Sobral – 300×100
Seet

Violência policial põe medo em 62% dos brasileiros

admin -

<span style="font-size:14px;">Levantamento do Datafolha divulgado na sexta-feira (31) revela que 62% dos moradores de cidades com mais de 100 mil habitantes t&ecirc;m medo da viol&ecirc;ncia e agress&atilde;o por parte da Pol&iacute;cia Militar. Cerca de 25% dos que responderam sim a essa pergunta admitem ter &ldquo;muito medo&rdquo;.<br />
<br />
Em 2012, o &iacute;ndice em uma pesquisa semelhante foi de 48% &mdash; o crit&eacute;rio &agrave; &eacute;poca eram cidades com 15 mil habitantes ou mais.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">&quot;A popula&ccedil;&atilde;o sente que ou vai ser v&iacute;tima do criminoso ou da pr&oacute;pria corpora&ccedil;&atilde;o&quot;, diz&nbsp;Renato S&eacute;rgio de Lima, professor da FGV e vice&shy;presidente do F&oacute;rum.<br />
<br />
Entre os que relatam ter medo da PM, a maioria s&atilde;o jovens, pobres, autodeclarados&nbsp;pretos e moradores do Nordeste. A pesquisa mostra ainda que 53% da popula&ccedil;&atilde;o&nbsp;tem medo de sofrer viol&ecirc;ncia da Pol&iacute;cia Civil.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">A pesquisa foi encomenda ao instituto pelo F&oacute;rum Brasileiro de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica. Foram entrevistadas 1.307 pessoas em 84 munic&iacute;pios em todas as regi&otilde;es do pa&iacute;s. A margem de erro &eacute; de tr&ecirc;s pontos.<br />
<br />
Outro estudo divulgado esta semana pelo Ibope Intelig&ecirc;ncia mostra que os brasileiros encaram a pol&iacute;cia com certa desconfian&ccedil;a.<br />
<br />
Na lista das institui&ccedil;&otilde;es mais confi&aacute;veis do pa&iacute;s, a corpora&ccedil;&atilde;o ficou com a oitava posi&ccedil;&atilde;o e marcou apenas 50 pontos em uma escala de 0 a 100 no &iacute;ndice de confiabilidade. A confian&ccedil;a &eacute; menor na faixa de idade de 30 a 39 anos, seguida de jovens de 16 a 24.<br />
<br />
<strong><u>E os criminosos?</u></strong><br />
<br />
Confirmando a sensa&ccedil;&atilde;o de inseguran&ccedil;a, 91% dos entrevistados t&ecirc;m medo de ser v&iacute;tima da viol&ecirc;ncia orquestrada por criminosos.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">O levantamento do Datafolha mostrou tamb&eacute;m que 81% dos entrevistados temem&nbsp;ser assassinados. Na pesquisa de 2012, eram 65%. Dos que t&ecirc;m medo de morrer,&nbsp;49% disseram acreditar que podem ser v&iacute;timas de homic&iacute;dio j&aacute; no pr&oacute;ximo ano. Em&nbsp;2012, eram 29%.<br />
<br />
Mulheres, moradores do Nordeste e autodeclarados pretos s&atilde;o os que mais temem&nbsp;ser assassinados. Estudos t&ecirc;m mostrado que as altas taxas de homic&iacute;dios, dos anos&nbsp;2000 para c&aacute;, migraram dos grandes centros do Sudeste, como Rio e S&atilde;o Paulo,&nbsp;para o Nordeste.<br />
<br />
Os negros s&atilde;o as principais v&iacute;timas. Quanto &agrave;s mulheres, h&aacute; algumas hip&oacute;teses&nbsp;para explicar o temor da morte por assassinato, como o medo da viol&ecirc;ncia&nbsp;dom&eacute;stica, diz Lima.&nbsp;Ainda segundo a pesquisa, 52% da popula&ccedil;&atilde;o tem algum parente ou conhecido que&nbsp;foi v&iacute;tima de homic&iacute;dio.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;">A PM &eacute; vista por 76% deles como principal respons&aacute;vel pela seguran&ccedil;a p&uacute;blica no Brasil. Ainda assim, cerca de 67% discordam que policias devem ser mais agressivos em suas abordagens a suspeitos.</span><br />
<br />
<span style="font-size:14px;"><u><strong>Amea&ccedil;as</strong></u><br />
<br />
Levantamento feito pelo F&oacute;rum Brasileiro de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica, divulgado nesta&nbsp;quinta (30), indica que tr&ecirc;s em cada quatro policiais (75%) j&aacute; sofreram amea&ccedil;as&nbsp;devido ao seu trabalho.<br />
<br />
A enquete, feita por e&shy;mail, foi respondida por 10.495 agentes das pol&iacute;cias Militar,&nbsp;Civil, Rodovi&aacute;ria Federal, Federal, bombeiros e guardas de todo o pa&iacute;s.&nbsp;<br />
<br />
Entre os que responderam, 70% disseram ter colegas de trabalho que foram&nbsp;assassinados fora do hor&aacute;rio de servi&ccedil;o, e 62%, colegas que foram mortos em&nbsp;servi&ccedil;o.<br />
<br />
&quot;Os dados mostram que os policiais sofrem in&uacute;meras press&otilde;es no seu dia a dia e,&nbsp;muitas vezes, parecem trabalhar no fio da navalha&quot;, diz Rafael Alcadipani, professor&nbsp;da FGV e um dos organizadores do levantamento.</span>

Comentários pelo Facebook: