Sobral – 300×100
Seet

Plano de Educação de Araguaína é aprovado por 8 a 6 após debates acalorados e críticas trocadas

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
O Plano Municipal de Educa&ccedil;&atilde;o de Aragua&iacute;na (TO), que nortear&aacute; o processo educacional pelos pr&oacute;ximos 10 anos, foi aprovado com uma margem apertada de votos durante sess&atilde;o itinerante da C&acirc;mara Municipal, na noite desta ter&ccedil;a-feira (23), no Setor Aragua&iacute;na Sul. O projeto recebeu 8 votos favor&aacute;veis, 6 contr&aacute;rios e uma absten&ccedil;&atilde;o.<br />
<br />
O projeto de Lei passou com duas emendas: uma retirando a express&atilde;o &quot;ideologia de g&ecirc;nero&quot;, duramente criticada por religiosos, e outra suprimindo a palavra &quot;diversidade&quot;.<br />
<br />
Oposi&ccedil;&atilde;o e situa&ccedil;&atilde;o travaram debates acalorados e cr&iacute;ticas, trocadas, &agrave;s gest&otilde;es do prefeito Ronaldo Dimas (PR) e da presidente Dilma Roussef (PT). A vereadora petista, Silvinia Pires, afirmou que o Plano Municipal j&aacute; nascia &ldquo;afundado em problemas&rdquo; por n&atilde;o contemplar as propostas apresentadas pelos representantes dos professores.<br />
<br />
J&aacute; o vereador Edmones Matos (popular Xeroso) rebateu as cr&iacute;ticas e atacou: <em>&ldquo;Discurso sem fundamento dos petistas. Quem retirou dinheiro da educa&ccedil;&atilde;o e das Universidades foi o governo do PT&rdquo;</em>, disparou.<br />
<br />
A presidente do Conselho Municipal de Educa&ccedil;&atilde;o, Maria das Merc&ecirc;s, disse que o Plano Municipal de Educa&ccedil;&atilde;o deixou de fora proposta como a amplia&ccedil;&atilde;o da carga hor&aacute;ria para planejamento do professor (atualmente fixada em 20% da jornada de trabalho); piso salarial para in&iacute;cio da carreira; climatiza&ccedil;&atilde;o das salas de aula; plano de carreira para merendeiras e gest&atilde;o democr&aacute;tica das escolas.<br />
<br />
O Plano Municipal de Educa&ccedil;&atilde;o, de autoria do Poder Executivo, cont&eacute;m 20 metas e 225 estrat&eacute;gias que devem nortear a Educa&ccedil;&atilde;o Municipal para a pr&oacute;xima d&eacute;cada. Antes de entrar em vota&ccedil;&atilde;o na C&acirc;mara, foram realizadas nove audi&ecirc;ncias p&uacute;blicas, sendo oito em escolas e uma audi&ecirc;ncia municipal. Segundo a prefeitura, em todas houve a participa&ccedil;&atilde;o da comunidade, conselhos e sindicatos que juntos discutiram a elabora&ccedil;&atilde;o do plano.<br />
<br />
O PME oborda princ&iacute;pios relacionados aos valores morais, &eacute;ticos e da fam&iacute;lia, respeito aos direitos humanos e zelo pelo n&atilde;o repasse de atribui&ccedil;&otilde;es das fam&iacute;lias &agrave;s escolas, al&eacute;m de princ&iacute;pios pedag&oacute;gicos.<br />
<br />
<u><strong>Vota&ccedil;&atilde;o</strong></u><br />
<br />
Votaram contr&aacute;rios os vereadores Neto Paje&uacute; (PR), Rosewelt Cormineiro (PSDB), Silvinia Pires (PT), Batista Capixaba (SD), Jos&eacute; Ferreira Barros Filho – Ferreirinha (PMDB) e Aldair Costa – Gip&atilde;o (PR). O vereador Soldado Alcivan (PP) se absteve do voto.<br />
<br />
A vereadora Rejane Socorro (DEM) n&atilde;o compareceu &agrave; sess&atilde;o e apresentou atestado m&eacute;dico para justificar a aus&ecirc;ncia. J&aacute; o presidente Marcus Marcelo (PR) s&oacute; votaria em caso de empate.</span>

Comentários pelo Facebook: