Advogada diz ter sido xingada e humilhada na Secretaria de Saúde; OAB lamenta

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Local onde a advogada foi humilhada

Portadora de doença crônica, a advogada Lourdes Tavares de Lima, de 65 anos, teria sido xingada e humilhada por servidores públicos da Assistência Farmacêutica Estadual, pertencente à Secretaria de Saúde do Estado, em Palmas.

A Comissão Especial de Proteção e Defesa do Idoso, da Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins, encaminhou um ofício à Procuradoria Geral do Estado e à Secretaria Estadual da Saúde cobrando apuração do caso. Também requereu que sejam tomadas as providências cabíveis em caráter de urgência, a fim de coibir atitudes como estas, bem como garantir o integral respeito e prestação do serviço público eficaz

Consta no ofício que a advogada se dirigiu no dia 21 de março de 2018 até a Assistência Farmacêutica Estadual e foi atendida por uma servidora, a qual informou que a resposta do pedido protocolado ocorreria entre 05 a 10 dias. Ela retornou ao local no dia 04 de abril e foi atendida por outro servidor de ‘forma bastante grosseira’.

O funcionário informou que o pedido só seria liberado após 90 dias, mas a advogada insistiu pela entrega da medicação ou que a recusa fosse formalizada por escrito e foi novamente desrespeitada pelo servidor.

Lourdes Tavares afirmou que, somente após se identificar como advogada, outra terceira servidora foi atendê-la e pediu que ela voltasse no dia seguinte. No entanto, ela solicitou novamente a recusa da entrega dos medicamentos por escrito, mas não foi atendida e a advogada ameaçou chamar a polícia.

Após duas horas de humilhação, constrangimentos e maus tratos, os servidores forneceram apenas um dos medicamentos solicitados. Ela ainda foi chamada para uma sala isolada e mais uma vez foi agredida verbalmente e com grosseria.

O que ocorreu com a colega não tem cabimento. Quem vai à Assistência Farmacêutica é porque precisa muito. Ela não podia ser humilhada e maltratada como aconteceu. Esperamos uma resposta rápida da Procuradoria e da Secretaria de Saúde”, salientou a presidente da Comissão de Proteção e Defesa do Idoso, Maria Lúcia M. de Castro.

Outro lado

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que ainda não foi notificada sobre a ação, mas ressaltou que é determinado pela pasta que todos os atendimentos realizados pela Assistência Farmacêutica sejam realizados com a maior presteza e agilidade possível. “A secretaria vai investigar o acontecido para tomar as medidas cabíveis“, garantiu.

Comentários pelo Facebook: