Sobral – 300×100
Seet

Conta secreta na Suíça abasteceu campanha de Lula em 2006

admin -

<span style="font-size:14px;">O documento abaixo reproduz a movimenta&ccedil;&atilde;o de uma conta secreta na Su&iacute;&ccedil;a aberta pelos empreiteiros para pagar propina. Segundo Ricardo Pessoa, foi dela que sa&iacute;ram 2,4 milh&otilde;es de reais que refor&ccedil;aram o caixa da campanha do ex-presidente Lula em 2006 – dinheiro desviado dos cofres da Petrobras que chegou ao Brasil em uma opera&ccedil;&atilde;o financeira totalmente clandestina e ilegal.<br />
<br />
O delator contou que a UTC, a Iesa, a Queiroz Galv&atilde;o e a Camargo Corr&ecirc;a formavam o cons&oacute;rcio que venceu a licita&ccedil;&atilde;o para construir tr&ecirc;s plataformas de petr&oacute;leo. Como era regra na estatal, um porcentual do contrato era obrigatoriamente reservado para subornos.<br />
<br />
A conta foi criada para o &quot;pagamento de comissionamentos devidos a agentes p&uacute;blicos em raz&atilde;o das obras da Petrobras, ou seja, o pagamento de propinas&quot;, disse Pessoa. Ela tamb&eacute;m ajuda a dificultar o rastreamento de corruptos e corruptores. Foi dessa fonte clandestina que saiu o dinheiro que ajudou Lula a se reeleger.</span><br />
<section>
<div>
<figure>
<span style="font-size:14px;"><img alt="Relação de pagamentos Quadrix" src="http://msalx.veja.abril.com.br/2015/07/03/2136/alx_relacao-pagamentos-quadrix_original.jpeg?1435970187" style="border: 0px; vertical-align: middle; height: 370px; width: 600px;" title="Relação de pagamentos Quadrix" /></span><figcaption><span style="font-size:14px;">(VEJA.com/VEJA)</span></figcaption></figure>
</div>
</section>
<span style="font-size:14px;">Para comprovar a exist&ecirc;ncia da conta secreta, o empreiteiro apresentou ao Minist&eacute;rio P&uacute;blico extratos com as movimenta&ccedil;&otilde;es. Batizada de &quot;Controle RJ 53 – US$&quot;, a planilha registra opera&ccedil;&otilde;es envolvendo 5 milh&otilde;es de d&oacute;lares em pagamentos de propina.<br />
<br />
Al&eacute;m de financiar o caixa dois de Lula, a conta su&iacute;&ccedil;a foi utilizada para pagar os operadores do PT na Petrobras. Entre as movimenta&ccedil;&otilde;es listadas pelo empreiteiro est&atilde;o pagamentos ao ex-gerente de Servi&ccedil;os da Petrobras Pedro Barusco, um dos respons&aacute;veis pela coleta das propinas destinadas ao PT.<br />
<br />
Os repasses &agrave; campanha de Lula foram acertados entre Ricardo Pessoa e o ent&atilde;o tesoureiro petista, Jos&eacute; de Filippi. Era o pr&oacute;prio empreiteiro que levava os pacotes de dinheiro ao comit&ecirc; da campanha em S&atilde;o Paulo.<br />
<br />
A entrega era cercada de medidas de seguran&ccedil;a t&iacute;picas de organiza&ccedil;&otilde;es criminosas. Ao chegar &agrave; porta do comit&ecirc;, o empreiteiro dizia a senha &quot;tulipa&quot;. Se ele ouvia como resposta a palavra &quot;caneco&quot;, seguia direto para a tesouraria. Se confirmados pela Justi&ccedil;a, os pagamentos via caixa dois s&atilde;o a primeira prova de que o ex-presi&shy;dente Lula tamb&eacute;m foi beneficiado diretamente pelo petrol&atilde;o.</span><br />

Comentários pelo Facebook: