Seet
Sobral – 300×100

Gastos do Governo com servidores comissionados é quase cinco vezes mais do que com alinhamento da Polícia Civil, mostra Sinpol

admin -

<span style="font-size:14px;">Apenas com os sal&aacute;rios dos servidores comissionados, o Governo do Estado vai gastar este ano 4,7 vezes mais que o valor da parcela do alinhamento da Pol&iacute;cia Civil de 2015, segundo levantamento feito pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol).<br />
<br />
Publicada nesta ter&ccedil;a-feira, 3 de mar&ccedil;o, a Medida Provis&oacute;ria n.&ordm; 6 define a nova estrutura do governo estadual com cargos comissionados que v&atilde;o consumir R$ 11,65 milh&otilde;es por m&ecirc;s em sal&aacute;rios. J&aacute; segundo o Sindicato, a parcela mensal do alinhamento da carreira da Pol&iacute;cia Civil para cerca de 1,3 mil policiais custar&aacute; cerca de R$ 2,47 milh&otilde;es.<br />
<br />
Para o l&iacute;der sindical Moisemar Marinho, &ldquo;com essa medida provis&oacute;ria o governo deixa claro qual &eacute; a sua prioridade&quot;. <em>&quot;N&atilde;o se pode falar de falta de dinheiro e limite da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) se criando despesa de mais de R$ 154,6 milh&otilde;es por ano com comissionados&rdquo;</em>, destacou.<br />
<br />
A Medida Provis&oacute;ria cria pouco mais de 4.700 mil cargos comissionados na esfera estadual. Somente com os secret&aacute;rios, subsecret&aacute;rios e assessores do alto escal&atilde;o a despesa mensal vai ultrapassar o montante de R$ 1,5 milh&atilde;o com sal&aacute;rios por m&ecirc;s.&nbsp;<br />
<br />
Al&eacute;m desses gastos com comissionados, o governo ainda tem milhares de contratos tempor&aacute;rios, que tamb&eacute;m causam impacto na folha salarial e nas finan&ccedil;as do Estado. &ldquo;<em>Os n&uacute;meros mostram que a administra&ccedil;&atilde;o n&atilde;o est&aacute; sendo transparente conosco no di&aacute;logo. Temos uma lei aprovada em abril do ano passado ap&oacute;s quase uma d&eacute;cada de lutas e negocia&ccedil;&otilde;es, aceitamos receber o nosso alinhamento em quatro vezes (2015-2016-2017-2018), mas mesmo assim tivemos nossa conquista arrancada por um decreto&rdquo;</em>, disse o l&iacute;der sindical.<br />
<br />
O Sindicato reiterou que enquanto a administra&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica n&atilde;o apresentar uma proposta concreta aceita pela categoria, a greve n&atilde;o vai parar.<br />
<br />
<u><strong>Liminar suspende greve</strong></u><br />
<br />
Nesta ter&ccedil;a-feira (3), a desembargadora do Tribunal de Justi&ccedil;a do Tocantins,&nbsp;</span><span style="font-size:14px;">Maysa Vandramini Rosal, concedeu liminar determinando a suspens&atilde;o da greve da Pol&iacute;cia Civil e determinou a retomada dos servi&ccedil;os em at&eacute; seis horas. A liminar fixou ainda multa di&aacute;ria de R$ 50 mil reais – limitados a R$ 1 milh&atilde;o – em caso de descumprimento da decis&atilde;o, al&eacute;m de serem descontados no sal&aacute;rio os dias de paralisa&ccedil;&atilde;o e instaura&ccedil;&atilde;o de processo administrativo.</span>

Comentários pelo Facebook: