Sobral – 300×100
Seet

Casamento em hospital marca história de luta, amor e superação no Tocantins

Redação AF - | - 894 views
Foto: Carlessandro Souza
Casamento emocionou servidores do Hospital Geral de Palmas

Ao som orquestrado da música ‘A Thousand Years’, tocado pelos músicos da Fúsio Studio, a noiva Maria da Penha do Santos, de 50 anos, hóspede há anos da Casa de Apoio Vera Lúcia, entrou pelo corredor do Hospital Geral de Palmas (HGP) para se casar com o companheiro Arion Rodrigues, de 40 anos. A solenidade ocorreu na tarde do último sábado (11).

O agora marido está internado há um ano e nove meses na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) do hospital e há dois dias conseguiu pedir Maria da Penha em casamento, companheira de 12 anos, com quem tem a filha Ana Caroline, de 11 anos.

Um casamento, por si só, já é um acontecimento que emociona a noiva, o noivo, padrinhos, família e convidados. Mas aquela celebração emocionou ainda mais: primeiro porque aconteceu dentro do HGP, segundo, porque a noiva não sabe por quantos dias estará casada, uma vez que o quadro de saúde de Arion Rodrigues é delicado. “Meu companheiro me pediu urgência no casamento e hoje estou aqui, linda e cheia de amor para ele. Os médicos já me explicaram a situação dele, mas tenho fé e amor. O sentimento é de tristeza e felicidade”, disse a noiva antes do “sim”.

Pelo estado de saúde do paciente, a cerimônia não ultrapassou meia hora. A logística para o casamento envolveu uma equipe multidisciplinar do HGP. “Os médicos, por exemplo, fizeram o ajuste da medicação. A equipe psicológica trabalhou o lado emocional ele, pois já estava muito abalado e com o casamento, mais ainda. Nós o preparamos fazendo a barba, cortando o cabelo. Cuidamos de todos os detalhes. Tudo, tudo funcionou de forma harmoniosa e nos encheu de muita emoção”, afirmou a coordenadora da UCI, Marlla Santos.

Paralelamente, a noiva também teve seus cuidados por uma equipe de voluntários, incluindo a maquiagem. Pelo curto prazo dado pelos médicos, o casamento foi organizado em dois dias, e os preparativos só aconteceram pelos esforços da Secretaria Estadual da Saúde (Sesau) e Secretaria do Trabalho e Assistência Social (Setas), além da iniciativa privada.  “Eu já fiz registro fotográfico de todos os estilos, mas este é único, especial e diferente”, disse o fotógrafo Beto Monteiro, que doou o álbum de casamento.  O vestido da noiva ficou aos cuidados da estilista, Silvia Dacs que o fez sob medida. “Já sou voluntária da Casa de Apoio, e quando soube dessa mobilização não pensei duas vezes”, disse.

A secretária da Setas, Patrícia do Amaral, também reforçou a parceira de todos. “Estávamos organizando o casamento para daqui duas semanas, mas o pedido de urgência do paciente nos fez acelerar o processo, e felizmente o casamento aconteceu e foi lindo”, afirmou.

Foto: Carlessandro Souza
Noiva com a filha de 11 anos.

Momento do ‘sim’

A capela do segundo andar do HGP foi o local designado para o casamento. Sem os tubos de oxigênio, Arion Rodrigues não estava acompanhado do pai ou mãe, que estão doentes, mas sim de uma equipe médica que o conduziu na maca até a capela. Como manda a tradição, o noivo chegou primeiro. Seguido minutos depois por Maria da Penha conduzida pelo irmão, Ione José.  “Meus pais estão muito felizes, e eu muito feliz por eles. Não sei o que vai acontecer, mas hoje foi o dia mais feliz da minha vida porque vi o sonho deles sendo realizado”, afirmou a filha Carolina que carregou a aliança do casal.

A cerimônia não ultrapassou meia hora e foi realizada para apenas 12 convidados. O pastor Cláudio Cirqueira de Souza, que veio especialmente de Colméia para celebrar o matrimônio, disse que a experiência foi uma das mais marcantes. “Nunca fiz um casamento neste formato. O Espírito Santo de Deus estava aqui com esse casal, e os dois serão honrados na terra e no céu”, disse emocionado.

Amor eterno

O casal tem uma longa história de superação. Maria da Penha luta há mais de 15 anos contra um câncer raro de pele do qual já resultou em mais de 11 cirurgias plásticas. Segundo ela, no momento de dor, o companheiro sempre foi um parceiro fiel e dedicado. Há quase dois anos, o mecânico sofreu um acidente de carro do qual o deixou tetraplégico culminando em outras sequelas graves e com pouca chance de sobrevivência. “Presenciar o casamento do meu irmão nessas condições é compreender o amor em sua essência”, disse emocionado Eranildo Rodrigues do Nascimento, que veio de Pedro Afonso especialmente para o casamento.

Agora casada, Maria da Penha disse que é a mulher mais feliz do mundo e que estará ao lado do esposo até o suspiro final. “Nunca desisti de lutar. Lutarei por mim e por ele até o fim”, finalizou.

Foto: Carlessandro Souza
Casamento durou apenas meia hora.

Parceiros

Governo do Tocantins, Sesau, Setas, Casa de Apoio Vera Lúcia, Beto Monteiro (fotógrafo), Maíra Borges (maquiagem), Peres Watson (cabelo), Val Coelho Silva (decoração), Silvia Dacs (vestido), Shinayder Maia, Jannilson Costa (músicos), Fúsio Studio Maristela Santos e Leila Lima (cerimonialistas).

Foto: Carlessandro Souza
Casamento dentro de hospital marca impressionante história de luta no Tocantins

Comentários pelo Facebook: