Sobral – 300×100
Seet

Restaurante Acarajé Bahia conquista espaço em meio a comidas típicas do cerrado e ganha clientes cativos

admin -

<span style="font-size:14px;">O nome dele &eacute; Luis Carlos Costa Cabral, mais conhecido por seu Lua ou o bom baiano. H&aacute; um ano, ele resolveu apostar alto ao mudar de ramo profissional, deixou o campo, apostou no desenvolvimento de Aragua&iacute;na e montou o Restaurante Acaraj&eacute; Bahia. O objetivo?&nbsp; Vender acaraj&eacute; na terra do chambaril e do frango com pequi. <em>&ldquo;Esta cidade &eacute; interessante e oferece oportunidades para todos. Estou feliz com o novo neg&oacute;cio&rdquo;</em>, disse Luis Carlos.<br />
<br />
Seu Lua foi direto para&nbsp; a cozinha fazer acaraj&eacute;, abar&aacute;, vatap&aacute;, casquinha de caranguejo e de siri, moqueca de peixe e outras iguarias da culin&aacute;ria baiana, que d&atilde;o &aacute;gua na boca. Ele disse que viu no novo empreendimento uma boa oportunidade de lucro e, principalmente, um bom motivo para aliviar as tens&otilde;es do dia a dia. <em>&ldquo;Na dificuldade &eacute; que nasce a criatividade. Mas creio que a gente deve ter vis&atilde;o de crescimento e de lucro, mas tamb&eacute;m de bem-estar, de paz. E &eacute; o que estou tendo no momento&rdquo;</em>, pontuou.<br />
<br />
<u><strong>A ideia</strong></u><br />
<br />
Trocar o trabalho no campo pela venda de iguarias foi uma ideia que surgiu durante a Exposi&ccedil;&atilde;o Agropecu&aacute;ria de Aragua&iacute;na de 2014. No evento ele observou que o acaraj&eacute; poderia ter espa&ccedil;o na cidade, desde que fosse feito com qualidade e dentro da t&eacute;cnica baiana. A partir da&iacute; juntou as economias e foi para a pra&ccedil;a vender o produto.<br />
<br />
N&atilde;o demorou muito tempo e resolveu colocar o empreendimento na pr&oacute;pria casa, onde faz as iguarias juntamente com a esposa. <em>&ldquo;J&aacute; me aconselharam a mudar para um lugar mais caro, mas vou crescer aqui mesmo, pois o que importa &eacute; a qualidade do produto&rdquo;</em>, afirma.<br />
<br />
<u><strong>O diferencial</strong></u><br />
<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/Credito%20Leila%20Mel-Ascom%20(R141B).JPG" style="width: 300px; height: 171px; border-width: 0px; border-style: solid; margin-left: 5px; margin-right: 5px; float: right;" />Hoje, com uma clientela cativa em Aragua&iacute;na e de outras cidades, Luis Carlos garante que o segredo para o sucesso dos pratos que produz &eacute; a qualidade, al&eacute;m de um ambiente tranquilo e o bom atendimento. Para ele, o Acaraj&eacute; Bahia virou um ponto de fazer amizade. <em>&quot;As pessoas v&ecirc;m para c&aacute; n&atilde;o s&oacute; para comer um acaraj&eacute; de qualidade feito com o verdadeiro tempero da Bahia, mas tamb&eacute;m para conversar sobre pol&iacute;tica, religi&atilde;o, futebol, filosofia, curtir o ambiente familiar&rdquo;</em>, diz seu Lua. <em>&ldquo;O mais importante &eacute; fazer amizade e ajudar as pessoas. O cliente fica satisfeito, volta e me d&aacute; lucro&rdquo;</em>, diz.<br />
<br />
Seu Lua gosta mesmo de fazer amizades e ajudar as pessoas, mas n&atilde;o revela o segredo do bom e verdadeiro acaraj&eacute;. Para ele, esse &eacute; o mote do neg&oacute;cio. Mas deixa escapar os ingredientes, que s&atilde;o: feij&atilde;o fradinho, azeite puro de dend&ecirc; vindo direto de Valen&ccedil;a, na Bahia, molho cremoso de pimenta, vinagrete s&oacute; de tomate, al&eacute;m de camar&atilde;o e siri, que v&ecirc;m de S&atilde;o Lu&iacute;s, no Maranh&atilde;o.<br />
<br />
<u><strong>Pratos do Acaraj&eacute; Bahia</strong></u><br />
<br />
Acaraj&eacute;, abar&aacute;, vatap&aacute;, casquinha de caranguejo, casquinha de siri, moqueca de peixe, peixe frito, panelada, chambari, rabada, sarapatel, feijoada e cozid&atilde;o.<br />
<br />
<strong><u>Endere&ccedil;o</u></strong><br />
<br />
Rua Campos El&iacute;sios, n&ordm; 863, no Setor Itapu&atilde;.<br />
Hor&aacute;rio de funcionamento:&nbsp; De ter&ccedil;a a domingo, a partir das 17h.<br />
Telefones:&nbsp; (63) 3421-1387 e 9216-9966</span><br />

Comentários pelo Facebook: