Seet
Sobral – 300×100

Três homens são denunciados pelo assassinato de dentista no norte do Estado; ciúmes teria motivado crime

admin -

<span style="font-size:14px;">O Minist&eacute;rio P&uacute;blico Estadual (MPE) ofereceu den&uacute;ncia, no &uacute;ltimo dia 28 de abril, contra tr&ecirc;s acusados do assassinato do dentista Kl&eacute;bio Pereira Guedes. O crime aconteceu no dia 03 de mar&ccedil;o quando dois homens, a mando de uma terceira pessoa, armaram uma emboscada e sequestraram a v&iacute;tima quando chegava em sua resid&ecirc;ncia, na cidade de Augustin&oacute;polis, regi&atilde;o norte do Estado.<br />
<br />
De acordo com informa&ccedil;&otilde;es da investiga&ccedil;&atilde;o policial, Manoel Fabr&iacute;cio Teles Pereira contratou Ant&ocirc;nio Mendes Nonato para cometer o assassinato, pelo qual receberia a import&acirc;ncia de R$ 5 mil. A negocia&ccedil;&atilde;o teria acontecido por interm&eacute;dio de Estev&atilde;o Em&iacute;lio Castro. A motiva&ccedil;&atilde;o do crime seria ci&uacute;mes pelo envolvimento amoroso de Kl&eacute;bio com a ex-namorada de Manoel, fato que teria levado o acusado a proferir amea&ccedil;as de morte contra o dentista, meses antes do crime.<br />
<br />
Ap&oacute;s capturar Kl&eacute;bio, os sequestradores o teriam transportado no seu pr&oacute;prio carro at&eacute; a cidade de Araguatins, onde a execu&ccedil;&atilde;o foi feita mediante tr&ecirc;s disparos de arma de fogo, seguidos da oculta&ccedil;&atilde;o do cad&aacute;ver em um matagal, com a concord&acirc;ncia de Manoel. Os homens fugiram levando o ve&iacute;culo e o celular da v&iacute;tima; e no dia seguinte comercializaram os pertences na cidade de Paraupebas, no Par&aacute;. O carro foi vendido ao valor de R$ 13 mil.<br />
<br />
De acordo com o Promotor de Justi&ccedil;a de Augustin&oacute;polis, Paulo S&eacute;rgio Ferreira de Almeida, n&atilde;o restam d&uacute;vidas quanto &agrave; materialidade do delito, fartamente demonstrado nos autos do inqu&eacute;rito policial. <em>&ldquo;Foi uma investiga&ccedil;&atilde;o complexa, por se tratar de crime premeditado, em que os autores procuraram tomar medidas para camuflar a pr&aacute;tica delitiva e dificultar o trabalho da pol&iacute;cia, mas tivemos uma atua&ccedil;&atilde;o exemplar da pol&iacute;cia civil do Tocantins, que contou com a ajuda de policiais do Maranh&atilde;o e Par&aacute; para a realiza&ccedil;&atilde;o das investiga&ccedil;&otilde;es</em>&rdquo;, disse o Promotor de Justi&ccedil;a.<br />
<br />
Na den&uacute;ncia, o Minist&eacute;rio P&uacute;blico Estadual (MPE) pede que os acusados sejam levados ao Tribunal do J&uacute;ri e que sejam condenados pelos crimes de homic&iacute;dio duplamente qualificado, forma&ccedil;&atilde;o de quadrilha, furto e oculta&ccedil;&atilde;o de cad&aacute;ver.</span>

Comentários pelo Facebook: