Sobral – 300×100
Seet

Conta de água fica 17% mais cara a partir de março e Odebrecht dá dicas de como “economizar”

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Conta de água fica 17% mais cara no Tocantins a partir de março e Odebrecht dá dicas de como "economizar"

O ano não começou bom para os tocantinenses. Além de aumentos de impostos estaduais e municipais, as tarifas de água e esgoto terão reajustes de 17,15% a partir de fevereiro deste ano, com incidência já na fatura de março.

O aumento foi autorizado pela Agência Tocantinense de Regulação (ATR) e publicado no Diário Oficial do Estado da última segunda-feira (25). Cerca de um milhão de tocantinenses serão afetados pelo aumento.

De acordo com a agência, o reajuste é decorrente do Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA) e 19,46% referente a recomposição de perdas e defasagens tarifárias à Companhia de Saneamento do Tocantins Odebrecht Ambiental/Saneatins.

A resolução indica que o aumento leva em consideração a recomposição tarifária da Odebrecht Ambiental, confirmada por meio de apuração em auditoria independente apresentada pela empresa. Essa recomposição de defasagens tarifárias, estabelecido em 19,46%, será aplicado em três parcelas iguais e consecutivas. A primeira será incorporada a conta de água que vence no mês de março e as outras parcelas de 6,48% em 2017 e 2018.

Segundo a Odebrecht Ambiental Saneatins, as residências que estão na faixa de consumo mínimo (até dez mil litros de água tratada) devem passar a pagar R$ 36,44, o que representa um aumento de R$ 5,16. A faixa de consumo corresponde a cerca 60% dos usuários no Estado, ou seja, 600 mil consumidores.

Social

O reajuste também afetará quem se enquadra nos critérios da Tarifa Social, que contam com critérios diferenciados no regime de cobrança. No Tocantins são 80 mil pessoas nesta faixa de consumo – de até 30 mil litros de água.

O desconto 69% na fatura de água continua valendo. Com isso, ainda segundo a Odebrecht Ambiental Saneatins, pelo consumo de 10 mil litros de água o consumidor passa a pagar R$ 11,05. Os critérios para acesso ao benefício estão disponíveis nas lojas de atendimento e no site www.odebrechtambiental.com/tocantins.

Como economizar: Dicas da Odebrecht

Diante do reajuste, a Odebrecht dá dicas de como manter o controle da conta de água. Segundo a empresa, pequenos vazamentos podem se tornar verdadeiros vilões da fatura se não forem percebidos a tempo.

Segundo o instituto Trata Brasil, uma única torneira pingando perde em média, 46 litros/dia. Isso significa 1.380 litros de água tratada que são desperdiçados em um mês, isto pode resultar em mais de R$ 100,00 desperdiçados em um ano só com esse vazamento. Verificar com frequência se as instalações da casa estão em boas condições é uma maneira simples de evitar o desperdício e ainda poupar dinheiro.

Com o reajuste de 17%, a empresa diz que o segredo para não ver a conta de água subir muito – e até economizar – é não abrir mão de todos os cuidados com o consumo e as instalações.

Os cuidados vão desde a verificação das válvulas de descarga nos banheiros – já que a presença de água escorrendo constantemente nas privadas é justamente fruto de válvulas desreguladas – até a procura por pequenos vazamentos internos – mofo na parede, muitas vezes é sinal de um destes vazamentos. Para constatar esses vazamentos, um teste ideal consiste em, com a caixa d’água cheia, fechar todas as saídas de água da casa e conferir se o hidrômetro continua contabilizando a passagem de água. Testes feitos logo cedo pela manhã são os mais indicados.

Todos esses procedimentos são de responsabilidade do consumidor, já que se trata de verificação de instalações internas. Em caso confirmação de um vazamento, o consumidor pode, por conta própria, contratar um profissional para que faça o reparo ou pode também buscar os serviços da Odebrecht Ambiental | Saneatins pelo telefone 0800 6440 195. Em 2015, a concessionária realizou, em todo o Tocantins, 7.686 atendimentos desta natureza.

Dicas:

Ø  Com sua caixa d’água cheia, feche todos os registros e torneiras da casa e observe se o hidrômetro continua em atividade, assim é possível constatar se existe algum tipo de vazamento oculto;

Ø  Verifique com frequência se todas as torneiras, válvulas de descarga e bomba da caixa d’água estão reguladas ou precisam ser substituídas;

Ø  Observe se há sinais de mofo ou umidade nas paredes, teto ou piso;

Ø  Feche todas as torneiras e marque a caixa d’água o nível da água e, após 1 hora (no mínimo), verifique se ele baixou;

Ø  Em caso de vazamento, contrate uma empresa especializada ou a companhia de saneamento para realizar uma vistoria.

Comentários pelo Facebook: