Seet
Sobral – 300×100

"Não estou numa fase muito boa" , diz ex-presidente Lula em Brasília

admin -

<span style="font-size:14px;">O ex&shy;presidente Luiz In&aacute;cio Lula da Silva admitiu, nas conversas que teve com pol&iacute;ticos em Bras&iacute;lia na quinta-feira (14), que n&atilde;o atravessa uma&nbsp;boa fase. Lula disse estar preocupado com o andamento do governo de sua sucessora, Dilma Rousseff, e com os desdobramentos da&nbsp;Opera&ccedil;&atilde;o Lava Jato, em especial a decis&atilde;o do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, de ter fechado um acordo de dela&ccedil;&atilde;o premiada&nbsp;em troca de eventual redu&ccedil;&atilde;o de pena.<br />
<br />
&quot;N&atilde;o estou numa fase muito boa, n&atilde;o&quot;, afirmou o ex&shy;presidente. Com ar abatido, contrariando o discurso normalmente otimista nas&nbsp;conversas privadas, segundo pessoas com quem se encontrou, o petista comentou que est&aacute; desesperan&ccedil;oso com as perspectivas para a&nbsp;economia brasileira, tidas por ele como muito ruins.<br />
<br />
Na avalia&ccedil;&atilde;o de Lula, a rentabilidade das empresas no Pa&iacute;s tem ca&iacute;do, atribuindo ao governo da presidente Dilma Rousseff, sua pupila, a&nbsp;responsabilidade por estar tomando medidas equivocadas na condu&ccedil;&atilde;o da pol&iacute;tica econ&ocirc;mica.<br />
<br />
<strong><u>Agenda negativa.</u></strong><br />
<br />
Em uma dessas conversas, no almo&ccedil;o com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB&shy;AL), Lula afirmou que o<br />
governo precisa sair da pauta negativa do ajuste fiscal. O ex&shy;presidente disse aos presentes que a&ccedil;&otilde;es do governo que poderiam estimular&nbsp;a retomada da economia, como a terceira etapa do Programa de Acelera&ccedil;&atilde;o do Crescimento (PAC) e o pacote de concess&otilde;es, ainda n&atilde;o&nbsp;sa&iacute;ram do papel.<br />
<br />
No giro por Bras&iacute;lia, o ex&shy;presidente chegou a confessar tamb&eacute;m que o projeto pol&iacute;tico dele est&aacute; &quot;esfarelando&quot;. Nesta sexta-feira (15), Lula almo&ccedil;ou na&nbsp;embaixada de Cuba.<br />
<br />
<u><strong>Dela&ccedil;&atilde;o. </strong></u><br />
<br />
Lula tamb&eacute;m se mostrou preocupado com as implica&ccedil;&otilde;es da dela&ccedil;&atilde;o do dono da UTC, que na quarta&shy;-feira assinou com&nbsp;Procuradoria&shy;Geral da Rep&uacute;blica o acordo. Pessoa &eacute; apontado nas investiga&ccedil;&otilde;es como o chefe do cartel de empreiteiras que atuou na&nbsp;Petrobr&aacute;s.<br />
<br />
No in&iacute;cio do ano, antes da decis&atilde;o do Supremo Tribunal Federal do fim de abril de soltar Pessoa e outros oito empreiteiros presos na&nbsp;opera&ccedil;&atilde;o, Lula se mostrava apreensivo com o que o dono da UTC poderia falar. Ele e Pessoa se tornaram amigos nos &uacute;ltimos anos. O expresidente&nbsp;temia que o empreiteiro, para poder deixar a pris&atilde;o logo, revelasse informa&ccedil;&otilde;es que pudessem compromet&ecirc;&shy;lo. (Estad&atilde;o)</span>

Comentários pelo Facebook: