Seet
Sobral – 300×100

Dimas, Kátia, Carlesse, Márlon Reis e OAB comentam cassação de Marcelo Miranda

Agnaldo Araujo - |
Foto: Pedro Barbosa
Marcelo Miranda

A cassação do mandato do governador do Tocantins, Marcelo Miranda (MDB), e da sua vice, Claudia Lelis (PV), pelo Tribunal Superior Eleitoral, caiu como uma bomba no meio político do Estado.

Alguns pré-candidatos ao Governo nas eleições de 2018 se manifestaram acerca da condenação. A Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins também divulgou um comunicado.

Confira as manifestações

Ronaldo Dimas

“O momento exige responsabilidade. Um mandato tampão com uma nova eleição sequencial vai exigir capacidade administrativa e política. É mais um grande desafio. Estamos prontos para ele”.

Kátia Abreu

“Diante do atual cenário político do Tocantins, em que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o mandato nesta manhã, 22, do governador Marcelo Miranda e da sua vice-governadora Cláudia Lélis, respectivamente, venho lamentar o ocorrido, porém acatando a presente decisão da nossa instância maior, em todos os seus termos. Em que pese todo transtorno, vamos aguardar os acontecimentos, esperando que os fatos sirvam de exemplo e esperança para um Tocantins renovado”.

Mauro Carlesse

“Com serenidade e responsabilidade o presidente Mauro Carlesse está preparado para assumir sua obrigação constitucional. Portanto, ele aguarda a comunicação oficial da Justiça Eleitoral para assumir a chefia do Executivo estadual”.

Márlon Reis

O advogado e ex-juiz Márlon Reis (Rede) confirmou que disputará a eleição suplementar ao Governo do Tocantins, que deve ocorrer nos próximos 40 dias.

OAB-TO

“A OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins) lamenta que o Estado esteja passando por mais um processo traumático de cassação de governador e vice por crimes eleitorais. A demora de mais de três anos para julgar o caso ocorrido ainda na eleição de 2014 mostra que a Justiça Eleitoral precisa encontrar meios de agilizar esse tipo de julgamento.

Sem entrar no mérito da decisão legítima, não se pode demorar tanto tempo para definir questões importantes relacionadas as eleição de 2014. Foram mais de três anos sem resolver, fato semelhante ao ocorrido em 2009. Agora, a decisão muda a vida de mais de 1,5 milhão de habitantes, em um estado que ainda é muito dependente do poder público estadual.

Ao mesmo tempo, a OAB-TO defende que, em uma nova eleição direta, a Justiça Eleitoral publique o quanto antes regras claras, com prazos e normas. Vale o mesmo para a eventualidade desta nova eleição ser indireta.

Por outro lado, a OAB-TO volta a defender necessidade de eleições limpas no Estado, com uma nova forma de fazer política. O combate ao caixa 2 tem que ser prioridade 1 da Justiça Eleitoral e das instituições de controle. Os candidatos precisam se conscientizar que a disputa precisa ser correta, dentro das regras, com dinheiro declarado, sem compra de votos, sem extrapolar limites legais e sem uso da máquina pública.

O eleitor também tem que ter a consciência de exigir condutas condizentes dos políticos e valorizar o seu voto, não o trocando por migalhas, dinheiro ou qualquer bem. Como bem diz o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, ‘o voto não tem preço, tem consequência’. Pesquisar a ficha pública do candidato (a) em todos os níveis, conferir o histórico político e administrativo antes de escolher, verificar suas ideias é primordial.

O Brasil e o Tocantins estão passando por momento de depuração. Esse momento, claro, tem que ser feito respeitando o amplo direito de defesa de todos os acusados. A moralização não pode ocorrer desrespeitando preceitos constitucionais, mas ela precisa ocorrer.

A advocacia, como sempre, está à disposição para ajudar”.

Walter Ohofugi Júnior

Presidente da OAB-TO

Carlos Correia

Presidente da Comissão de Combate ao Caixa 2 e em Defesa do Voto Consciente

Comentários pelo Facebook: