Seet
Sobral – 300×100

Sintet não atende apelo do secretário e convoca retomada da greve dos professores; Seduc fala em "diálogo aberto"

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<br />
A greve dos professores da rede estadual do Tocantins ser&aacute; retomada na sexta-feira (31 de julho). A informa&ccedil;&atilde;o &eacute; do Sindicato dos Trabalhadores em Educa&ccedil;&atilde;o (Sintet), que tamb&eacute;m j&aacute; convocou uma assembleia geral para quarta-feira, dia 5 de agosto, em Palmas.<br />
<br />
Conforme o Sindicato, a greve da Educa&ccedil;&atilde;o ser&aacute; retomada no pr&oacute;ximo dia 31 de julho com reuni&otilde;es nas regionais. O movimento, iniciado no dia 6 de junho, foi suspenso em fun&ccedil;&atilde;o das f&eacute;rias escolares.<br />
<br />
Na semana passada, o Sintet acusou o governador Marcelo Miranda (PMDB) de ignorar o movimento grevista e discutir a data-base sem a presen&ccedil;a de representantes dos professores. Em resposta, o secret&aacute;rio Ad&atilde;o Oliveira disse que os diretores sindicais estavam sendo &ldquo;inflex&iacute;veis&rdquo; e fez um apelo pelo fim da greve.<br />
<br />
Conforme a Secretaria da Educa&ccedil;&atilde;o (Seduc), o Governo vem mantendo o &quot;di&aacute;logo aberto e intensas negocia&ccedil;&otilde;es&quot; com o movimento grevista.<em> &quot;Entre abril e junho foram feitas diversas propostas para o pagamento da data-base, das progress&otilde;es e os respectivos passivos gerados pelo reajuste estabelecido&quot;</em>, afirmou a Seduc.<br />
<br />
<u><strong>Seduc diz que enviou 6 of&iacute;cios ao Sintet</strong></u><br />
<br />
De acordo com o secret&aacute;rio de Estado da Educa&ccedil;&atilde;o, Ad&atilde;o Francisco de Oliveira, as portas entre a Seduc e os servidores grevistas sempre estiveram abertas, ao contr&aacute;rio do que chegou a ser veiculado. &ldquo;<em>Esta porta nunca esteve fechada. N&oacute;s entendemos que todas as situa&ccedil;&otilde;es cr&iacute;ticas se resolvem na base do di&aacute;logo aberto e do entendimento entre os trabalhadores e a secretaria&rdquo;</em>, completou<br />
<br />
De acordo com os registros da Seduc, entre os dias 15 de abril e 22 de junho, foram encaminhados ao Sintet seis of&iacute;cios contendo propostas para a categoria, sob os n&uacute;meros 1780/2015/SEDUC, de 15 de abril; 2174/2015/SEDUC, de oito de maio; 2685/2015SEDUC, de 12 de junho; 2729/2015/SEDUC, de 15 de junho; 2832/2015/SEDUC/SECAD, de 19/06/2015 e 2881/2015/SEDUC, de 22 de junho.<br />
<br />
Conforme a Seduc, nesta &uacute;ltima ficou definido o pagamento da data-base, com &iacute;ndice de 8,34%, al&eacute;m do parcelamento do reajuste em duas vezes, com a primeira a ser executada ainda no m&ecirc;s de julho e a segunda, na folha de pagamento de novembro. Fruto do entendimento entre Governo do Estado e representa&ccedil;&otilde;es das categorias dos trabalhadores estaduais, foi proposto o pagamento do &ldquo;passivo&rdquo; gerado com as progress&otilde;es referentes ao ano de 2013, divididos em seis parcelas a serem pagas a partir de julho deste ano.<br />
<br />
A incorpora&ccedil;&atilde;o das progress&otilde;es de 5.030 professores, referentes ao ano de 2014 dever&aacute; ser realizada em duas vezes, entre setembro e outubro de 2015. J&aacute; o &ldquo;passivo&rdquo; gerado com as progress&otilde;es do ano de 2014, ter&aacute; pagamento realizado em quatro parcelas, entre os meses de janeiro e abril de 2016. Com rela&ccedil;&atilde;o &agrave; incorpora&ccedil;&atilde;o das progress&otilde;es do ano de 2015 e suas diferen&ccedil;as, estas ser&atilde;o pagas nas folhas de pagamento dos meses de agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro de 2016.<br />
<br />
<em>&ldquo;A Seduc n&atilde;o tem medido esfor&ccedil;os para garantir que, mesmo diante dos recursos escassos da conjuntura atual, seja feita a melhor gest&atilde;o contemplando n&atilde;o s&oacute; a valoriza&ccedil;&atilde;o profissional, mas tamb&eacute;m a realiza&ccedil;&atilde;o de todas as demais dimens&otilde;es da Educa&ccedil;&atilde;o, como transporte, a merenda, o custeio, os projetos especiais, a manuten&ccedil;&atilde;o da infraestrutura, a continuidade das obras. N&oacute;s reiteramos que a proposta entregue &agrave;s categorias foi elaborada para contemplar o anseio dos trabalhadores, dentro contexto de contingenciamento que enfrenta o Tocantins&rdquo;</em>, completou Ad&atilde;o Francisco.</span>

Comentários pelo Facebook: