Seet
Sobral – 300×100

Eduardo Cunha recebeu quase R$ 1 milhão de propina em liberação de recursos para Saneatins em 2011

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Delator cita propina a Eduardo Cunha em repasse de R$ 90,5 milhões para Saneatins em 2011

O ex­-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto, relatou em delação premiada que o presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-­RJ), recebeu propina em 12 operações de grupos empresariais que obtiveram aportes milionários do Fundo de Investimento do FGTS (FI­-FGTS). Em depoimentos prestados à Procuradoria ­Geral da República (PGR), ele contou que Cunha cobrava comissões variáveis, de 0,3%, 0,5% ou até mais de 1% dos repasses feitos pelo fundo.

Um dos casos relatado foi o repasse de R$ 90,5 milhões para a Empresa de Saneamento do Tocantins (Saneatins), controlada pela Odebrecht Ambiental, que detém a concessão de água e esgoto em várias cidades do Estado. A operação foi aprovada em setembro de 2011. Cleto afirmou que Cunha pediu seu apoio para aprovar operação para que o FI – ­FGTS se tornasse, com o investimento, acionista da empresa. O ex-­vice-presidente da Caixa contou que Cunha lhe disse ter ficado também com 1% do valor, o que equivale a R$ 905 mil. O delator disse ter embolsado R$ 36 mil.

Fábio Cleto foi vice­-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa entre 2011 e dezembro de 2015, indicado ao cargo por Eduardo Cunha. Ele integrava também o Comitê de Investimento do FI-­FGTS, colegiado que aprova os repasses de recursos em empresas. Aos procuradores da Operação Lava Jato, o delator contou que tinha reuniões semanais com o peemedebista Cunha, em Brasília, para informar de forma pormenorizada quais grupos buscavam apoio do banco público e definir quais seriam os alvos do esquema.

Conforme o relato aos investigadores, esses encontros eram todas as terças­-feiras, por volta das 7h30, primeiro no apartamento funcional do deputado. Depois que ele assumiu a Presidência da Câmara, teriam passado a ocorrer na residência oficial da Casa, no Lago Sul. Para confirmar os encontros, ele indicou à PGR o nome do motorista da Caixa que o levava. Também entregou cópias de seus votos no comitê do FI­-FGTS e uma planilha com a “prestação de contas” do esquema, produzida pelo operador do mercado financeiro Lúcio Bolonha Funaro, preso nesta sexta-feira.

Cleto explicou que, ao tomar conhecimento das informações, Cunha apontava quais aportes lhe interessavam e pedia que o vice­-presidente da Caixa trabalhasse para viabilizar a aprovação. Nos demais casos, a ordem seria para “melar” as operações.

O vice­-presidente disse que não cobrava pessoalmente propina das empresas. A tarefa caberia ao próprio Cunha ou a Funaro, que o teria apresentado ao peemedebista. Do valor supostamente pago por cada empresa, o deputado ficaria com 80%. Cleto admitiu que recebia uma parte menor, cujo valor era sempre estipulado pelo deputado. O dinheiro, segundo ele, era sempre depositado pela Carioca Engenharia numa conta na Suíça.

Operações.

Uma das propinas relatadas por Cleto refere­-se à captação de recursos feita em 2012 pela Eldorado Brasil, empresa do grupo J&F, que também controla a Friboi. O valor pleiteado inicialmente foi de R$ 1,8 bilhão para obras numa fábrica em Três Lagoas (MT), mas acabou reduzido para R$ 940 milhões. Nesse caso, Cleto disse acreditar que Cunha tenha recebido valor superior a 1% como comissão. Ele afirmou que sua parte foi de R$ 940 mil.

O delator contou que a negociação do aporte foi feita com o controlador da J&F, Joesley Batista, supostamente apresentado a ele por Funaro num jantar na casa do operador financeiro. (Estadão Conteúdo).

Comentários pelo Facebook: