Amastha deixou dívida R$ 19 milhões à empresa de lixo e atraso com fornecedores

Redação AF - |
Foto: Júnior Suzuki
Ex-Prefeito Carlos Amastha

Alguns fornecedores da Prefeitura de Palmas, a única que possui um orçamento anual bilionário no Tocantins, não recebem pagamento há cerca de seis meses. Apenas a dívida com a empresa que recolhe o lixo chega a R$ 19 milhões, tudo fruto da gestão do ex-prefeito Carlos Amastha (PSB), candidato ao governo do Tocantins.  O rombo nas contas públicas da capital ficou nas mãos da agora prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB).

A denúncia foi apresentada pelo vereador Milton Neris (PP) na tribuna da Câmara durante a sessão de quarta-feira (2). O parlamentar cobrou uma solução para realizar o pagamento dos fornecedores que prestam serviços à Capital.

Segundo o vereador, várias máquinas estão paradas no pátio da Secretaria de Infraestrutura e na Subprefeitura de Taquaralto devido à falta de pagamento das empresas fornecedoras, que chega a seis meses de atraso.

Neris afirmou que a Prefeitura também está com o pagamento atrasado da empresa de lixo, responsável pela limpeza pública de Palmas, com uma dívida que chega a 19 milhões.

“Os palmenses que pagam um IPTU caríssimo, ISS, COSIP, taxas de alvará de funcionamento, taxa de lixo, corre o risco de ter seu lixo acumulado em frente suas residências e comércio, porque a prefeitura não paga seus contratos contínuos. Isso porque o dinheiro foi aplicado em shows, tendas, diárias excessivas e viagens, sendo mais de 56 milhões gastos com eventos na cidade”, criticou o vereador.

O ex-prefeito Amastha reajustou o IPTU neste ano em cerca de 300%, mas o aumento foi derrubado pelo Tribunal de Justiça do Tocantins. O ex-gestor ainda gastou no início do ano mais de R$ 1 milhão em shows no evento Palmas Capital da Fé.

Neris também lembrou de outros gastos desnecessários da prefeitura, como as compras efetuadas com pedras e gramas para ornamentar canteiros pela cidade e, por outro lado, a falta de pagamento das progressões dos servidores, que desde 2016 não recebem. “Precisamos de uma solução para resolver esses problemas. Está na hora do povo se levantar e cobrar seus direitos”, finalizou.

Na semana passada, o vereador Rogério Freitas chamou o ex-prefeito de ‘malandro e caloteiro’ por sair sem pagar os fornecedores. Amastha também deixou de pagar R$ 200 mil a uma empresa e o TJ-TO mandou sequestrar o dinheiro das contas da prefeitura.

Os servidores da educação de Palmas também fizeram vários protestos e acusaram o ex-prefeito de dar calote na categoria.

O AF Notícias solicitou uma posicionamento da Prefeitura de Palmas e aguarda retorno.

VEJA MAIS…

‘Prefeito caloteiro não vai ser governador’, diz cartaz contra Amastha em Palmas

Professores protestam na capital do Tocantins: ‘Prefeito caloteiro, cadê nosso dinheiro?’

Prefeitura de Palmas banca festas com dinheiro público enquanto aumento do IPTU chega a 300%

Mais de R$ 1 milhão serão gastos em shows no evento Palmas Capital da Fé

Comentários pelo Facebook: