil;&otilde;es futuras. Desejo grandes conquistas para o agroneg&oacute;cio e tenho certeza que vamos caminhar juntas e estaremos muito pr&oacute;ximas nesses quatro anos, mais pr&oacute;ximas do que nunca</em> &mdash; afirmou Dilma em seu discurso.<br />
<br />
A presidente fez afagos na sua futura ministra, dizendo que ela orgulha o pa&iacute;s. Mais cedo, nesta segunda-feira, militantes do MST invadiram a sede da CNA em protesto &agrave; indica&ccedil;&atilde;o de K&aacute;tia Abreu ao Minist&eacute;rio da Agricultura.<br />
<br />
&mdash;<em> K&aacute;tia orgulha as mulheres do nosso pa&iacute;s pelas convic&ccedil;&otilde;es firmes, &eacute; uma lutadora incans&aacute;vel por um segmento que &eacute; muito importante para o nosso pa&iacute;s</em> &mdash; disse Dilma nos primeiros segundos de seu discurso.<br />
<br />
Momentos antes, ao tomar posse, a senadora afirmou que Dilma foi a primeira chefe de governo a se aproximar do setor.<br />
<br />
&mdash; <em>A presidente Dilma foi a primeira chefe de governo a se dispor a entender uma agenda t&atilde;o complexa como a do agroneg&oacute;cio. Apoiou o c&oacute;digo florestal, uma luta de mais de 15 anos, apoiou a concess&atilde;o da explora&ccedil;&atilde;o privada dos portos. Muito foi feito e muito temos a fazer</em> &mdash; afirmou K&aacute;tia.<br />
<br />
Numa resposta &agrave;s cr&iacute;ticas que vem sofrendo de v&aacute;rios setores pela indica&ccedil;&atilde;o de K&aacute;tia para o Minist&eacute;rio, Dilma afirmou que n&atilde;o pode discriminar um segmento que gera alimentos para o Brasil e para o mundo.<br />
<br />
&mdash; <em>Sem considerar as diferen&ccedil;as pol&iacute;ticas e ideol&oacute;gicas, &eacute; tamb&eacute;m a bandeira de um governo que n&atilde;o pode discriminar quem gera alimentos para um Brasil, sem medo de errar, que &eacute; um dos fatores de prosperidade e que est&aacute; aqui representado pelos produtores da CNA, os pequenos e os m&eacute;dios produtores e os que lutam pela terra</em>.<br />
<br />
K&aacute;tia criticou grupos ideol&oacute;gicos de direita e de esquerda que desrespeitam a democracia e a livre propriedade. No discurso de posse, repudiou a invas&atilde;o do pr&eacute;dio da CNA horas antes do evento.<br />
<br />
&mdash; <em>O Brasil vive um momento de avan&ccedil;os em que n&atilde;o se pode conviver com a bitola estreita das ideologias. Grupos de esquerda ou direta que hoje, &agrave; margem da lei, invadiram este pr&eacute;dio</em> &mdash; disse a futura ministra K&aacute;tia Abreu.&nbsp;</span><br />

Comentários pelo Facebook: