Sobral – 300×100
Seet

Museu de Zoologia do Tocantins reúne 6 mil exemplares de animais, alguns já extintos do cerrado

admin -

<span style="font-size:14px;">Refer&ecirc;ncia para estudantes e pesquisadores no Estado, o Museu de Zoologia&nbsp; Professor Jos&eacute; Hidassi, da Funda&ccedil;&atilde;o Universidade do Tocantins (Unitins) possui atualmente cerca de 6 mil exemplares de animais taxidermizados, entre aves, peixes, repteis, mam&iacute;feros e anf&iacute;bios de diversas regi&otilde;es do Brasil e do mundo, incluindo animais em extin&ccedil;&atilde;o no cerrado tocantinense como a jaguatirica e o lobo-guar&aacute;. O museu &eacute; aberto &agrave; popula&ccedil;&atilde;o de segunda a sexta-feira, das 8h &agrave;s 12h e das 14h &agrave;s 18h, em Porto Nacional, na Av. Presidente Kenedy, n&ordm; 1055, centro.<br />
<br />
O Museu de Zoologia foi doado em 1995, pelo professor h&uacute;ngaro e pesquisador da Ornitofauna, Jos&eacute; Hidassi.&nbsp; Segundo o professor por ser um local de observa&ccedil;&atilde;o, intera&ccedil;&atilde;o e reflex&atilde;o, o museu &eacute; o espa&ccedil;o ideal para o desenvolvimento do aprendizado fora da sala de aula. <em>&ldquo;Quando doei o museu para a universidade meu objetivo principal foi contribuir para que jovens e crian&ccedil;as do Tocantins pudessem conhecer o mundo, por meio da fauna, de forma educativa e divertida, aumentando a percep&ccedil;&atilde;o em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; consci&ecirc;ncia da preserva&ccedil;&atilde;o da natureza&rdquo;</em>, explica o professor.<br />
<br />
Segundo a bi&oacute;loga respons&aacute;vel pelo acervo do museu, Eloisa Paula Bispo de Souza, o museu de Zoologia &eacute; o &uacute;nico no Estado. Por possuir cole&ccedil;&otilde;es diversificadas atrai pesquisadores de todo Brasil, fazendo com que a Unitins desenvolva parcerias com outras universidades fomentando o ensino, a pesquisa, a extens&atilde;o universit&aacute;ria, bem como o turismo no munic&iacute;pio de Porto Nacional.<br />
<br />
No Museu a popula&ccedil;&atilde;o pode conferir palestras e visitas guiadas com monitores para conhecer animais de diversos pa&iacute;ses, como Austr&aacute;lia, &Aacute;frica e &Aacute;sia. <em>&ldquo;&Eacute; poss&iacute;vel conhecer em pleno cerrado um tubar&atilde;o martelo e at&eacute; mesmo um canguru. Qualquer pessoa tamb&eacute;m pode contribuir com o museu doando animais encontrados mortos ou atropelados&rdquo;</em>, afirma Eloisa Paula Bispo de Souza. O Museu tamb&eacute;m realiza empr&eacute;stimos de exemplares de animais para pesquisadores e professores com o intuito de motivarem os alunos em sala de aula.<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/Museu%20Jos%E9%20Hidasi%20-%2001_04_2015%20-%20Vivianni%20Asevedo%20(114).JPG" style="width: 600px; height: 400px;" /><br />
<u><strong>Mais</strong></u><br />
<br />
O professor Jose Hidassi, chegou ao Brasil em 1&ordm; de novembro de 1950, como pesquisador da Ornitofauna. Em 1962, naturalizou-se brasileiro e, em 1968, criou o Museu de Ornitologia de Goi&acirc;nia, doando-o &agrave; Prefeitura de Porto Nacional. Em 1970, iniciou seus trabalhos e estudos ornitol&oacute;gicos e em taxidermia pela Austr&aacute;lia, &Aacute;frica do Sul, Canad&aacute;, Estados Unidos, Europa e Brasil.<br />
<br />
<strong><u>Visitas</u></strong><br />
<br />
As visitas tamb&eacute;m podem ser agendas previamente aos s&aacute;bados, domingos e feriados nacionais. Para mais informa&ccedil;&otilde;es entre em contato (63) 3363-1505.</span>

Comentários pelo Facebook: