Seet
Sobral – 300×100

Homem que matou companheira na frente do filho reponderá for feminicídio; 1º caso no Tocantins

admin -

<span style="font-size:14px;">O Minist&eacute;rio P&uacute;blico Estadual (MPE) de Cristal&acirc;ndia (TO) apresentou a primeira den&uacute;ncia de feminic&iacute;dio da Comarca, depois da san&ccedil;&atilde;o da Lei que tipificou como crime hediondo o assassinato de mulheres por motiva&ccedil;&otilde;es de g&ecirc;nero.<br />
<br />
Na den&uacute;ncia, a Promotora de Justi&ccedil;a Tha&iacute;s Cairo Souza Lopes relata o caso do assassinato de uma mulher ocorrido no dia 12 de abril de 2015, no munic&iacute;pio de Lagoa da Confus&atilde;o. Ap&oacute;s um desentendimento entre o casal, o acusado desferiu socos, pux&otilde;es de cabelo e diversos golpes de faca, inclusive na regi&atilde;o das costas, at&eacute; consumar a morte da v&iacute;tima, produzindo nela as les&otilde;es que foram apontadas no laudo pericial.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">Segundo a Pol&iacute;cia Militar, Maria Divina Carneiro de Sousa, de 30 anos, levou de seis a oito golpes de faca. Ela foi encontrada morta dentro da casa dela, no setor Praia Alta. O suspeito, Wanderson Marcos de Sousa, 23 anos, foi preso momentos ap&oacute;s.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">Todo a cena ocorreu na presen&ccedil;a do filho da v&iacute;tima, de 12 anos. O acusado foi preso em flagrante, sujo de sangue e portando a arma do crime. <em>&ldquo;Eles mantinham relacionamento amoroso, sendo o crime, portanto, praticado com viol&ecirc;ncia dom&eacute;stica e familiar contra a mulher, em virtude dessa condi&ccedil;&atilde;o. Atente-se ainda para o fato de o delito ter sido cometido na presen&ccedil;a do filho da v&iacute;tima</em>&rdquo;, disse a Promotora de Justi&ccedil;a.<br />
<br />
<u><strong>Lei do Feminic&iacute;dio</strong></u><br />
<br />
A presidente Dilma Rousseff sancionou, no dia 09 de mar&ccedil;o, a Lei que define feminic&iacute;dio como circunst&acirc;ncia qualificadora do crime de homic&iacute;dio. O texto classifica o feminic&iacute;dio como crime hediondo e modifica o C&oacute;digo Penal, incluindo-o entre os tipos de homic&iacute;dio qualificado. A pena &eacute; agravada tamb&eacute;m quando o crime for cometido na presen&ccedil;a de descendente ou ascendente da v&iacute;tima.</span>

Comentários pelo Facebook: