Sobral – 300×100
Seet

Araguaína Park Shopping denuncia Dimas ao MPE por suspeita de direcionar área pública

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Obras do Araguaína Park Shopping serão retomadas

A empresa Saudibras Construtora e Incorporadora, nova proprietária do Araguaína Park Shopping, anunciou que retomará as obras de construção do empreendimento em abril do próximo ano, mas teme que uma decisão ‘política e pessoal’ do Poder Público Municipal impeça a continuidade do investimento.

Nesta segunda-feira (13), o prefeito Ronaldo Dimas revelou que pretende implantar um Shopping Center às margens da Via Lago, a menos de um quilômetro de distância do outro empreendimento.

Questionada sobre a viabilidade dos dois shoppings na cidade, a Saudibras disse que recebeu a notícia com “muita estranheza”, pois agora “ficou claro” o motivo da demora na renovação do alvará para reinício das obras do Araguaína Park. Segundo a empresa, o pedido foi feito à Prefeitura ainda no mês de junho, mas ainda não obteve nenhuma explicação técnica por parte do poder público.

ALVARÁ TRAVADO NA PREFEITURA

“Está tudo pronto para retomarmos as obras em abril de 2018. Contudo, estamos preocupados com o cronograma anunciado em junho desse ano por conta da obscuridade no processo de renovação do alvará n° 147/2013. Fizemos a solicitação em junho à Prefeitura, que até o momento não emitiu nenhuma explicação técnica para a demora”, disse a empresa, em nota.

DENÚNCIA AO MPE

A empresa ABL Prime Ltda foi a única que demonstrou interesse no shopping às margens da Via Lago, através do Chamamento Público nº 001/2017.

Já a Saudibras disse que, após análise minuciosa, encontrou vários vícios e suspeita de direcionamento no referido chamamento e, por isso, já formalizou denúncia ao Ministério Público Estadual (MPE).

“A renovação do alvará do Araguaína Park Shopping inviabilizaria o estudo técnico e econômico desse chamamento público. Desta forma, fica claro o porquê do silêncio de quase 6 meses da prefeitura para renovar o alvará. O anúncio do prefeito comprova essa suspeita, já que o chamamento ainda está em fase de estudos e já tem um investidor em mente”, criticou a nota.

R$ 25 MILHÕES JÁ INVESTIDOS   

A Saudibras afirmou que todos os projetos do shopping estão prontos. Destacou também que já foram investidos mais de R$ 25 milhões entre aprovações de projetos, terraplanagem, drenagem, fundações, blocos e estrutura de lajes e pilares já depositados na obra.  Segundo a empresa, a previsão de conclusão é de 30 meses após o reinício da obra.

A empresa também foi enfática ao garantir que o empreendimento está “tecnicamente e financeiramente consolidado” e só não será retomado por uma decisão política e pessoal da Prefeitura de Araguaína, caso ela se recuse a renovar o alvará para o empreendimento.

CRISE ECONÔMICA LEVOU À PARALISAÇÃO DAS OBRAS

A nota explica ainda que as obras só foram paralisadas por conta da crise econômica que o Brasil passa desde o ano de 2014.

“Já investimos em Araguaína há mais de 8 anos e desde de 2012 iniciamos os estudos de viabilidade do Araguaína Park shopping, o que só foi paralisado por conta da crise econômica que o Brasil passa desde de 2014. Nós primeiros sinais de recuperação econômica retomamos os investimentos em todo o Estado e em Araguaína aguardamos somente a liberação do alvará para retomada das obras”, finalizou a empresa.

PREFEITO FALA SOBRE POLÊMICA

Em entrevista à imprensa, o prefeito Ronaldo Dimas falou sobre o impasse do Araguaína Park Shopping. Ele explicou que a Câmara aprovou, em 2011, a doação de 20 mil m2 de área ao empreendimento, referente às ruas e calçadas que ficariam nas quadras ocupadas pelo shopping. O investidor tinha três anos para concluir a obra ou devolver a área ao poder público.

“Não tem nem como ser construído [o shopping]. Foi doação de área pública, que são as ruas. Tem na lei uma situação clara. Eles tinham três anos para entregar as obras. Se não inaugurasse ou entregasse, voltava ao patrimônio público. Nós já estamos no sexto ano e eles não entregaram. Então as ruas lá voltaram a ser parte do patrimônio público da cidade”, argumentou Ronaldo Dimas.

Comentários pelo Facebook: