Seet
Sobral – 300×100

Líder do prefeito nega indústria de multas em Araguaína e AMTT diz que críticas são "infundadas"

admin -

<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br />
<em>Portal AF Not&iacute;cias</em><br />
<br />
As den&uacute;ncias sobre a poss&iacute;vel instala&ccedil;&atilde;o de uma ind&uacute;stria de multas em Aragua&iacute;na estiveram no centro dos debates esta semana. V&aacute;rios vereadores de oposi&ccedil;&atilde;o, e alguns da base aliada, levantaram suspeitas principalmente em rela&ccedil;&atilde;o &agrave;s empresas vencedoras da licita&ccedil;&atilde;o dos radares eletr&ocirc;nicos, que estariam envolvidas em esc&acirc;ndalos nacionais de corrup&ccedil;&atilde;o no tr&acirc;nsito.<br />
<br />
Agora, o l&iacute;der do prefeito na C&acirc;mara, Luzimar Coelho, e o presidente da Ag&ecirc;ncia Municipal de Tr&acirc;nsito e Transporte (AMTT), Gustavo Fidalgo, sa&iacute;ram em defesa das mudan&ccedil;as promovidas pelo prefeito Ronaldo Dimas no tr&acirc;nsito e refutaram a exist&ecirc;ncia de uma poss&iacute;vel &quot;ind&uacute;stria de multas&quot;.<br />
<br />
<strong><u>Ind&uacute;stria de multas</u></strong><br />
<br />
Para vereador Luzimar Coelho, as mudan&ccedil;as no tr&acirc;nsito da cidade n&atilde;o pegaram a popula&ccedil;&atilde;o de surpresa, tendo em vista que todo o centro passou por recupera&ccedil;&atilde;o da pavimenta&ccedil;&atilde;o asf&aacute;ltica, recebeu sinaliza&ccedil;&atilde;o horizontal e vertical e, antes que a fiscaliza&ccedil;&atilde;o eletr&ocirc;nica entrasse em opera&ccedil;&atilde;o, houve ampla divulga&ccedil;&atilde;o nos meios de comunica&ccedil;&atilde;o. &ldquo;<em>H&aacute; tamb&eacute;m placas indicativas da velocidade m&aacute;xima em todas as ruas e avenidas em que foram implantados os radares&rdquo;,</em> acrescentou.&nbsp;<br />
<br />
O parlamentar ressaltou ainda que os resultados dessas mudan&ccedil;as j&aacute; s&atilde;o percept&iacute;veis com a redu&ccedil;&atilde;o de quase 47% dos acidentes de tr&acirc;nsito, segundo dados divulgados pelo pr&oacute;prio Servi&ccedil;o de Atendimento M&oacute;vel de Urg&ecirc;ncia (Samu). <em>&ldquo;Al&eacute;m disso, desafogou o tr&acirc;nsito no centro da cidade, trouxe mais seguran&ccedil;a a condutores e pedestres e, acima de tudo, organiza&ccedil;&atilde;o no que antes era muito ca&oacute;tico. Isso n&atilde;o representa nenhuma ind&uacute;stria de multa&rdquo;</em>, ressaltou o vereador, destacando que &ldquo;toda mudan&ccedil;a traz questionamentos ao romper com um ciclo e o condutor que dirige respeitando as normas de tr&acirc;nsito n&atilde;o precisa se preocupar, pois as mudan&ccedil;as s&atilde;o para melhor&rdquo;.<br />
<br />
<strong><u>&quot;Pardais n&atilde;o multam o cidad&atilde;o de bem&quot;</u></strong><br />
<br />
J&aacute; o presidente da AMTT, Gustavo Fidalgo, disse que n&atilde;o &quot;v&ecirc; ind&uacute;stria de multa&quot;. <em>&quot;Os pardais n&atilde;o multam o cidad&atilde;o de bem. Vai penalizar os infratores. &Eacute; uma forma de educar o condutor a respeitar o c&oacute;digo de transito&rdquo;</em>, afirmou.<br />
<br />
O presidente da Ag&ecirc;ncia disse ainda que as empresas contratadas s&atilde;o remuneradas com um valor fixo, sendo irrelevante a quantidade de autua&ccedil;&otilde;es. Para Fidalgo, as cr&iacute;ticas s&atilde;o &quot;incab&iacute;veis e infundadas&quot;. <em>&quot;Queremos &eacute; uma cidade mais segura&rdquo;,</em> acrescentou.<br />
<br />
Cinco pontos de radares fixos est&atilde;o instalados em Aragua&iacute;na, nas avenidas Neblina, Flor de Liz, Santos Dumont e C&ocirc;nego Jo&atilde;o Lima, al&eacute;m de um radar m&oacute;vel. O custo dos equipamentos fixos fica em torno de R$ 55 mil mensais. J&aacute; o m&oacute;vel custa cerca de R$ 12 mil.<br />
<br />
<u><strong>Empresas envolvidas em den&uacute;ncias</strong></u><br />
<br />
Segundo os vereadores, as empresas Penav&iacute;deo e Perkons, que venceram a licita&ccedil;&atilde;o em Aragua&iacute;na, estariam envolvidas em v&aacute;rias den&uacute;ncias de corrup&ccedil;&atilde;o no Brasil.<br />
<br />
Para o presidente da AMTT, essas empresas &quot;podem estar envolvidas em den&uacute;ncias, mas at&eacute; o momento n&atilde;o resultaram em nada&quot;. <em>&quot;O poder p&uacute;blico federal contrata com as empresas, atuam em Palmas, Bras&iacute;lia e em outras cidades. Elas n&atilde;o est&atilde;o cadastradas no rol de empresas inid&ocirc;neas&rdquo;</em>, disse Gustavo Fidalgo.<br />
<br />
<strong><u>Quantidade de multas e radar atr&aacute;s da &aacute;rvore</u></strong><br />
<br />
<img alt="" src="http://www.afnoticias.com.br/administracao/files/images/radar.jpg" style="width: 320px; height: 200px; border-width: 0px; border-style: solid; margin-left: 5px; margin-right: 5px; float: right;" />Questionado sobre o n&uacute;mero de multas j&aacute; aplicadas, Gustavo Fidalgo informou que o relat&oacute;rio s&oacute; &eacute; emitido a cada tr&ecirc;s meses. &ldquo;<em>N&atilde;o fechou o trimestre. Mas um levantamento preliminar aponta algo em torno de 3 mil imagens, mas s&atilde;o suscet&iacute;veis de serem aproveitadas ou n&atilde;o&rdquo;</em>, esclareceu.<br />
<br />
A velocidade m&aacute;xima permitida na Avenida C&ocirc;nego Jo&atilde;o Lima, de 40 km/h, tamb&eacute;m est&aacute; sendo alvo de cr&iacute;ticas. Segundo a AMTT, essa velocidade foi estabelecida por &ldquo;quest&otilde;es de seguran&ccedil;a do pedestre&quot;. <em>&quot;A C&ocirc;nego tem fluxo de pessoas muito grande e naquele ponto onde foi instalado o radar &eacute; o local de maior n&uacute;mero de acidentes, segundo a Policia Militar&rdquo;</em>, afirmou.<br />
<br />
Sobre o radar que est&aacute; atr&aacute;s de uma &aacute;rvore, dificultando a visualiza&ccedil;&atilde;o dos condutores, o presidente da AMTT se comprometeu a mud&aacute;-lo de local. &quot;<em>Vamos colocar no canteiro central da via. O intuito n&atilde;o &eacute; perseguir as pessoas, mas fazer com que obede&ccedil;am ao regramento de tr&acirc;nsito&rdquo;</em>, disse.<br />
<br />
Em rela&ccedil;&atilde;o &agrave;s placas de advert&ecirc;ncia da fiscaliza&ccedil;&atilde;o eletr&ocirc;nica, Gustavo disse que a legisla&ccedil;&atilde;o n&atilde;o prev&ecirc; sua obrigatoriedade. <em>&quot;S&oacute; &eacute; obrigat&oacute;rio colocar a placa de velocidade da via. N&atilde;o &eacute; preciso identificar que existe fiscaliza&ccedil;&atilde;o eletr&ocirc;nica. Mas n&oacute;s optamos por colocar as placas grandes, bem vis&iacute;veis, para n&atilde;o pegar o condutor desprevenido&rdquo;,</em> finalizou.</span>

Comentários pelo Facebook: