Seet
Sobral – 300×100

Grupos do Tocantins, Pará e Amazonas se apresentam no Festival de Dança de Joinville, o maior do mundo

admin -

<span style="font-size:14px;">S&atilde;o 11 dias que o perfil tipicamente industrial do maior polo econ&ocirc;mico de Santa Catarina se transforma num frenesi multicolorido pelos palcos em Joinville e quatro cidades da regi&atilde;o, com apresenta&ccedil;&otilde;es de sete estilos de dan&ccedil;a: neocl&aacute;ssico, cl&aacute;ssico de repert&oacute;rio, contempor&acirc;neo, jazz, sapateado, dan&ccedil;as populares e dan&ccedil;as urbanas. &Eacute; considerado pelo Guinness Book desde 2005 o maior festival de dan&ccedil;a do planeta em n&uacute;mero de participantes e diversidade de estilos.<br />
<br />
<strong>Anualmente, s&atilde;o cerca de 6.500 participantes entre bailarinos, estudantes, professores, profissionais e artistas convidados</strong>&nbsp;que transformam o inverno catarinense nesta verdadeira maratona dan&ccedil;ante. Al&eacute;m da arena principal com ingressos pagos (no Centreventos Cau Hansen), h&aacute; dezenas de palcos abertos com apresenta&ccedil;&otilde;es gratuitas em pra&ccedil;as, shoppings e hospitais. Uma oportunidade para as fam&iacute;lias dos participantes, turistas amantes da arte e comunidades da regi&atilde;o vibrarem com essa invas&atilde;o cultural em cada esquina. Ao todo, o p&uacute;blico hist&oacute;rico&nbsp;<strong>de 230 mil pessoas (uma m&eacute;dia de cada edi&ccedil;&atilde;o) tem &agrave; disposi&ccedil;&atilde;o 245 horas de espet&aacute;culos &ndash; das quais 200 gratuitas</strong>.<br />
<br />
Nas noites especiais, o destaque fica por conta do espet&aacute;culo &ldquo;O Quebra-Nozes&rdquo; que a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, de Joinville (SC) apresenta na Noite de Abertura (22/7); e da Evolution Dance Theater, companhia de dan&ccedil;a italiana que apresenta o espet&aacute;culo &ldquo;Firefly&rdquo; na Noite de Gala (27/7). Entre as novidades deste ano est&aacute; a volta da Mostra Contempor&acirc;nea de Dan&ccedil;a, trazendo espet&aacute;culos de grande sucesso de duas importantes companhias brasileiras: Grupo de Dan&ccedil;a Primeiro Ato, de Belo Horizonte (23/7), com &ldquo;Insthabilidade&rdquo;; e Companhia Urbana de Dan&ccedil;a, do Rio de Janeiro (28/7), com &ldquo;ID: Entidades&rdquo;. E pelo segundo ano, a Est&iacute;mulo Mostra de Dan&ccedil;a apresenta no dia 24, &ldquo;Ao que est&aacute; dentro&rdquo;, da Cia. Pavilh&atilde;o D, de S&atilde;o Paulo; e &ldquo;Poppins&rdquo;, do joinvilense Maniacs Crew, no dia 26. Estes quatro espet&aacute;culos ser&atilde;o todos &agrave;s 22h, no Teatro Juarez Machado.<br />
<br />
Al&eacute;m dessas companhias convidadas citadas, a programa&ccedil;&atilde;o das oito noites de Mostra Competitiva, tr&ecirc;s tardes da Mostra Meia Ponta e os onze dias de programa&ccedil;&atilde;o dos Palcos Abertos, re&uacute;nem neste ano&nbsp;<strong>403 grupos de dan&ccedil;a, sendo 399 brasileiros, vindos de 20 estados diferentes, mais Distrito Federal e de diversos pa&iacute;ses que apresentar&atilde;o 1.138 diferentes coreografias</strong>.<br />
<br />
O 33&ordm; Festival de Dan&ccedil;a de Joinville &eacute; apresentado pelo Minist&eacute;rio da Cultura e Banco Ita&uacute;. Lei de Incentivo &agrave; Cultura. O patroc&iacute;nio &eacute; do Fundo Estadual de Incentivo &agrave; Cultura (Funcultural), por meio da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte do Governo do Estado de Santa Catarina, Grupo RBS e Tractebel Energia. Tem apoio de O Botic&aacute;rio na Dan&ccedil;a e a colabora&ccedil;&atilde;o da Folha de S&atilde;o Paulo. A promo&ccedil;&atilde;o &eacute; da Funda&ccedil;&atilde;o Cultural de Joinville e Prefeitura de Joinville, com realiza&ccedil;&atilde;o do Instituto Festival de Dan&ccedil;a de Joinville e Minist&eacute;rio da Cultura.<br />
&nbsp;<br />
<u><strong>Grupos participantes da Regi&atilde;o Norte</strong></u><br />
<br />
Dos sete estados da regi&atilde;o Norte do pa&iacute;s, est&atilde;o confirmadas as participa&ccedil;&otilde;es de oito grupos &ndash; cinco do Amazonas, dois do Par&aacute; e um do Tocantins. No total, estes grupos apresentar&atilde;o 26 coreografias.<br />
<br />
Os cinco grupos amazonenses selecionados apresentar&atilde;o 18 coreografias &ndash; duas para a Mostra Competitiva e as demais para os Palcos Abertos. Representam a capital, Manaus, a Backstage Studio de Dan&ccedil;a, a Cia. de Dan&ccedil;a Beta Style Dance, a La Salle Cia. de Dan&ccedil;a, o Studio de Dan&ccedil;a Patr&iacute;cia Marques e a The Fusion Norte Company.&nbsp;<br />
<br />
O Par&aacute; estar&aacute; representado no Festival por duas companhias, a Cia. Yucat&atilde; de Paragominas e a Ribalta Companhia de Dan&ccedil;a, de Ananindeua, que classificaram um total de quatro coreografias para os Palcos Abertos. Do Tocantins, apenas um grupo, o Bal&eacute; Popular do Tocantins, de Palmas, classificou quatro coreografias &ndash; &ldquo;Os Espantalhos&rdquo; concorre na modalidade dan&ccedil;as populares, categoria conjunto s&ecirc;nior, e as demais v&atilde;o abrilhantar os Palcos Abertos.<br />
<br />
Al&eacute;m de dan&ccedil;ar, os participantes tamb&eacute;m v&ecirc;m para compartilhar e buscar conhecimentos. At&eacute; o momento, a maior caravana da regi&atilde;o Norte quando se trata de inscritos para participar de cursos e oficinas vem de Rond&ocirc;nia (48 cursistas). Do Amazonas, s&atilde;o dez cursistas; do Par&aacute;, oito; do Tocantins, sete; Roraima, seis; e do Amap&aacute;, um cursista inscrito at&eacute; o momento.<br />
&nbsp;<br />
<u><strong>Feira da Sapatilha</strong></u><br />
<br />
<strong>A Feira da Sapatilha &eacute; a principal do setor no Brasil e abriga todos os anos quase uma centena de expositores que vendem variados produtos voltados ao mercado da dan&ccedil;a</strong>, atraindo n&atilde;o s&oacute; a aten&ccedil;&atilde;o de bailarinos, estudantes e professores, mas tamb&eacute;m dos catarinenses e turistas de outros estados para aquisi&ccedil;&atilde;o de artigos especializados. Al&eacute;m de sapatilhas e cal&ccedil;ados para a pr&aacute;tica da dan&ccedil;a, roupas de ensaio e figurinos, tamb&eacute;m s&atilde;o vendidos no local acess&oacute;rios relacionados ao tema, como livros, CDs e DVDs, chocolates e op&ccedil;&otilde;es em artesanato, oferecidas por artes&atilde;os de Joinville e regi&atilde;o.<br />
<br />
<strong><u>Destaques da programa&ccedil;&atilde;o</u></strong><br />
<br />
Em comemora&ccedil;&atilde;o aos&nbsp;<strong>15 anos de atividades da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil &ndash; que fica em Joinville e &eacute; a &uacute;nica filial fora da R&uacute;ssia</strong>&nbsp;&ndash; ser&aacute; apresentado na&nbsp;<strong>abertura (dia 22)</strong>, no grande palco do Centreventos Cau Hansen, o&nbsp;<strong>memor&aacute;vel bal&eacute;&nbsp;&ldquo;O Quebra-Nozes&rdquo;</strong>. &Eacute; a primeira vez que a escola se apresentar&aacute; como companhia convidada para abrir o festival. O mestre russo Vladimir Vasiliev assina esta vers&atilde;o coreogr&aacute;fica, cen&aacute;rio e produ&ccedil;&atilde;o, levando ao palco cerca de 80 bailarinos, professores e alunos da institui&ccedil;&atilde;o.<br />
<br />
A prestigiada&nbsp;<strong>Noite de Gala (dia 27)&nbsp;</strong>vai receber&nbsp;um dos principais expoentes da dan&ccedil;a contempor&acirc;nea na atualidade:&nbsp;<strong>Evolution Dance Theater, companhia de dan&ccedil;a italiana</strong>, apresentando o espet&aacute;culo&nbsp;<strong>&ldquo;Firefly</strong>&rdquo;. Fundada em 2008, a proposta da companhia &eacute; ultrapassar&nbsp;os limites da dan&ccedil;a, criando obras baseadas na fus&atilde;o do bal&eacute; contempor&acirc;neo com outras express&otilde;es art&iacute;sticas, como teatro, atletismo, ilusionismo e v&iacute;deo-arte. Comandada pelo core&oacute;grafo norte-americano Anthony Heinl, a troupe chama a aten&ccedil;&atilde;o por onde passa pela sua ousadia criativa, oferecendo uma experi&ecirc;ncia sensorial marcante para a plateia.&nbsp;O espet&aacute;culo conta com elenco de dan&ccedil;arinos acrobatas,&nbsp;especializados em diferentes t&eacute;cnicas de dan&ccedil;a,&nbsp;e traz efeitos c&ecirc;nicos nos quais eles parecem flutuar, saltar e desaparecer em meio a luzes, cores e escurid&atilde;o.<br />
<br />
Este ano, a&nbsp;<strong>Mostra Contempor&acirc;nea de Dan&ccedil;a</strong>&nbsp;traz para Joinville, no&nbsp;palco do Teatro Juarez Machado,&nbsp;espet&aacute;culos de grande sucesso de&nbsp;<strong>duas importantes companhias de dan&ccedil;a brasileiras: Grupo de Dan&ccedil;a Primeiro Ato, de Belo Horizonte, e Companhia Urbana de Dan&ccedil;a, do Rio de Janeiro</strong>.&nbsp;&nbsp;A companhia mineira, dirigida por&nbsp;<strong>Suely Machado</strong>, apresenta o espet&aacute;culo&nbsp;<strong>&ldquo;Insthabilidade</strong>&rdquo; no dia&nbsp;<strong>23 de julho</strong>. A obra, criada em 2014, &eacute;&nbsp;inspirada&nbsp;na condi&ccedil;&atilde;o de estar vivo,&nbsp;nos&nbsp;movimentos naturais ao&nbsp;lidar com o est&aacute;vel e o inst&aacute;vel presente em nossas atitudes no dia a dia, o que gera desequil&iacute;brio, a&ccedil;&atilde;o e vida.&nbsp;Este cair e levantar, essa resist&ecirc;ncia &agrave; a&ccedil;&atilde;o da gravidade e &agrave; necessidade constante do ser humano em se verticalizar e transformar provoca um movimento que se repete em cadeia e remete &agrave; origem.<br />
<br />
O segundo espet&aacute;culo da&nbsp;<strong>Mostra Contempor&acirc;nea</strong>&nbsp;deste ano, no dia&nbsp;<strong>28 de julho</strong>, ser&aacute;&nbsp;<strong>&ldquo;ID: Entidades&rdquo;</strong>, da&nbsp;Companhia Urbana de Dan&ccedil;a, dirigida por&nbsp;<strong>Sonia Destri Lie</strong>, que est&aacute; celebrando seus dez anos de exist&ecirc;ncia. Formado por jovens moradores de &aacute;reas populares na cidade do Rio de Janeiro, o grupo explora toda a vitalidade da afrodescend&ecirc;ncia e provoca um reconhecimento das ra&iacute;zes culturais brasileiras em di&aacute;logo com as tend&ecirc;ncias contempor&acirc;neas da dan&ccedil;a urbana e do hip-hop. Este espet&aacute;culo traduz as possibilidades do movimento surgido nas ruas das metr&oacute;poles, marcado por trabalhos anteriores, como&nbsp;Ziriguidum&nbsp;e&nbsp;Su&iacute;te Funk, que rodaram a Europa. Ali&aacute;s, foi na Fran&ccedil;a, em 2010, que&nbsp;a &ldquo;ID: Entidades&rdquo; apresentou seus primeiros passos,&nbsp;tomando conta&nbsp;&nbsp;da plateia do Hangar 23, em Rouen. A trilha sonora foi indicada ao&nbsp;Bessies (renomado pr&ecirc;mio nova-iorquino de reconhecimento &agrave; inova&ccedil;&atilde;o em dan&ccedil;a) e o espet&aacute;culo considerado &ldquo;Top 10&rdquo; pela revista Time Out, al&eacute;m de deixar o p&uacute;blico esfuziante no badalado festival franc&ecirc;s Hoptimum, em 2013.&nbsp;<br />
<br />
J&aacute; a&nbsp;<strong>Est&iacute;mulo Mostra de Dan&ccedil;a</strong>&nbsp;(novidade criada em 2014 com o objetivo de estimular a cria&ccedil;&atilde;o de um espet&aacute;culo completo numa oportunidade &uacute;nica em homenagem aos grupos que v&ecirc;m se destacando no festival), traz ao Teatro Juarez Machado a estreia de duas obras criadas pelos grupos&nbsp;<strong>Pavilh&atilde;o D, de S&atilde;o Paulo (SP), e Maniacs Crew, de Joinville (SC)</strong>.&nbsp;<strong>&ldquo; Ao que est&aacute; dentro&rdquo;&nbsp;</strong>&eacute; o espet&aacute;culo que o Pavilh&atilde;o D vai estrear no dia&nbsp;<strong>24 de julho</strong>, com dire&ccedil;&atilde;o do core&oacute;grafo&nbsp;<strong>Ricardo Scheir</strong>, que se apropria das t&eacute;cnicas neocl&aacute;ssica e contempor&acirc;nea.<br />
<br />
Por sua vez, o joinvilense&nbsp;<strong>Maniacs Crew (campe&atilde;o do festival em v&aacute;rias edi&ccedil;&otilde;es no g&ecirc;nero dan&ccedil;as urbanas)</strong>&nbsp;vai apresentar no dia&nbsp;<strong>26 de julho</strong>, o espet&aacute;culo&nbsp;<strong>&ldquo;Poppins&rdquo;</strong>, inspirado na hist&oacute;ria de Mary Poppins retratada no filme norte-americano de 1964, do g&ecirc;nero fantasia musical, com roteiro baseado no livro de mesmo nome de P. L. Travers.&nbsp;<br />
<br />
<strong><u>Palcos Abertos</u></strong><br />
<br />
As coreografias apresentadas nos palcos abertos passam tamb&eacute;m pelo processo de sele&ccedil;&atilde;o do festival, garantindo ao p&uacute;blico apresenta&ccedil;&otilde;es de qualidade, realizadas por grupos de todas as regi&otilde;es do pa&iacute;s. Fato importante a ser destacado &eacute; que nos &uacute;ltimos anos mais de 50% dos grupos que participam do Festival de Dan&ccedil;a se apresentam apenas nos Palcos Abertos, sem participar da Mostra Competitiva ou mesmo da Mostra Meia Ponta, consolidando este espa&ccedil;o tamb&eacute;m como um importante painel da produ&ccedil;&atilde;o art&iacute;stica de escolas e grupos de dan&ccedil;a de todo o pa&iacute;s. A programa&ccedil;&atilde;o envolve apresenta&ccedil;&otilde;es nas cidades de S&atilde;o Francisco do Sul, Jaragu&aacute; do Sul, Blumenau e Pomerode, al&eacute;m de pra&ccedil;as, shoppings, feira da sapatilha e hospitais de Joinville.<br />
<br />
<strong><u>Semin&aacute;rios de Dan&ccedil;a</u></strong><br />
<br />
Em sua nona edi&ccedil;&atilde;o consecutiva, o Semin&aacute;rio de Dan&ccedil;a ser&aacute; realizado nos dias 29, 30 e 31 de julho, no Teatro Juarez Machado, e ter&aacute; como tema&nbsp;<strong>&ldquo;<strong>Gradua&ccedil;&otilde;es em Dan&ccedil;a no Brasil:</strong>&nbsp;<strong>O que ser&aacute;,</strong>&nbsp;<strong>que ser&aacute;?&rdquo;. Coordenado</strong>&nbsp;</strong>pela pesquisadora e professora Thereza Rocha, o evento conta com 500 vagas e este ano pretende discutir a forma&ccedil;&atilde;o superior em dan&ccedil;a no pa&iacute;s. Para tanto, elege alguns temas candentes, tomando como eixo mestre as diferentes propostas curriculares atualmente utilizadas nas institui&ccedil;&otilde;es brasileiras.<br />
<br />
<strong><u>Cursos e Oficinas</u></strong><br />
<br />
A programa&ccedil;&atilde;o did&aacute;tica do festival deste ano traz algumas novidades e tamb&eacute;m cursos com professores j&aacute; consagrados. No total est&atilde;o sendo oferecidas 2.245 vagas, em 65 diferentes cursos, com op&ccedil;&otilde;es para alunos iniciantes, de n&iacute;vel intermedi&aacute;rio e avan&ccedil;ado/profissional. Tamb&eacute;m existem op&ccedil;&otilde;es para professores, core&oacute;grafos, interessados na &aacute;rea de ilumina&ccedil;&atilde;o e de pesquisa em dan&ccedil;a.<br />
<br />
O quadro de professores &eacute; formado por 34 profissionais e traz nomes que j&aacute; fazem parte da hist&oacute;ria do Festival, como Jair Moraes &ndash; bal&eacute; cl&aacute;ssico (PR), Suely Machado &ndash; contempor&acirc;neo (MG), Toshie Kobayashi &ndash; bal&eacute; cl&aacute;ssico (SP), Carlla Bublitz &ndash; bal&eacute; cl&aacute;ssico (RS), Kika Sampaio &ndash; sapateado (SP), Cristina Helena &ndash; bal&eacute; cl&aacute;ssico (BH), Vera Arag&atilde;o &ndash; bal&eacute; cl&aacute;ssico (RJ), Denys Nevidomyy, ucraniano que &eacute; professor da Escola Bolshoi em Joinville, entre outros. H&aacute; ainda profissionais que v&ecirc;m ao festival pela primeira vez para ministrar aulas, como Adriana Salom&atilde;o &ndash; sapateado (RJ), Andrea Sposito &ndash; jazz (SP) e Hugo Alexandre &ndash; dan&ccedil;as urbanas (RJ). Entre as novidades de cursos oferecidos este ano, os destaques s&atilde;o &ldquo;Pas de Deux Contempor&acirc;neo&rdquo;, com Alex Soares (SP), &ldquo;Pr&aacute;ticas Corporais Sonoras&rdquo;, com Pedro Consorte (SP), &ldquo;Composi&ccedil;&atilde;o Coreogr&aacute;fica para Dan&ccedil;as Urbanas&rdquo;,&nbsp;com Henrique Bianchini (SP), e &ldquo;Ensaiador e Assistente de Coreografia&rdquo;, com Lumena Macedo (SP).<br />
<br />
<strong><u>Meia Ponta</u></strong><br />
<br />
Com o objetivo de estimular novos talentos, a Mostra Meia Ponta &eacute; competi&ccedil;&atilde;o infantil que re&uacute;ne bailarinos entre dez e 12 anos, em tr&ecirc;s tardes de apresenta&ccedil;&otilde;es especiais durante a programa&ccedil;&atilde;o do festival. Os solistas e grupos mirins que participam tamb&eacute;m passam pela seletiva do Festival de Dan&ccedil;a e, durante as apresenta&ccedil;&otilde;es na mostra, s&atilde;o assistidos por um grupo de jurados, criteriosamente escolhido pela Curadoria Art&iacute;stica, considerando a dif&iacute;cil tarefa que &eacute; avaliar do ponto de vista t&eacute;cnico e art&iacute;stico, o desempenho destes pequenos talentos.<br />
<br />
<strong><u>Patrocinadores e apoiadores</u></strong><br />
<br />
O 33&ordm; Festival de Dan&ccedil;a de Joinville &eacute; apresentado pelo Minist&eacute;rio da Cultura e Banco Ita&uacute;. Lei de Incentivo &agrave; Cultura. O patroc&iacute;nio &eacute; do Fundo Estadual de Incentivo &agrave; Cultura (Funcultural), por meio da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte do Governo do Estado de Santa Catarina, Grupo RBS e Tractebel Energia. Tem apoio de O Botic&aacute;rio na Dan&ccedil;a e a colabora&ccedil;&atilde;o da Folha de S&atilde;o Paulo. A promo&ccedil;&atilde;o &eacute; da Funda&ccedil;&atilde;o Cultural de Joinville e Prefeitura de Joinville, com realiza&ccedil;&atilde;o do Instituto Festival de Dan&ccedil;a de Joinville e Minist&eacute;rio da Cultura.</span><br />

Comentários pelo Facebook: