A ética na visão do PMDB ao expulsar Kátia e acolher Cunha, Geddel e Henrique Alves

Redação AF - | - 535 views
Elza Fiuza: Agência Brasil
Senadora Kátia Abreu

O jornalista Ricardo Noblat, do jornal O Globo, fez uma abordagem sobre “o que o PMDB entende por ética”, já que expulsou a senadora Kátia Abreu por criticar o governo de Michel Temer, mas mantém filiados e sem nenhum processo ético vários políticos que são presidiários, a exemplo de Eduardo Cunha, Geddel e Henrique Alves.

Noblat cita que o ex-ministro Henrique Eduardo Alves, fidelíssimo aliado do presidente Michel Temer, continua preso em Natal, acusado de corrupção, mas nem por isso saiu do PMDB ou foi expulso.

O ex-ministro Geddel Vieira Lima, há mais de 30 anos fiel escudeiro de Temer, continua preso em Brasília, acusado de receber propina. Nem deixou o PMDB nem foi deixado por ele.

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, mola-mestra do impeachment de Dilma que permitiu a ascensão de Temer, segue preso em Curitiba. E filiado ao PMDB, onde ninguém fala mal dele.

O partido presidido pelo senador Romero Jucá (RR) reuniu seu Conselho de Ética e expulsou dos seus quadros a senadora Kátia Abreu, do Tocantins. Do que ela foi acusada?

De criticar o governo Temer antes mesmo de ele começar. E de continuar a criticá-lo em desacordo com o partido. Kátia foi ministra da Agricultura do governo Dilma. Votou contra o impeachment.

Por causa disso, já havia sido suspensa do PMDB por um prazo de 60 dias. Como não aprendeu com o castigo, como teimou em fazer oposição a Temer, acabou defenestrada.

Roubar ou ser acusado de roubar não é considerada falha grave dentro do PMDB – não a ponto de justificar uma expulsão. Divergir pura e simplesmente de posições do partido passou a ser.

(Blog do Noblat)

Comentários pelo Facebook: