Com Tocantins sem governador, família luta para salvar vida de bebê em Araguaína

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Hospital e Maternidade Dom Orione em Araguaína

Familiares da pequena Ana Clara da Silva Sá Carneiro, que tem pouco mais de uma semana de vida, iniciaram uma mobilização com o objetivo de salvar a vida da menina. A criança está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital e Maternidade Dom Orione, em Araguaína.

A tia de Ana Clara, Lais Caroliny contou que a pequena nasceu com sete meses, no dia 20 de março de 2018, devido a complicações na gravidez da mãe Kelliany Lima Sá. Nasceu saudável, mas precisava ganhar peso e foi para a UTI.

No entanto, os rins de Ana Clara pararam de funcionar dois dias após o nascimento e ela não consegue urinar. “Estávamos com esperança de que os rins voltassem a funcionar, mas infelizmente isso não aconteceu”, lamentou a tia da menina.

Lais Caroliny disse que a sobrinha precisa ser transferida com urgência para fazer sessões de diálise em algum hospital do Brasil que oferte o tratamento, pois ela corre risco de vida.

Para isso, é necessária a autorização do Governo do Estado, o que não ocorreu até agora. “É dever do Estado proporcionar o mínimo de condição para que a população possa ter dignidade quando necessita de cuidados, todavia o que se encontra é uma verdadeira atrocidade”, desabafou Lais Caroliny.

DECISÃO JUDICIAL DESCUMPRIDA

Os pais de Ana Clara acionaram o Ministério Público Estadual (MPE) e foi ajuizada ação contra o Estado no Juizado Infância e Juventude.

O juiz Deusamar Alves Bezerra determinou que à Secretaria de Estado da Saúde (SES) que providencie com urgência a transferência de Ana Clara para outra unidade do Tocantins ou fora, para a diálise peritoneal preferencialmente em hospital conveniado com o SUS, ou em caso de inexistência de vaga, para um hospital da rede privada. Tendo ainda que providenciar a UTI Aérea.

A decisão fixou prazo de 24 horas, mas até agora a família não teve resposta do governo. “Pelo amor de Deus, tomem providências, órgãos competentes. Ana Clara pede socorro”, clamou Lais Caroliny.

“Estamos desesperados. A médica foi bem clara: minha filha está lutando pela vida e não pode ficar sem essa diálise. Se passarmos mais alguns dias, ela não vai sobreviver. Até agora o Governo não providenciou nada. A maternidade está fazendo o que pode. Não posso perder minha filha por descaso do Estado”, lamentou o lavrador Márcio Carneiro, pai da menina.

O OUTRO LADO

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (Ses-TO) disse que suas equipes técnicas estão envidando todos os esforços para buscar a resolução desta situação o mais brevemente possível. Inclusive está em contato com a Regulação de outros Estados.

Conforme a nota, a paciente está recebendo assistência, porém no Tocantins ainda não há tratamento de diálise neonatal.

O AF Notícias está acompanhando o caso.

Comentários pelo Facebook: