Seet
Sobral – 300×100

Praia do Garimpinho recebe ações do projeto que protege reprodução das tartarugas no Rio Araguaia

admin -

<span style="font-size:14px;">O Munic&iacute;pio de Aragua&iacute;na receber&aacute; o projeto Quel&ocirc;nio neste m&ecirc;s de julho, reconhecido nacionalmente por proteger as &aacute;reas de desova e reprodu&ccedil;&atilde;o das tartarugas-da-amaz&ocirc;nia na bacia do Rio Araguaia. No Tocantins, o projeto &eacute; desenvolvimento em uma &aacute;rea que compreende, al&eacute;m de Aragua&iacute;na, o Munic&iacute;pio de Santa F&eacute;, na &aacute;rea das Terras Ind&iacute;genas Xambio&aacute;, no norte do Estado.<br />
<br />
Em Aragua&iacute;na, a Praia do Garimpinho, a cerca de 140 km da cidade, vai receber as a&ccedil;&otilde;es de educa&ccedil;&atilde;o ambiental das equipes do Projeto Quel&ocirc;nio. Segundo o secret&aacute;rio municipal do Planejamento, Frederico Minharo Prado, foram montadas tendas na praia que podem servir de apoio &agrave;s a&ccedil;&otilde;es do projeto.<em> &ldquo;Nossa inten&ccedil;&atilde;o &eacute; garantir a vida das tartarugas no Rio Araguaia em uma &aacute;rea da a&ccedil;&atilde;o compreende cerca de 22,3 Km &agrave;s margens do Araguaia, no Munic&iacute;pio&rdquo;</em>, destacou o secret&aacute;rio.<br />
<br />
As atividades do projeto incluem oficinas, aulas de campo e palestras nas escolas ind&iacute;genas, n&atilde;o ind&iacute;genas e nas comunidades, bem como interc&acirc;mbio cultural entre as popula&ccedil;&otilde;es envolvidas. As a&ccedil;&otilde;es na regi&atilde;o seguem at&eacute; dezembro deste ano.<br />
<br />
<strong><u>Apoio</u></strong><br />
<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/garimpinho.jpg" style="width: 300px; height: 225px; float: right; border-width: 0px; border-style: solid; margin-left: 5px; margin-right: 5px;" />O projeto &eacute; acompanhado por t&eacute;cnicos do Grupo de Pesquisa de Crocodilos e Quel&ocirc;nios da Regi&atilde;o Norte (Croque) da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e &eacute; realizado desde 2005, dada a import&acirc;ncia da tartaruga na cultura ind&iacute;gena. Entre os objetivos est&aacute; assegurar o aumento populacional, preservar as esp&eacute;cies dos quel&ocirc;nios, resgatar a sustentabilidade nas comunidades tradicionais e garantir a seguran&ccedil;a alimentar do povo Xambio&aacute;, que contabiliza atualmente 500 pessoas em quatro aldeias.<br />
<br />
Educa&ccedil;&atilde;o ambiental, monitoramento, fiscaliza&ccedil;&atilde;o e manejo s&atilde;o etapas do projeto, que al&eacute;m da parceira da Prefeitura, tem como apoiadores a Funai, Naturatins, Ibama, Pr&ecirc;mio Culturas Ind&iacute;genas, DREA, Projeto Gest&atilde;o Ambiental e Territorial Ind&iacute;gena (Gati).<br />
<br />
<strong><u>N&uacute;meros</u></strong><br />
<br />
O projeto j&aacute; devolveu &agrave; natureza mais de 52 mil filhotes de tartaruga. Somente em 2014, retornaram para o habitat natural mais de 8.730 filhotes. Os quel&ocirc;nios da tartaruga-da-amaz&ocirc;nia se desenvolvem em &aacute;gua doce, alimentam-se de carnes, peixes e vegetais, t&ecirc;m h&aacute;bitos diurnos, podem atingir o tamanho de at&eacute; 90 cm de comprimento e pesar 60 kg.<br />
<br />
A reprodu&ccedil;&atilde;o dessa popula&ccedil;&atilde;o aqu&aacute;tica acontece entre setembro e novembro, quando a f&ecirc;mea sai da &aacute;gua e deposita entre 60 e 100 ovos na areia da praia, que eclodem passados 45 dias. &ldquo;&Eacute; nesse momento, que os &oacute;rg&atilde;os ambientais somam for&ccedil;as para livrar esses ovos dos seres humanos e de predadores naturais&rdquo;, explicou o secret&aacute;rio Frederico Minharo Prado, assegurando que outras a&ccedil;&otilde;es est&atilde;o sendo realizadas no local.<br />
<br />
Segundo ele, durante a temporada, tr&ecirc;s servidores municipais do Meio Ambiente ficar&atilde;o na praia para desenvolver a&ccedil;&otilde;es de limpeza e orienta&ccedil;&atilde;o nos acampamentos familiares e ribeirinhos.</span>

Comentários pelo Facebook: