Sobral – 300×100
Seet

Diversos ‘protegidos’ de deputados não passam no concurso da Assembleia

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
10 deputados assinaram o pedido de suspensão do concurso

Artigo de opinião – Alberto Rocha

Cada um puxa a sardinha para sua própria barriga. Os deputados José Bonifácio (Tocantinópolis), Valderez Castelo Branco (Araguaína), Cleiton Cardoso (Palmas) Toinho Andrade (Porto Nacional), José Roberto (Pirenóplis- Palmas), Luana Ribeiro (Goiânia), Júnior Evangelista (Miracema), Mauro Carlesse (São Paulo e Gurupi), Eduardo do Dertins (Gurupi).

O edital do concurso público da Assembleia Legislativa do Estado deixou, inicialmente, estes 10 parlamentares, representantes do povo, descontentes por demais. Motivo? Altos salários dos possíveis futuros servidores da Casa. Pelo jeito, os 10 do contra acreditam que tais salários comprometeriam a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Mas tem mistério nessa moita parlamentar. Vejo dois possíveis motivos para que os 10 do contra pedissem mudança no edital do concurso. Primeiro: é a quase certeza de que muitos de seus protegidos não conseguiriam passar no concurso, pois muitos, em vez de estudar, puxam saco. Segundo: os novos possíveis concursados tomariam o lugar de muitos “assessores parlamentares”e, assim, os 10 do contra teriam dificuldades em manter seus secretários no emprego.

A verdade é que, até agora, não se sabe se algum nobre deputado já chegou a questionar os bons salários de seus apaniguados (cabos eleitorais, familiares, amigos)  empurrados guela abaixo no serviço público, via suposta assessoria parlamentar na Assembleia. Mas o concurso assusta essa turma.  A minha opinião é a seguinte: caso tivessem a garantia de que seus cabos eleitorais fossem aprovados, certamente a briga seria outra: aumentar os salários.

Que se dane a Lei de Responsabilidade Fiscal. Concurso público é para escolher e contratar os melhores e mais capacitados para o serviço público. Mas concurso assusta, pois é o meio justo e correto de trocar os empregados via apadrinhamento político pela eficiência profissional via concurso público.

Alberto Rocha é jornalista

Comentários pelo Facebook: