Após chamar políticos de ‘vagabundos’, partido de Amastha perderá 7 prefeitos

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Prefeito de Palmas, Carlos Amastha

O polêmico prefeito da capital, Carlos Enrique Franco Amastha, presidente regional do PSB, assistirá ao assustador esvaziamento do seu partido nos próximos dias. Pelo menos sete prefeitos se preparam para abandonar o barco e ignorar os anseios políticos do colombiano para 2018.

Nos bastidores, afirma-se que essa debandada dos prefeitos seria um reflexo do distanciamento de Amastha, da sua ausência de carisma e atenção com os líderes do partido, além do resultado negativo das polêmicas declarações contra os políticos tocantinenses. Recentemente, Amastha disse que os políticos só pensavam em eleição e disparou chamando todos de ‘vagabundos’.

Com isso, devem ficar no PSB apenas o próprio Carlos Amastha e o prefeito de Dianópolis, Padre Gleibson.

Os outros sete eleitos em 2016 devem se filiar ao PSDB no encontro que o partido realizará no dia 14 de agosto, com a presença do prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB).

Cogita-se a saída dos prefeitos de Cristalândia (Batatinha), Talismã (Diogo Borges), Nova Rosalândia (Ladir Machado), Gurupi (Laurez Moreira), São Bento do Tocantins (Ronaldo Parente), Lagoa do Tocantins (Nonato Nestor) e Brejinho de Nazaré (Miyuki Hyashida).

Se por um lado os prefeitos não encontraram sombra debaixo da árvore de Amastha, o senador Ataídes Oliveira (PSDB) tem encantado os gestores com a liberação de emendas parlamentares em plena crise, um verdadeiro oásis.

Essa baixa no PSB também afeta sensivelmente os planos de Amastha para 2018, pois ninguém faz política sem grupo e sem lideranças espalhadas pelo Estado.

Comentários pelo Facebook: